Análise fitossociológica de um fragmento de Cerrado em Campo Grande, MS

  • Kwok Chiu Cheung Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
  • Letícia Koutchin dos Reis Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS
  • Carla Cristina Cerezoli de Jesus Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS
Palavras-chave: biodiversidade vegetal, sucessão ecológica, levantamento.

Resumo

O Cerrado é detentor de imensa riqueza fisionômica e florística, com mais de 6.000 espécies fanerogâmicas registradas, possuindo uma das mais abrangentes floras dentre as savanas mundiais. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento da composição florística em um fragmento do Cerrado e caracterizar suas fisionomias no Instituto São Vicente MS. O método utilizado foi amostragem das espécies de forma randômica, por toda a extensão da borda do fragmento e partes de seu interior. O critério de inclusão foi para espécies com hábito arbóreo, sub-arbóreo e arbustivo. No total foi possível registrar na área 40 famílias, com 94 espécies. Identificaram-se duas fisionomias que predominam na área (cerradão e mata ripária). O fragmento foi caracterizado por possuir áreas em estágio sucessional secundário, ou seja, ainda em processos de regeneração natural.


Biografia do Autor

Kwok Chiu Cheung, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB
Professor e coordenador dos cursos de ciências biológicas da UCDB. Mestre em ecologia e conservação pela Universidade Federal do Paraná - UFPR e doutorando pela Rede Procentrooeste em Biotecnologia e biodiversidade.
Letícia Koutchin dos Reis, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS
Graduanda do curso de Ciências Biológicas – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS. E-mail: leticiak.reis35@gmail.com
Carla Cristina Cerezoli de Jesus, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS
Mestranda em Ecologia Vegetal – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS.

Referências

ARAÚJO, R. A. Florística e estrutura da Comunidade Arbórea em Fragmento Florestal Urbano no Município de Sinop, Mato Grosso. 2008. 132f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2008

CHAZDON, R. L. Chance and determinism in tropical forest sucession. In: CARSON, W. P.; SCHNITZER, S. A. (Ed.). Tropical Forest Community Ecology. Chichester: Blackwell Publishing Ltd, 2008. p. 384-408.

DAUBENMIRE, R. Plant communities: a textbook of plant synecology. New York: Harper e Row, 1968.

FELFILI, J. M.; NOGUEIRA, P. E. JÚNIOR, M. C. S.; MARIMON, B. S.; DELITTI, W. B. C. Composição florística e fitossociologia de um cerrado sentido restrito no município de Água Boa-MT. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 103-112, 2002.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. Biogeografia do bioma cerrado: estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal, Brasília, 2001.

FONSECA, C. R.; CARVALHO, F. A. Aspectos florísticos e fitossociológicos da comunidade arbórea de um fragmento urbano de floresta atlântica (Juiz de Fora, MG, Brasil). Biosci. J., Uberlândia, v. 28, n. 5, p. 820-832. set./out. 2012

GOOGLE MAPS, 2016.

HARPER, J. L. Population biology of plants. London: Academic, 1977.

ICMBio. Fitofisionomias - Mata Ripária. Projeto Corredor Ecológico – Região do Jalapão, 2014. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/projetojalapao/pt/biodiversidade-3/fitofisionomias.html?start=6>. Acesso em: 29 maio 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Centro de Documentação e Disseminação de Informações. Normas de apresentação tabular. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Centro de Documentação e Disseminação de Informações. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993. 62p.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Ecossistemas brasileiros. Brasília: Edições IBAMA, 2001. 49p.

KOCHANOVSKI, F. J.; SCIAMARELLI, A.; DUARTE, C. U. N. B. D. Levantamento florístico da vegetação herbácea e subarbustiva do córrego mamangaba, Mundo Novo, Mato Grosso do Sul, Brasil. In: SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO. DESAFIO ESTRATÉGIAS PARA O EQUILÍBRIO ENTRE SOCIEDADE, AGRONEGÓCIO E RECURSOS NATURAIS, XV., 2008. Brasília, DF. Anais..., Brasília, DF: EMBRAPA CERRADOS. 2008.

MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de textos, 2007.

MENDONÇA, R.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. N. Flora vascular do Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Ed.). Cerrado: ambiente e flora. Brasília, DF: Embrapa, p. 287-556, 1998.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403, p. 853-858, 2000.

NASS, P. D. Mata ciliar - o corredor da natureza: a mata que cerca os rios é fundamental na preservação do ambiente e do equilíbrio ecológico. Cultura Secular, Brasília, DF, v. 7, n. 13, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://cultura.secular.com.br/13-mai2009/mataciliar.html>. Acesso em: 2 jun. 2016.

NICÁCIO, M. E. J. A manutenção de mata ciliar: um ativo permanente. Revista de estudos sociais, Cuiabá, ano 3, n. 6, p. 85-92, 2001.

PIVELLO, V. R. Estudos para a conservação dos recursos biológicos do Cerrado - o exemplo da "Gleba Cerrado Pé-de-Gigante" (Parque Estadual de Vassununga, Santa Rita do Passa Quatro, SP). 2003. 110f. Tese (Livre-Docência) - Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2003.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Ed.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa/CPAC, 1998. p. 89-116.

SÓLORZANO, A.; PINTO, J. R. R; FELFILI, J. M.; HAY, J. D. V. Perfil florístico e estrutural do componente lenhoso em seis áreas de cerradão ao longo do bioma Cerrado. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 26, n. 2, p. 328-341, 2011.

WHITTAKER, R. J.; JONES, S. H. The role of frugivorous bats and birds in the rebuilding of a tropical forest ecosystem, Krakatau, Indonesia. J. Biogeogr., 21, p. 245-258, 1994.

Publicado
2016-06-30
Como Citar
Cheung, K. C., Reis, L. K. dos, & Jesus, C. C. C. de. (2016). Análise fitossociológica de um fragmento de Cerrado em Campo Grande, MS. Multitemas, 21(49). https://doi.org/10.20435/multi.v21i49.1092