A religiosidade e a pós-modernidade no contexto da sociedade brasileira

  • Rosane Aparecida Ferreira Bacha Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
  • Maria Augusta de Castilho Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Palavras-chave: religião, territorialidade, pós-modernidade.

Resumo

O estudo origina-se de uma pesquisa exploratória, com embasamento teórico pautado em vários autores; e utilização de entrevistas semiestruturadas e observações em templos religiosos: missas, sessões espíritas e outros. Verificou-se que os fiéis das religiões alteraram seus perfis, mediante a história das religiões registradas nos últimos quinhentos anos, asseverando não mais uma sucumbência, e contraditoriamente ainda há extrema dependência, principalmente nas classes menos abastadas financeiramente. Hodierno o cliente e/ou fiel está mais inseguro, dividido e volúvel em relação à sua religiosidade. Detectou-se que os entrevistados fomentam a fé de maneira peculiar, pois não sentem a necessidade de estarem presentes a qualquer ritual religioso para alimentá-la, entretanto possuem predileção por este ou aquele modelo de culto personalizado, afirmando saírem deles reenergizados.

 

Referências

AZEVEDO, Reinaldo. O IBGE e a religião – cristãos são 86% do Brasil; católicos caem para 64,6%; evangélicos já são 22,2%. Revista Veja. 29/06/2012. Disponível em: < http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-ibge-e-a-religiao-%E2%80%93-cristaos-sao-868-do-brasil-catolicos-caem-para-646-evangelicos-ja-sao-222/>. Acesso em: 20 ago. 2013.

BOFF, Leonardo. Virtudes para um mundo possível – hospitalidade: direito & dever de todos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. v. 1.

CALVELLI, Haudrey Germiniani. O fenômeno da benzeção moderna à luz da teoria do consumo moderno. Interações - cultura e comunidade. Revista de Ciências da Religião, Uberlândia, MG, v. 4, n. 5, jan./jun. 2009.

CHURCHILL, Gilbert A.; PETER, Paul Jr. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, 2005.

DOTOLO, Carmelo. La Teologia Fondamentale Davanti alle Sfied del “pensiero debole” di G. Vattimo. Roma: LAS (Biblioteca di Scienze Religiose, 152), 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo 2000. Brasília, 2000.

______. Censo 2010. Brasília, 2010.

KOTLER,Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. 14. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de marketing: conceitos, planejamentos e aplicações à realidade brasileira. São Paulo: Atlas, 2006.

LATOUR, Bruno. O que é Iconoclash? Ou, há um mundo além das Guerras de Imagem? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, RS, ano 14, n. 29, jan./jun. 2008.

MARQUES, Leonardo Arantes. História das religiões: e a dialética do sagrado. São Paulo: Madras, 2005.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa. O presente status do estudo das religiões. In: SILAS, Guerriero (Org.). O estudo das religiões: desafios contemporâneos. São Paulo: Paulinas, 2003. (Coleção Estudos da ABHR).

NERY, Paulo Roberto Albieri. Fé, crença, auto-ajuda: tradição antropológica revisitada. Interações - Cultura e Comunidade, Uberlândia, MG, v. 4, n. 5, jan./jun. 2009.

OLIVEIRA, Amurabi Pereira de. Nova era a brasileira: a new age popular do vale do amanhecer. Interações - Cultura e Comunidade, Uberlândia, MG, v. 4, n. 5, jan./jun. 2009.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Sobre fundamentação. 2. ed. Porto Alegre, RS: Edipucrs, 1997. (Filosofia 8).

OLIVEIRA, Pedro A. Ribeiro de. Religião e dominação de classe: gênese, estrutura e função do catolicismo romanizado no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

ORO, Ari Pedro. Considerações sobre a liberdade religiosa no Brasil. Revista Ciências e Letras, Porto Alegre, RS, n. 37, p. 433-448, jan./jun. 2005.

ORTIZ, Renato. Anotações sobre religião e globalização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 47, p. 59-74, out. 2001.

QUEIROZ, José J. Deus e crenças religiosas no discurso filosófico pós-moderno. Linguagem e religião. Revista de Estudos da Religião, n. 2, p. 1-23, 2006. Disponível em: <http://www.pucsp.br/rever/rv2_2006/p_queiroz.pdf>. Acesso em: 8 out. 2013.

RANQUETAT JR., Cesar Alberto. Reflexões antropológicas sobre a religião na modernidade: declínio ou reconfiguração do religioso. Interações - Cultura e Comunidade, Uberlândia, MG, v. 4, n. 5, jan./jun. 2009.

SANDRINI, Marcos. Religiosidade e educação no contexto da pós-modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

TEIXEIRA, Jorge Juarez Vieira; LEFÈVRE, Fernando. Significado da intervenção médica e da fé religiosa para o paciente idoso com câncer. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. 4, p. 1247-1256, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v13n4/21>. Acesso em: 20 jul. 2013.

VATTIMO, G. Depois da cristandade, para um cristianismo não religioso. Rio de Janeiro: Recorde, 2004.

WIKIPÉDIA. Religião. [s.d.]. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%A3o>. Acesso em: 10 jun. 2013.

Publicado
2015-11-26