Análise do campo ambiental como um problema para racionalidade moderna

  • Victor Hugo de Oliveira Marques Coordenador do Curso de Filosofia da Universidade Católica Dom Bosco
  • Josemar de Campos Maciel Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: campo ambiental, Enrique Leff, Heidegger.

Resumo

O presente texto se insere nos pressupostos teóricos dos Estudos do Desenvolvimento. Porém, no momento, quer-se abrir um primeiro recorte: como o conceito de ‘ambiental’ discutido por Enrique Leff obriga necessariamente a uma discussão crítica sobre a racionalidade moderna que sustenta o discurso epistemológico para o desenvolvimento, e, mais especificadamente, ao pensamento de Heidegger. Para tanto será percorrido o seguinte caminho: [1] a discussão da revisão epistemológica do próprio desenvolvimento pela abertura da temática do ambiental; e [2] que conceitos heideggerianos podem, de início, ser tomados para a questão epistemológica de fundo ao desenvolvimento, qual seja, o conceito de ciência.

Biografia do Autor

Victor Hugo de Oliveira Marques, Coordenador do Curso de Filosofia da Universidade Católica Dom Bosco
Docente e Coordenador do Curso de Filosofia da Universidade Católica Dom Bosco. Doutorando em Desenvolvimento Local pela UCDB
Josemar de Campos Maciel, Universidade Católica Dom Bosco

Graduado em Filosofia pelas Faculdades Unidas Católicas do Mato Grosso (1987); em Teologia pela Pontificia Universidade Gregoriana de Roma (1991); mestre em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (1999); mestre em Teologia Sistemática pela Pontificia Universidade Gregoriana de Roma (1993) e doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2004). Atualmente, professor na Universidade Católica Dom Bosco: Mestrado em Desenvolvimento Local, Programa Master em Desenvolvimento Territorial Sustentável (Master STEDE) Erasmus Mundus/Erasmus Plus e Licenciatura em Filosofia. estágio pós-doutoral em andamento (Estudos Culturais, EACH-USP) com o projeto "Hospitalidade e Desenvolvimento: Por uma pequena conversação.

 

Referências

BLANCHÉ, R. A epistemologia. Lisboa: Presença, 1975.

BUNGE, M. Epistemología. Curso de actualización. 3. ed. México; Buenos Aires: Século XXI, 2002.

DUTRA, L. H. de A. Introdução à epistemologia. São Paulo: UNESP, 2010.

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O MEIO AMBIENTE HUMANO. Declaração de Estocolmo. 1972. Disponível em: <https://www.apambiente.pt/_zdata/Politicas/DesenvolvimentoSustentavel/1972_Declaracao_Estocolmo.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2017.

FOLTZ, B. V. Habitar a terra. Heidegger, ética ambiental e a metafísica da natureza. Lisboa: Piaget, [s.d.].

HEIDEGGER, Martin. Ciência e pensamento de sentido. In: ______. Ensaios e conferências. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: São Francisco, 2006.

LEFF, E. A aposta pela vida. Imaginação sociológica e imaginários sociais nos territórios ambientais do sul. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

______. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. In: PHILIPPI JR., Arlindo (Org.). Interdisciplinaridade em ciências ambientais. São Paulo: Signus, 2000.

PALMER, Joy A.; COOPER, David E.; CORCORAN, Peter Blaze (Ed.). Fifty key thinkers on the environment. London: Routledge, 2001.

SACHS, W. (Ed). The development dictionary: a guide to knowledge as power. 2. ed. New York: Zed Book, 2010.

Publicado
2018-05-08