Estrutura da vegetação de cerrado <em>sensu stricto</em> em terra indígena no noroeste do Estado de Mato Grosso

  • Reginaldo Brito da Costa Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Ediléia Patrícia Silveira Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Thaianny Rodrigues de Souza Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Palavras-chave: vegetação lenhosa, fitossociologia, cerrado

Resumo

O presente estudo objetivou caracterizar a estrutura da vegetação lenhosa da Terra Indígena Utiariti, comparando-a com outras áreas de mesma fitofisionomia. Este trabalho foi realizado na Terra Indígena Utiariti, município de Campo Novo dos Parecis, estado de Mato Grosso. Objetivando analisar a estrutura da vegetação lenhosa do Cerrado sensu stricto foram alocadas 20 parcelas de 20x50m totalizando 2,0 ha de área amostrada e medidos todos os indivíduos vivos com circunferência do caule ao nível do solo igual ou superior a 5 cm. Foram amostrados 1.696 indivíduos, em 82 espécies pertencentes a 37 famílias. Destacaram-se as famílias Leguminosae, Vochysiacea, Melastomataceae, Myrtaceae, Annonaceae, Apocynaceae, Malpighiaceae, Connaraceae e Lauraceae. As espécies Qualea parviflora, Vochysia cinamomea, Caryocar brasiliensis, Miconia sp., Pouteria ramiflora, Salvertia convallariodora, Qualea grandiflora, Davilla elliptica, Myrcia albutomentosa, e Vochysia rufa foram as que apresentaram maior índice de valor de importância contribuindo com 50,45% do número total de indivíduos na comunidade. O conhecimento da comunidade vegetal da área pode auxiliar na valoração do patrimônio e na manutenção da identidade cultural indígena Utiariti. Outros estudos, com ênfase etnoecológica, tornam-se importantes para que se amplie o quadro de conhecimento da riqueza de um ambiente que apresenta peculiaridades e efetivas políticas públicas.

 

Referências

BALDUINO, A. P. C.; SOUZA, A. L.; MEIRA NETO, J. A. A.; SILVA, A. F.; SILVA JUNIOR, M. C. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do cerrado da flora de Paraopeba - MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 29, p. 25-34, 2005.

BORGES, H.; SHEPHERD, G. J. Flora e estrutura do estrato lenhoso numa comunidade de Cerrado em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, p. 61-74, 2005.

BRASIL. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto RADAMBRASIL. Levantamento de Recursos Naturais. Folha Cuiabá (SD-21). Rio de Janeiro: DNPM, 1982.

______. Ministério do Meio Ambiente. Monitoramento dos biomas brasileiros. Brasília: MMA, 2009. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/portalbio>. Acesso em: 17 set. 2009.

CIENTEC. Software Mata Nativa 2.06: sistema para análise fitossociológica, elaboração de inventários e planos de manejo de florestas nativas. Viçosa, MG, 2006.

CRONQUIST, A. An integrated system of classification of flowering plants. New York: Columbia University, 1988. 555p.

DUBREUIL, V.; BARIOU, R.; PASSOS, M.; FERRAND, R.; NÉDÉLEC, V. Evolução da fronteira agrícola no Centro-Oeste de Mato Grosso: municípios de Tangará da Serra, Campo Novo do Parecis e Diamantino. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 22, p. 463-478, 2005.

DURIGAN, G.; NISHIKAWA, D. L. L.; ROCHA, E.; SILVEIRA, E. R.; PULITANO, F. M.; REGALADO, L. B.; CARVALHES, M. A.; PARANAGUÁ, P. A.; RANIERI, V. E. L. Caracterização de dois estratos de vegetação em uma área de cerrado no município de Brotas, SP, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 16, p. 251-262, 2002.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Sistema brasileiro de classificação dos solos. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 1999, 412p.

FELFILI, J. M.; SILVA-JÚNIOR, M.C.; REZENDE, A.V.; MACHADO, J. W. B.; WALTER, B. M. T.; SILVA, P. E. N.; HAY, J. D. Análise comparativa da florística e fitossociologia da vegetação arbórea do cerrado sensu stricto da Chapada Pratinha Brasil. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 6, p. 27-66, 1993.

FELFILI, J. M.; FILGUEIRAS, T.; HARIDASAN, M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; MENDONÇA, R. C.; REZENDE, A. V. Projeto Biogeografia do Bioma Cerrado: vegetação e solos. Cadernos de Geociências, v. 12, p. 75-166, 1994.

FELFILI, J. M.; NOGUEIRA, P. E.; SILVA JÚNIOR, M. C.; MARIMON, B. S.; DELITTI, W. B. C. Composição florística e fitossociologia do cerrado sentido restrito no município de Água Boa, MT. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 16, p. 103-112, 2002.

FELFILI, J. M.; SILVA-JÚNIOR, M. C.; SEVILHA, A. C.; FAGG, C. W.; WALTER, B. M. T.; NOGUEIRA, P. E.; REZENDE, A. V. Diversity, floristic and structural patterns of cerrado vegetation in central Brazil. Plant Ecology, v. 175, p. 37-46, 2004.

GOMES, M. A. V.; SANTOS, M. V. Relatório Técnico de vegetação consolidado para o estado de Mato Grosso. Parte 2: Sistematização das Informações Temáticas, Nível Compilatório. Projeto de Desenvolvimento Agroambiental do Estado de Mato Grosso. PRODEAGRO. Zoneamento Sócio-Econômico-Ecológico do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: SEPLAN/MT; BIRD; CNEC Engenharia, 2002.

GUARIM-NETO, G.; GUARIM, V. L. M. S.; PRANCE, G. T. Structure and floristic composition of the trees of an area of cerrado near Cuiaba, Mato Grosso, Brazil. Kew Bulletin, v. 49, n. 3, p. 499-509, 1994.

HARIDASAN, M. Aluminium accumulation by some cerrado native species of central Brazil. Plant and soil, v. 65, p. 265-273, 1982.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapa dos Biomas do Brasil. Diretoria de Geociências, 2004. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias>. Acesso em: 16 fev. 2010.

______. Amazônia Legal - Fronteira Agrícola. Diretoria de Geociências, 2006. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/mapas_doc3.shtm>. Acesso em: 18 mai. 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Ecossistemas brasileiros. Brasília: Edições IBAMA, 2001. 49p.

MAGURRAN, A. E. Ecological diversity and its measurement. Cambridge: Cambridge University Press, 1988. 192 p.

MARIMON JUNIOR, B. H.; M. HARIDASAN. Comparação da vegetação arbórea e características edáficas de um cerradão e um cerrado sensu stricto em áreas adjacentes em solos distróficos no leste de Mato Grosso, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 19, p. 913-926, 2005.

MARIMON, B. S.; LIMA, E. S. Caracterização fitofisionômica e levantamento florístico preliminar no pantanal dos rios Mortes-Araguaia, Cocalinho, Mato Grosso, Brasil. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 13-229, 2001.

MENDONÇA, R.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. N. Flora vascular do Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Ed.), Cerrado: ambiente e flora. Embrapa: Brasília, DF, 1998, p. 287-556.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley, 1974. 547p.

NASCIMENTO, M. T.; SADDI, N. Structure and floristic composition in an area of cerrado in Cuiabá - MT, Brazil. Revista Brasileira de Botânica, v. 15, n. 1, p. 47-55, 1992.

NERI, A. V.; MEIRA NETO, J. A. A.; SILVA, A. F.; MARTINS, S. V.; SAPORETTI JÚNIOR, A. W. Composição florística de uma área de cerrado sensu stricto no município de Senador Modestino Gonçalves, Vale do Jequitinhonha (MG) e análise de similaridade florística de algumas áreas de cerrado em Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 31, p. 1109-1119, 2007

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; SHEPHERD, G. J.; MARTINS, F. R.; STUBBLEBINE, W. H. Environmental factors affecting physiognomic and floristic variation in a area of cerrado in Central Brasil. Journal of Tropical Ecology. v. 5, p. 413-431, 1989.

PINTO, J. R. R.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Perfil florístico e estrutura da comunidade arbórea de uma floresta de vale no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 1-17, 1998.

PIVELLO, V. R. Estudos para a conservação dos recursos biológicos do cerrado – e exemplo da “Gleba Cerrado Pé-de-gigante” (Parque Estadual de Vassununga, Santa Rita do Passo Quatro, SP). 2003. 107f. Tese (Livre-Docência) – Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

SAPORETTI JÚNIOR, A. W.; MEIRA NETO, A. A.; ALMADO, R. P. Fitossociologia de cerrado sensu stricto no município de Abaeté-MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, p. 413-419, 2003.

SILVA, F. L. R. Composição florística e estrutura de um cerradão no município de Chapada dos Guimarães, MT. 2006. 58 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2006.

SILVA, L. O. Levantamento floristico e fitossociológico em duas áreas de cerrado sensu stricto no parque estadual da serra de Caldas Novas, Goiás. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 16, n. 4, p. 43-53, 2002.

WALTER, R. M. T.; GUARINO, E. S. G. Comparação do método de parcelas com o “levantamento rápido” para amostragem da vegetação arbórea do Cerrado sentido restrito. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 285-298, 2006.

Publicado
2015-11-26
Seção
Artigos