Caracterização clínico-nutricional de japoneses e descendentes nipo-brasileiros na cidade de Campo Grande, MS, Brasil

  • Lígia Aurélio Bezerra Maranhão Mendonça Universidade Católica Dom Bosco
  • Rosângela dos Santos Ferreira Universidade Católica Dom Bosco
  • Jackeline Satie Minami Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: síndrome metabólica, doença crônica, estilo de vida.

Resumo

Os hábitos ocidentais caracterizados por padrões alimentares, sedentarismo e estresse psicossocial, associados à predisposição genética, contribuem para o desenvolvimento da síndrome metabólica (SM), estabelecendo impacto deletério no aumento do risco cardiometabólico. O objetivo foi avaliar os fatores de risco para a SM na população nipo-brasileira. Foram estudados 145 indivíduos de ambos os sexos, com idade entre 16 e 79 anos. Observaram-se diferenças entre os sexos em relação à idade, sendo que os valores médios de peso, estatura, CC, PAS e PAD foram maiores nos homens. Entretanto não foram encontradas diferenças quanto ao IMC, IC e glicemia. Constatou-se associação entre sexo e risco de patologias associadas à obesidade, assim como com o estado nutricional e em relação à presença de obesidade I. Identificaram-se adultos não jovens, eutróficos, com IC elevado em ambos os sexos e níveis pressóricos elevados nos homens; com risco muito aumentado de patologias associadas à obesidade em mulheres.

Biografia do Autor

Lígia Aurélio Bezerra Maranhão Mendonça, Universidade Católica Dom Bosco

Graduada em Nutrição (Bacharelado - 2013) pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Participando como voluntária e bolsista de iniciação cientifica do programa PIBIC/UCDB, nos ciclos 2011/2012 e 2012/2013 desenvolvendo projetos de técnicas dietéticas, tecnologia e inovação de alimentos, atuando como pesquisadora. Atuou como voluntária em projeto de extensão na Missão Salesiana de Mato Grosso do Sul - Casa Dom Bosco, onde desenvolveu atividades de Administração de Unidades de Nutrição. Entre os anos de 2010 a 2011 participou como voluntária do Programa de Controle da Obesidade e Reeduação Alimentar da Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina - Atento Adultos e Atento Kids, no qual desenvolveu atividades de atendimento clínico (comunidade acadêmica e não acadêmica), avaliação nutricional, elaboração de planos alimentares personalizados, elaboração de cardápios, atividades de técnica dietética e acompanhamento nutricional periódico. Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior (2015) pelo Centro Universitário Anhanguera. Mestre em Biotecnologia (2015) pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Durante o mestrado foi bolsista CAPES, atuando na linha de pesquisa de Biotecnologia aplicada à Saúde Humana, a partir do desenvolvimento de estratégias de prevenção (anti) mutagenicidade, (anti) genotoxicidade e (anti) carcinogenicidade a partir de terapias e medicamentosas (plantas medicinais) em sistemas-teste in vitro, e temas de fitoquímica de plantas, com biomonitoramento por testes de atividade biológica (citotoxicidade e toxicidade). Atualmente é Pós-Graduanda em Nutrição Clínica Funcional pela Universidade Cruzeiro do Sul e Doutoranda em Biotecnologia pela Universidade Católica Dom Bosco.

Rosângela dos Santos Ferreira, Universidade Católica Dom Bosco

Pós-doutoranda em Biotecnologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2014 - em andamento). Possui graduação em Nutrição pela Universidade Santa Úrsula (1981), mestrado e doutorado em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2008 e 2014). Foi docente na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal e Universidade Católica Dom Bosco. É nutricionista do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: transtornos alimentares (anorexia nervosa, obesidade e bulimia), desnutrição infantil, cirurgias do aparelho digestivo, dieta cetogênica e doenças infecto contagiosas.

Jackeline Satie Minami, Universidade Católica Dom Bosco
Graduada em Nutrição (Bacharelado - 2013) pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Referências

BRASIL. Guia alimentar para a população brasileira - promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2008.

CORREIA, F. et al. Prevalência da sindrome metabólica: comparação entre os critérios ATPIII e IDF numa população feminina com obesidade severa. Acta Medica Portuguesa, n. 19, p. 289-294, 2006.

FIUZA, M. et al. Metabolic syndrome in Portugal: prevalence and implications for cardiovascular risk-results from the VALSIM Study. Portuguese journal of cardiology : an official journal of the Portuguese Society of Cardiology, v. 27, n. 12, p. 1495-–1529, 2008.

GOTLIEB, S. Mortality among Japanese migrants residing in the municipality of São Paulo, Brazil, 1990. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 24, n. 6, p. 453-467, 1990.

LIPSCHITZ, D. Screening for nutritional status in the elderly. Primary care, v. 21, n. 1, p. 55-67, mar. 1994.

MARCHI-ALVES, L. M. et al. Componentes da síndrome metabólica na hipertensão arterial. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 46, n. 6, p. 1348-1353, 2012.

NATIONAL CHOLESTEROL EDUCATION PROGRAMS (NCEP). Third Report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel on Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Cholesterol in Adults (Adult Treatment Panel III) final report, v. 106, n. 25, p. 3143-421, dez. 2002.

OLIVEIRA, R. M. S. et al. Influência do estado nutricional pregresso sobre o desenvolvimento da síndrome metabólica em adultos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 92, n. 2, p. 107-112, 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Obesidade: impedindo e controlando a epidemia global da obesidade. Relatório Mundial/OMS, 1998.

______. Obesidade: impedindo e controlando a epidemia global da obesidade. Relatório Mundial/OMS, p. 3-5, 1997.

PALANIAPPAN, L. et al. Predictors of the Incident Metabolic Syndrome in adults: the insulin resistance atherosclerosis study. Diabetes Care, v. 27, n. 3, p. 788-93, 2004.

PIMENTA, A. M.; FELISBINO-MENDES, M. S.; VELASQUEZ-MELENDEZ, G. Clustering and combining pattern of metabolic syndrome components in a rural Brazilian adult population. São Paulo Medical Journal, v. 131, n. 4, p. 213-9, 2013.

PITANGA, F. J. G.; LESSA, I. Indicadores antropométricos de obesidade como instrumento de triagem para risco coronariano elevado em adultos na cidade de Salvador – Bahia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 85, n. 1, p. 26-31, jul. 2005.

______. Sensibilidade e especificidade do índice de conicidade como discriminador do risco coronariano de adultos em Salvador, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 259-269, set. 2004.

QUETELET, L. A treatise on man and the development of his faculties. Obesity Research, v. 2, n. 1, p. 72-85, 1994. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/j.1550-8528.1994.tb00047.x/abstract;jsessionid=F485D050B375F600FAA704468D18C835.f03t03>. Acesso em: 9 nov. 2016

RODRIGUES, T. C. et al. Prevalência de síndrome metabólica em uma população de pacientes com excesso de peso (funcionários de um hospital de referência). Revista HCPA, v. 27, n. 10, p. 1-4, 2007.

SALAROLI, L. B. et al. Prevalência de Síndrome Metabólica em estudo de base populacional, Vitória, ES – Brasil. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 51, n. 7, p. 1143-1152, 2007.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO (SBH). VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 95, n. 1, p. 1-51, 2010.

VALDEZ, R. A simple model based index of abdominal adiposity. Journal of Clinical Epidemiology, v. 44, n. 9, p. 955-956, 1999.

VASQUES, A. C. J. et al. Habilidade de indicadores antropométricos e de composição corporal em identificar a resistência à insulina. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 53, n. 1, p. 72-79, 2009.

Publicado
2017-05-16