Movimento Cidades Saudáveis: fomento para arquitetar o desenho urbano

  • Vitor Ribeiro Filho Universidade Federal de Uberlândia, MG
  • Marcus Vinicios Benachio Universidade Federal de Uberlândia, MG
Palavras-chave: cidades saudáveis, saúde ambiental, sensibilização ambiental.

Resumo

A proposta deste estudo remete aos desafios encontrados pelo Poder Público em relação ao planejamento e desenvolvimento sustentável do território frente à perspectiva de uma identidade criada a partir dos postulados do movimento “Cidades saudáveis”, para que se estabeleça o atendimento por melhorias na qualidade de vida de seus habitantes. Essa premência por atender as demandas estruturais das cidades num contexto sustentável se deve ao aumento populacional e suas consequências negativas para o meio ambiente. Ao abrigar a população em uma realidade competente a promover a conservação e preservação ambiental a partir de sensibilização e ações sustentáveis que visem à melhoria da qualidade de vida dentro do atendimento nos setores da educação, saúde, saneamento, mobilidade urbana, emprego, lazer, habitação, entre outros aspectos pertinentes, é notória a realização de projetos que identifiquem e construam os arranjos necessários para adequar esse contingente populacional.

 

Referências

ADRIANO, J. R.; WERNECK, G. A. F.; SANTOS, M. A.; SOUZA, R. de C. A construção de cidades saudáveis: uma estratégia viável para a melhoria da qualidade de vida? Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000.

ALVES, H. P. da F. Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 43-59, jan./jun. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v23n1/v23n1a04>. Acesso em: 4 out. 2013.

ALVES, L. A.; BENACHIO, M. V. As contribuições da educação ambiental para a construção de cidades saudáveis. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 7, n. 12, 2011.

ALVES, L. A.; RIBEIRO FILHO, V. A área central de Uberlândia-MG frente ao paradigma das cidades saudáveis. Revista Geográfica de América Central, Costa Rica, número especial EGAL, p. 1-18, II Semestre 2011.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto, 1994.

CARTIER, R.; BARCELLOS, C.; HÜBNER, C.; PORTO, M. F. Vulnerabilidade social e risco ambiental: uma abordagem metodológica para avaliação de injustiça ambiental. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 25(12), p. 2695-2704, dez. 2009.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CASTELLS, M.; BORJA, J. As cidades como atores políticos. Novos Estudos, Cebrap, n. 45, p. 152-166, 1996.

COMUNIDADE SAUDÁVEL. Cidade Saudável. Cartilha da Coletânea sobre Promoção de Saúde na Escola. Prefeitura do Município do Rio de Janeiro. 2005. 23p. Disponível em: <http://www.observasaude.sp.gov.br/saude>. Acesso em: 5 out. 2013.

FERNANDEZ, C. A. F. Gestão local e políticas públicas para a qualidade de vida. In: FERNANDEZ, C. A. F.; MENDES, R. (Org.). Promoção da saúde e gestão local. 2007. p. 25-38. Disponível em: <http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/promocao-da-saude-e-gestao-local.pdf>. Acesso em: 4 out. 2013.

FREIJ, L.; WALL, S. Exploring child health and its ecology. Acta Paediatr. Scand., v. 267, suppl., p. 1-180, 1977.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL PARA A SAÚDE – OMS. Vinte pasos para formular un proyeto de ciudades sanas. Washington: [s.n.], 1995.

ROGERS, R.; GUMUCHDJIAN, P. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Gustavo Gili, 2001.

SANTOS, A. L.; RIGOTTO, R. M. Território e territorialização: incorporando as relações produção, trabalho, ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 387-406, nov. 2010/fev. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462010000300003>. Acesso em: 7 out. 2013.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes da educação ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre, RS: Artmed, 2005.

SOUZA, M. A. Uso do território e saúde. Refletindo sobre “municípios saudáveis”. In: SPERANDIO, Ana Maria Girotti (Org.). O processo de construção da rede de municípios potencialmente saudáveis. 1. ed. Campinas, SP: IPES Editorial, 2004. v. 2, p. 57-77.

TEIXEIRA C. F.; PAIM J. S.; VILLASBÔAS A. L. SUS, modelos assistenciais e vigilância da saúde. Inf Epidemiol SUS, 7:7-28, 1998.

WESTPHAL, M. F. Promoção da saúde e a qualidade de vida. In: FERNANDEZ, C. A. F.; MENDES, R. (Org.). Promoção da saúde e gestão local. 2007. p. 6-23. Disponível em: <http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/promocao-da-saude-e-gestao-local.pdf>. Acesso em: 8 out. 2013.

Publicado
2015-11-27
Seção
Artigos