Propriedade intelectual e moda feminina

Palavras-chave: propriedade intelectual, invenção, moda feminina.

Resumo

Toda invenção nasce no campo das ideias por meio da percepção e inquietação de algo que esteja faltando no cotidiano do inventor ou da sociedade a que ele serve. Uma característica inerente à moda é a inovação, uma vez que o poder e a apresentação das pessoas também se realizam pela moda e uso de determinadas marcas. O cidadão também tem direito, lato sensu, de se destacar da multidão, por meio da moda, fazendo, contudo, parte dela. Este artigo tem por objetivo elucidar o termo propriedade intelectual, bem como apresentar sua legislação, o direito de propriedade e a propriedade intelectual de um produto, além de abordar a criação de roupas com foco na moda feminina, bem como a regulamentação da moda. Por fim apresentar a importância do registro da invenção.

Biografia do Autor

Maria Geralda Miranda, Centro Universitário Augusto Motta - UNISUAM
Possui graduação em Comunicação Social (Jornalismo) e em Letras Clássicas e Vernáculas. Especialista em Literaturas Vernáculas pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Mestre em Literatura Comparada com ênfase nos estudos culturais pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e Doutorado em Letras com ênfase em estudos pós-coloniais, também pela UFF. Fez pós-doutorado em Estudos de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pela UFRJ. É professora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local, do Centro Universitário Augusto Motta, UNISUAM, onde também e professora titular. Coordena o Projeto "Implicações do Ambiente no processo de Ensino-Aprendizagem: Estudos sobre escolas Públicas do Complexo do Alemão, na Cidade do Rio de Janeiro". vinculado ao Programa Observatório da Educação da CAPES - OBEDUC/CAPES. Desenvolve estudos no âmbito da Educação ambiental e na relação entre educação, cultura, trabalho e desenvolvimento. Estuda cultura popular e elabora metodologias visando à aplicação em Educação Ambiental. Faz pós-doutorado em Políticas Públicas e Formação Humana na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ.
Bruno Matos de Farias, Centro Universitário Augusto Motta - UNISUAM
Mestre em Desenvolvimento Local pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Professor Auxiliar na Universidade Estácio de Sá (UNESA) no Curso de Engenharia Civil. Possui Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Especialização em Docência OnLine: Tutoria em EAD pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil, com ênfase em Construção Civil, atuando principalmente no seguinte tema: Perícia e Assistência Técnica. Especialista em Registros de Patentes, Marcas e Programas de Computador. Professor Externo no curso de extensão Pra Quem Faz (UNISUAM)

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (ASPI). Propriedade intelectual. 2016. Disponível em: <http://www.aspi.org.br/pt-br/propriedadeintelectual.aspx>. Acessado em: 25 mar. 2017.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Brasília, DF, 2016.

______. Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Manual para o Depositante de Patentes. Brasília, DF, 2015.

______. Projeto de Lei n. 2.177, de 2011. Código Brasileiro de Inovação. Brasília, DF. 2011.

______. Lei n. 11.196, de 21 de novembro de 2005. Institui o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, o Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras - RECAP e o Programa de Inclusão Digital. Brasília, DF, 2005.

______. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília, DF, 2002.

______. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Brasília, DF, 1996.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

COSTA, Dhora. A história das bolsas. São Paulo: Matrix, 2010.

DEJEAN, Joan. A essência do estilo: como os franceses inventaram a alta-costura, a gastronomia, os cafés chiques, o estilo, a sofisticação e o glamour. Tradução de Mônica Reis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

HESS, S. Dudalina: A paixão e a história de Sônia Hess. O Brasil que vai além, 2014. Disponível em: <http://obrasilquevaialem.apexbrasil.com.br/Post/DUDALINA-a-paixo-e-a-histria-de-Snia-Hess/>. Acesso em: 1º abr. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). 2017. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/>. Acesso em: 25 mar. 2017.

MIRANDA, Ana Paula de. Consumo de moda: a relação pessoa-objeto. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Brasília, DF, 1998.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (OMPI). 2017. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia/ompi/>. Acesso em: 25 mar. 2017

ROSA, Cristina de Azevedo. Império do luxo. A construção do sucesso. Porto: Lidel – Edições Técnicas, 2010.

Publicado
2018-05-08