A terapia ocupacional na prevenção de doenças ocupacionais-uma realidade a ser conquistada

  • Silene A.A Riciotti
Palavras-chave: Prevenção, Trabalhador, Doenças Ocupacionais e Terapia Ocupacional.

Resumo

Este artigo dá enfoque ao espaço a ser ocupado pelo Terapeuta Ocupacional,  sua atuação e contribuição na Prevenção de Doenças Ocupacionais. É resultado de um trabalho que teve por objetivo a avaliação prévia das atividades laborais, no CESEC-BANCO DO BRASIL², verificando a opinião do trabalhador e seu grau de conscientização em relação à sua saúde/trabalho, através de pesquisa quantitativa e qualitativa.

Constataram-se variáveis nas atividades de funcionários do CESEC, mostrando dados significativos e expressivos em termos percentuais estatísticos, sobre ocorrência de sintomas físicos e mentais decorrentes do trabalho, que podem repercutir na saúde física e mental dos funcionários.

Os estudos conclusivos  sugerem a implementação de medidas preventivas e/ou corretivas, objetivando melhoria nas condições de trabalho com repercussões positivas na saúde física, mental e social, com consequente  aumento produtivo na diminuição de custos para empresa.

Referências

BARBOSA, Valdemar Nunes. Ergonomia: O homem, a máquina e ao ambiente. Revista Cipa, Ano XVIII – 199, 1996. p. 110.

BEZERRA, Maria Tallulah Cheker; ARAÚJO, Ana Rosa de Oliveira. Saúde ocupacional do caixa executivo. Revista Cipa, Ano XVII – 204, 1996. p. 36.

BRASIL. Atualização da norma técnica sobre LER – DORT. Serviço Público Federal. São Paulo: Divisão de Atividades Previdenciárias. 1997.

CODO, Vanderley; ALMEIDA, G. C. Maria Celeste (org.) L.E.R. – Lesões por esforços repetitivos. Petrópolis: Vozes. 1995.

COLS, José Newton Garcia de Araújo S. L.E.R. – Dimensões ergonômicas e psicossociais. Editora Horizonte-MG: Livraria e Editora Health. 1997.

COUTO, Hudson de Araújo. Ergonomia aplicada ao trabalho. O manual Técnico da Máquina Humana. Volume I e II. São Paulo: Ergo Editora Ltda. 1996.

____. Revista doenças profissionais. Nº 1, 2, 3, 4, 5. 1992.

GOMIS, Antônio Paulo; JÚNIOR, Benoni Arruda A.. O stress e a organização. Ginástica laboral . Revista Cipa, Ano XVII – 211, 1997. p. 88; p. 121.

HIDA, Nelson Akio. Esforço repetitivo é apenas umas das causas das LER. Revista Cipa, Ano XVIII – 213, 1997. p. 88.

LAVILLE, Antoine. Ergonomia. São Paulo: Editora Epli, 1988.

LECH, Dr. Osvandré; HOELFEL, Drª Maria da Graça. Protocolo de investigação das L.E.R.. Porto Alegre – RS: Cortesia Rhodia Farma Ltda. 1995 (mimeo).

MANUAL DE LEGISLAÇÃO ATLAS. Segurança e medicina do trabalho. 37ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 1997.

Revista Acta Fisiátrica 2 (2) : 3-6. Protocolo de Atendimento nas LER. 1995. p. 17 à 33.

ROSSI. Marco Antônio; SILVA, José Carlos Plácido da. A saúde. O controle de tenossinovite é possível. Revista Cipa, Ano XVII – 204, p. 87. 1996.

Secretaria de Estado de Trabalho e Ação Social e Secretaria do Estado de Saúde. Lesões por Esforços Repetitivos (LER). Saúde Governo de Minas gerais. 1992. (mimeo).

Secretaria do Estado de Saúde dos Trabalhadores da Zona Norte de São Paulo (SUDS-6). LER.: Um problema da sociedade brasileira. Abril/1994. (mimeo).

SecretAria de Saúde do S.E.E.B. L.E.R. São Paulo. Agosto/1992. (mimeo).

SÉRGIO, Paulo. Prevenção ginástica da pausa para trabalho de abatedouro de frangos. Revista Cipa, Ano XVII – 204, 1996. p. 50.

SERRANO, Ricardo da Costa. Ergonomia. São Paulo. Agosto. 1993 (mimeo).

TEOREMIN Laboratório. Doenças Profissionais – A “epidemia” atual de Tenossinovite e L.E.R. no Brasil. 1992. (mimeo).

VOLPI, Sylvia. A avaliação ergonômica. Revista Cipa, Ano XVIII – 199, 1996. p. 26.

____. A ergonomia no Brasil em 1996. Revista Cipa, Ano XVIII. 1996. 205, p. 33.

____. A LER no ambiente de trabalho. Revista Cipa, Ano XVIII – 209, p. 38. 1997.

____. Adquirindo e fabricando produtos ergonômicos – parte II. Revista Cipa, Ano XVII – 204, 1996. p. 26.

____. As dores das LER. Revista Cipa XVIII – 212. 1997.

____. Considerações sobre as LER nas empresas. Revista Cipa, Ano XVII – 211, 1997. p. 48.

____. Cores I. Porque Existem? Como as enxergamos? Revista Cipa , Ano XVIII – 213, 1997. p. 46.

____. Fadiga também definida como: cansaço, estafa e canseira. Revista Cipa, Ano XVIII – 208, 1997. p. 42.

____. Mudanças? Nem pensar... Revista Cipa, Ano XVIII – 210, 1997. p. 42.

____. Prevenindo a monotonia no trabalho parte II. Revista Cipa, Ano XVII – 207. 1997.

____. Saúde ocupacional do Caixa Executivo. Revista Cipa, Ano XVII – 204, 1996. p. 36.

WILLARD & SPACKMAN. Terapeuta Ocupacional. Barcelona: Editora JIMS. 1993.

Publicado
2016-05-27
Como Citar
Riciotti, S. A. (2016). A terapia ocupacional na prevenção de doenças ocupacionais-uma realidade a ser conquistada. Multitemas, (17). https://doi.org/10.20435/multi.v0i17.1050
Seção
Artigos