A evolução das penas e prisões em um contexto histórico

  • Cleide de Oliveira Gonçalves Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: penas, prisões, cidadão

Resumo

O presente artigo visa analisar a história e evolução das penas e das prisões, passando pela Idade Antiga, Idade Média e Contemporânea. As penas e prisões eram aplicadas de forma cruel e sangrenta, e, muitas vezes, eram torturas. Para o indivíduo que cometesse um delito, a justiça era feita com as próprias mãos, ou seja, não havia uma preocupação quanto à justiça, se estava sendo aplicada ou não. As formas implantadas de penas agressivas aos delitos cometidos pelos indivíduos foram caindo em desuso, ou seja,  com o processo evolutivo da sociedade, foi-se notando que a maioria dos delitos partiram dos excluídos da sociedade. Alguns revolucionários defendiam que as penas deveriam ser substituídas por outros tipos de penas, penas menos cruéis, porém seria o ponto de partida para a criação de penas mais brandas, surgindo a ideia de substituição da pena do corpo para um outro tipo de pena, que seria a pena privativa de liberdade e restritiva de direitos, uma vez que o objetivo dessa aplicação seja  trazer de volta a dignidade do ser humano e o convívio social e ressocializar o cidadão para que ele retorne à sociedade de forma a cumprir seu papel, valorizando o cidadão.

 

Referências

ADMINISTRAÇÃO Pública princípios básicos. Tecnolegis, [s.d.]. Disponível em: <http://www.tecnolegis.com/estudo-dirigido/tecnico-mpu-administrativa/administracao-principios-basicos.html>. Acesso em: 23 mar. 2011.

BECCARIA, Cesare Bonesana Marques. Dos delitos e das penas. São Paulo: Martin Claret, 2000, p. 126.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal: parte geral. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 505-16.

CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: parte geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. p 21. v. 1.

DECLARAÇÃO Universal dos Direitos Humanos, [s.d.]. Disponível em: <http://www.dji.com.br/diversos/declaracao_universal_direitos_humanos.htm>. Acesso em: 14 fev. 2011.

FEITOSA, Isabela Britto. Direitos dos presidiários à luz da constituição federal de 1988 e das legislações ordinárias: Código Penal e Lei de Execução Penal (Lei 7.210 de 1984). JurisWay – Sistema Educacional Online, 2011. Disponível em: <http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=6082>. Acesso em: 01 jul. 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhere. Petrópolis, Vozes, 1987.

LIMA, George Marmelstein. As funções dos princípios constitucionais. Jus Navigandi, 2002. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/2624/as-funcoes-dos-principios-constitucionais>. Acesso em: 13 fev. 2011.

LUISI, Luiz. Os princípios Constitucionais Penais. Porto Alegre: Sete Mares, 1991. p. 15.

MAIA, Bruno Landim. As penas privativas de liberdade: funções e execuções. ­Webartigos, 2007. Disponível em: <http://www.webartigos.com/articles/2459/1/Aspenasprivativas>. Acesso em: 23 mar. 2011.

Manifesto, O. Kant e a teoria da retribuição moral, 2010. Disponível em: <http://manifestocabano.blogspot.com/2010/09/kant-e-teoria-da-retribuicao-moral.html>. Acesso em: 18 abr. 2011.

MIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 30. Ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

MOUI, André Heidrich. Valores constitucionais em matéria penal: breves considerações, 2003. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/3875/os-valores-constitucionais-em-materia-penal>. Acesso em: 25 mar. 2011.

NORONHA, Edgard Magalhães. Direito Penal. 33. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. p. 20. v. 1.

RIBEIRO, Márcio. Vigiar e Punir, [s.d.]. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAdrEAB/vigiar-punir>. Acesso em: 02 abr. 2011.

ZAFFARONI, Eugênio Raul. Manual de Direito Penal Brasileiro: parte geral. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. p. 236. v. 1.

Publicado
2015-11-26
Seção
Artigos