Os modelos de produção e o trabalho padronizado: uma abordagem da produção artesanal à produção enxuta

  • Adriano Marinheiro Pompeu Universidade Anhanguera Uniderp, Campo Grande, MS
  • José Antônio Silva Pinheiro Universidade Anhanguera Uniderp, Campo Grande, MS
  • Volmir Rabaioli Universidade Anhanguera Uniderp, Campo Grande, MS
Palavras-chave: redução de custos, flexibilidade, padronização.

Resumo

Esse artigo faz uma abordagem da evolução histórica dos sistemas de produção, contemplando inicialmente a produção artesanal e a produção em massa para uma nova etapa produtiva, conhecida como Produção Enxuta ou Modelo Toyota de Produção. Nesse modelo de produção, a interação entre todas as etapas do processo produtivo é fator determinante para um bom gerenciamento do processo, principalmente em relação aos recursos disponíveis, a metodologias e procedimentos empregados na execução das atividades e operações. No sistema de produção em massa, o foco principal é obter o menor custo unitário possível, enquanto a produção enxuta visa maximizar o sistema como um todo por meio da padronização dos procedimentos, para que os padrões sirvam como base para a melhoria contínua. Com a evolução dos métodos produtivos, a padronização tornou-se uma ciência, em que grande parte dos problemas de qualidade dos produtos é justamente a falta de padronização, pois as pessoas realizam a mesma tarefa de maneira diferente.

 

Referências

CAMPOS, Vicente Falconi. Qualidade total, padronização de empresas. 3. ed. Belo Horizonte, MG: Fundação Christiano Ottoni/UFMG-Escola de Engenharia, 2004.

CASTELLS, M. A. A era da informação, economia, sociedade e cultura: a sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. I.

CAVANHA FILHO, A. O. Estratégias de compras. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006.

COLENGHI, V. M. O&M e qualidade total: uma integração perfeita. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1997.

CRESPO, A. N.; SILVA, O. J. da; BORGES, C. A.; SALVIANO, C. F.; ARGOLLO JUNIOR, M. de T. e; JINO, M. Uma metodologia para testes de software no contexto da melhoria de processo. Universidade São Francisco, Itatiba, São Paulo, Brasil, [s./d.]. Disponível em: <http:// www.in3software.com/wordpress/wp-content/uploads/2012/03/ Artigo_SBQS2004_Final.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2015.

DENNIS, Pascal. Produção Lean Simplificada: um guia para entender o sistema de produção mais poderoso do mundo. Porto Alegre, RS: Bookman, 2008.

DUARTE, Renato L. Procedimento operacional padrão: a importância de se padronizar tarefas na BPLC. 2007. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br>. Acesso em: 19 out. 2014.

FREITAS, Ana Luiza Cerqueira. A engenharia de produção no setor artesanal. In: ENEGEP, 26., 9 a 11 de outubro de 2006, Fortaleza, CE, Brasil. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2006_tr470319_7411.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2015.

IMAI, Massaki. KAIZEN – a estratégia para o sucesso competitivo. São Paulo: Instituto IMAM, 1994.

LIKER, J. K.; MEIER D. O modelo Toyota: manual de aplicação. Porto Alegre, RS: Bookman, 2007.

LIKER, Jeffrey K. O modelo Toyota – 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. Porto Alegre, RS: Bookman, 2005.

MACEDO, Alberto Amarante; POVOA FILHO, Francisco Liberato. Glossário da qualidade total. Belo Horizonte, MG: Fundação Christiano Ottoni, 1994.

OHNO, T. O sistema Toyota de produçãoalém da produção em larga escala. Porto Alegre, RS: Bookman, 1997.

PARANHOS FILHO, Moacyr. Gestão da Produção Industrial. 1. ed. Curitiba, PR: IBPEX, 2007.

PERIN, P. C. Metodologia de padronização de uma célula de fabricação e de montagem, integrando ferramentas de produção enxuta. 2005. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção Mecânica) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP.

RENTES, A. F. TransMeth - proposta de uma metodologia para condução de processos de transformação de empresas. 2000. Tese (Livre Docência) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP.

RITZMAN, Larry P.; KRAJEWSKI, Lee J. Administração da produção e operações. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

SANTOS, Vinícius C. Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS, 6., Campinas, 2009.

SHINGO, S. O Sistema Toyota de Produção: do ponto de vista da Engenharia de Produção. Porto Alegre: Bookman, 1996.

SLACK, N.; CAHMBERS, S.; JOHNSON, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 2009.

VILLELA, C. S. S. Mapeamento de processos como ferramenta de reestruturação e aprendizado organizacional. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – PPEP/Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

WOMACK, J. P.; JONES, D. A mentalidade enxuta nas empresas - Lean Thinking. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

WOMACK, J. P.; JONES, D.; ROOS, D. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

Publicado
2015-11-27
Seção
Artigos