O quarto que sou eu e o quarto que eu posso arrumar: uma pesquisa alicerçada na experiência

  • Ariany da Silva Villar Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
  • Josemar de Campos Maciel Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Palavras-chave: pesquisa heurística, método fenomenológico, pesquisa-relação.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é dar visibilidade ao fenômeno da relação do jovem (de 18 a 21 anos) com seu quarto, a partir do relato de estudos de caso realizados, como também realizar o ensaio da construção de uma Metodologia que priorize os sujeitos de pesquisa e suas experiências. Diante de todo o alvorecer de complexidades de nossa sociedade Pós-Moderna, coube a nós, com esta pesquisa, mostrarmo-nos sensíveis a um pequeno universo dentro deste ilimitado – enfocamos o processo dialético em que o indivíduo constrói seu espaço e é construído por ele, sendo esse espaço o seu próprio quarto. A escolha pelo sujeito jovem se motiva por seu diálogo intenso com as transformações de nossa era e por sua construção identitária característica do momento do desenvolvimento em que se encontra, refletida em desejos e gestos de diferenciação e individuação. Como esta pesquisa nasce e se desenvolve pelo viés da relação entre os seus participantes, sua tentativa não esteve em torno de uma transcrição do fenômeno, mas sim da produção de insights pelos participantes da pesquisa em diálogo com seus respectivos espaços de manifestação, por meio das contínuas reflexões incitadas nos encontros entre participante-pesquisador e participantes-pesquisados; as representações e significações do participante-pesquisador estiveram sempre presentes na pesquisa e foram consideradas como influentes por direcionarem o olhar deste no perceber do fenômeno.

Referências

ACHUGAR, H. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

ALMEIDA FILHO, N. Transdisciplinaridade e o paradigma pós disciplinar na Saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 30-50, 2005.

BHABHA, H. K. Disseminação: o tempo, a narrativa e as margens da nação moderna. In: ______. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2007. p. 198-238.

CERTEAU, M. Fazer com: usos e práticas. In: ______. A invenção do cotidiano; artes de fazer. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996. p. 91-106.

DOUGLASS, B.; MOUSTAKAS, C. E. Heuristic Inquiry. The Internal Search to Know. Journal of Humanistic Psychology, v. 25, n. 3, p. 39-55, verão de 1985.

ERIKSON, E. H. O ciclo vital: epigênese da identidade. In: ______. Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987. p. 90-141.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa. (Desdobramentos). Caxias do Sul, RS: Educs, 2003.

MACIEL, J. C. A ciência psicológica em primeira pessoa: o sentido do método heurístico de Clark Moustakas para a pesquisa em psicologia. 2004. Tese (Doutorado em Psicologia) − Pontifícia Universidade de Campinas, SP.

MALINOWSKI, B. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultura, 1984. (Orig. 1922).

MERLEAU-PONTY, M. O visível e a natureza: a interrogação filosófica – reflexão e interrogação. In: ______. O visível e o invisível. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992. p. 15-56.

MOUSTAKAS, C. E. Heuristic research: design, methodology and applications. Newbury Park: Sage Publications, 1990.

______. The heuristic process in discovery of knowledge; discovery: processes and methods. In: ______. Being-In, Being-For, Being-With. CA: Jason Aronson Inc. Publishers, 1995. p. 21-39; 41-57.

SPINK, P. K. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 15, n. 2, dez. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822003000200003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 28 fev. 2011. doi: 10.1590/S0102-71822003000200003.

Publicado
2015-11-26