Destinação dos resíduos sólidos como sustentabilidade no meio rural

  • Ludmila Saldanha Escobar Universidade Católica Dom Bosco
  • Eloir Trindade Vasques Vieira Universidade Catolica Dom Bosco
  • Luis Carlos Vinhas Itavo Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Jose Aparecido Moura Aranha Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: desenvolvimento sustentável, gestão ambiental, meio ambiente.

Resumo

Trata-se de artigo de revisão bibliográfica acerca da produção e destinação de resíduos sólidos em áreas rurais. Sabe-se que os resíduos são motivo de grande preocupação na atualidade, de forma que seu descarte de maneira incorreta acarreta sérios danos ao meio ambiente. O trabalho parte dos conceitos de gestão ambiental para, em seguida, abordar sobre meio ambiente e sustentabilidade e, posteriormente discute resíduos sólidos no meio rural. Conclui-se que as melhores formas de descarte de resíduos no meio rural são a compostagem de materiais orgânicos, reciclagem e reutilização e aterramento do lixo cujo reúso não é possível.

Biografia do Autor

Ludmila Saldanha Escobar, Universidade Católica Dom Bosco
Pós-graduada em Gestão em Agronegócio pela UCDB/ Portal Educação (lato sensu)
Eloir Trindade Vasques Vieira, Universidade Catolica Dom Bosco

Graduada em Ciências Contábeis. Mestrado em Desenvolvimento Local, Doutorado em Ciências Ambientais e Sustentabiliade Agropecuária pela Universidade Católica Dom Bosco

Luis Carlos Vinhas Itavo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduado em Zootecnia pela Universidade Estadual de Maringá (1995), Mestrado em Zootecnia ( Produção Animal), pela Universidade Estadual de Maringá (1998) e Doutorado em Zootecnica ( Nutrição de Ruminantes) pela Universidade Federal de Viçosa (2001).

Jose Aparecido Moura Aranha, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Católica Dom Bosco (1997), graduação em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS (2011), pós graduação Latu Sensu (Especialização) em Perícia Contábil e Investigação Financeira e Empresarial pela Universidade Católica Dom Bosco (1999), mestrado em Ciências Contábeis e Financeiras pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005) e doutorado em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB (2015).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10.004; Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 1987.

ALMEIDA, R. O bom negócio da sustentabilidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

ARAÚJO, G. C. et al. Sustentabilidade empresarial: conceitos e indicadores. In: CONGRESSO BRASILEIRO VIRTUAL DE ADMINISTRAÇÃO, 3., 2006. Disponível em: <http://www.convibra.com.br/2006/artigos/61_pdf.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2016.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2007.

BARBIERI, J. C.; CAJAZEIRA, J. E. R. Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Saraiva, 2009.

BARBOSA, G. L. M. Gerenciamento de resíduo sólido: Assentamento Sumaré II, Sumaré- SP. 2005. 147f. Dissertação (Mestrado em Saneamento e Ambiente) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, UNICAMP, Campinas, SP, 2005.

BIDONE, F. R. A.; TEIXEIRA, E. N. Metodologia e técnicas de minimização, reciclagem e reutilização de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro: ABES, 1999.

BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 2. ed. São Paulo: Blucher, 2010.

BUAINAIN, A. M. Agricultura familiar, agroecologia e desenvolvimento sustentável: questões para debate. Brasília: IICA, 2006.

DAROLT, M. R. Lixo rural: entraves, estratégias e oportunidades. Planeta Orgânico, Ponta Grossa, 2002. Disponível em: <http://www.planetaorganico.com.br/trabalhos.htm>. Acesso em: 10 ago. 2016.

DONAIRE, D. Gestão ambiental nas empresas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GRANZIERA, M. L. M. Direito ambiental. São Paulo: Atlas, 2009.

HENARES, E. L. Educação ambiental e resíduos sólidos: a ação da COOPERLIX em Presidente Prudente-SP. 2006. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 10 jul. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Mudanças climáticas globais, queimadas e incêndios florestais. Cartilha publicada pelo Ministério do Meio Ambiente, 2011.

JOHN, V. M; ANGULO, S. C; AGOPYAN, V. Sobre a necessidade de metodologia de pesquisa e desenvolvimento para reciclagem. São Paulo: PCC - Departamento Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica/EP USP, 2000.

LIMA, M. A.; CAVALHEIRO, F. Análise da degradação ambiental do município de Rio Claro com o apoio do sistema de informações geográficas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 7. Anais... Curitiba, 1993. p.83-91

QUINTAS, J. S. Introdução à gestão ambiental pública. 2. ed. rev. Brasília: IBAMA, 2006. 134p. (Coleção Meio Ambiente. Série Educação ambiental, 5).

SCHARF, R. Manual de negócios sustentáveis. São Paulo: Amigos da Terra – Amazônia Brasileira; Fundação Getúlio Vargas, Centro de Estudos em Sustentabilidade, 2004.

TOCCHETTO, M. R. L. Gerenciamento de resíduos sólidos industriais. Universidade Federal de Goiás. Curso de Especialização em Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos e Líquidos, 2009.

Publicado
2016-11-17