Importância socioeconômica da mandioca (Manihot esculenta crantz) para a comunidade de Jaçapetuba, município de Cametá/PA

  • Iudis Damasceno Lobo Universidade Federal do Pará, UFPA, Belém, Pará
  • Cezário Ferreira dos Santos Júnior Universidade do Estado de Santa Catarina, CAV, Lages, Santa Catarina
  • Aline Nunes Universidade do Estado de Santa Catarina, CAV, Lages, Santa Catarina
Palavras-chave: Cadeia produtiva, Dificuldades de produção, Organização social.

Resumo

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é considerada a terceira maior fonte mundial de carboidratos na alimentação humana. Atualmente o Brasil é o segundo maior produtor de mandioca do mundo. No entanto, faz-se necessário o conhecimento da dinâmica sobre a mandioca e o potencial socioeconômico da cultura. Desta maneira, o estudo objetivou compreender como a produção da mandioca se insere nas relações socioeconômicas (renda, tipos de trabalho, comercio formal e informal, atravessadores, nível de organização social e as suas dificuldades na produção) dentro da comunidade de Jaçapetuba, no município de Cametá, estado do Pará. Os resultados demonstram que a renda mensal derivados da mandioca geram valores superiores as demais atividades agrícolas.

Biografia do Autor

Iudis Damasceno Lobo, Universidade Federal do Pará, UFPA, Belém, Pará
Graduado em Agronomia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Tem experiência na área de socioeconomia, produção de alimentos e desenvolvimento sustentável. 
Cezário Ferreira dos Santos Júnior, Universidade do Estado de Santa Catarina, CAV, Lages, Santa Catarina
Possui graduação em engenharia Agronômica pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2008), especialização em biocombustível e extração de oleaginosas da Amazônia pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2009) e mestrado em agricultura familiar e desenvolvimento sustentável pela Universidade Federal do Pará (2016). Doutorando em Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC/CAV). Tem experiência na área de Pesquisa Sócio Econômica Ambiental, com ênfase em recursos naturais, atuando principalmente nos seguintes temas: produção agrícola e extrativista.
Aline Nunes, Universidade do Estado de Santa Catarina, CAV, Lages, Santa Catarina
Possui graduação em Ciências Biológicas no Centro Universitário Unifacvest (2016). Mestranda em Produção Vegetal na Universidade do Estado de Santa Catarina / CAV. Tem experiência em educação ambiental, homeopatia, produção vegetal, plantas medicinais, desenvolvimento sustentável, agroecologia elevantamento de fauna e flora.

Referências

BEZERRA, V. S. Farinhas de mandioca seca e mista Brasília. DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2006.

BRASIL. Instrução Normativa Mapa 52/2011, de 8 de novembro de 2011. Estabelecer o Regulamento Técnico da Farinha de Mandioca. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 de novembro de 2011. Disponível em < http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=497488882>.

________. Decreto nº 7.830, de 17 de outubro de 2012. Dispõe sobre o Sistema de Cadastro Ambiental Rural, o Cadastro Ambiental Rural, estabelece normas de caráter geral aos Programas de Regularização Ambiental, de que trata a Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 de outubro de 2011. Disponível em < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2012/decreto-7830-17-outubro-2012-774407-publicacaooriginal-137903-pe.html>.

CHISTÉ, R. C. Estudo do processo de fabricação da farinha de mandioca. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2006.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. Curitiba: Ed. Positivo, 2004.

FREITAS, C. G.; FARIAS, C. S.; VILPOUX, O. F. A produção camponesa de farinha de mandioca na Amazônia sul ocidental. Boletim Goiano de Geografia, Goiás, v. 31, n. 2, p. 29-42, jul./dez. 2011.

FRANCK, H. et al. Effects of cultivar and harvesting conditions (age, season) on the texture and taste of boiled cassava roots. Food Chemistry, Amsterdan, v.126, n.1, p.127-133, mai. 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Levantamento sistemático da produção agrícola. Rio de Janeiro v. 29, n. 12, p-1-81, dez. 2016.

MAYORCA, M. I. O., OLIVEIRA, A. D. S. Os impactos da participação do atravessador na economia do setor agrícola: um estudo de caso. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL - SOBER, 43., Riberão Preto-SP, 2005. Anais... Brasília-DF: SOBER, v. 1, p. 1-13. 2005.

SANTANNA, M, E. B.; MIRANDA, M. S. Avaliação microbiológica das etapas de produção da farinha de mandioca no Recôncavo Baiano. Magistra, Cruz das Almas-. BA, v. 16, n. 1, p. 25-32, jan./jun. 2004.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas. Manual de referência para casas de farinha. Alagoas, 2006. Disponível em < http://industriasantacruz.com/wp-content/uploads/2013/09/ManualdeReferenciaSEBRAE_AL.pdf>.

SILVA, A. C. B.; ALVES, M. A. V.; AQUINO, D. T. A importância da produção da mandioca e a sustentabilidade do espaço na comunidade do Castainho. Breves Contribuciones del I.E.G, Garanhuns-PE. v. 22, n. 22, p. 75-90, 2011.

Publicado
2018-10-16
Como Citar
Lobo, I. D., Júnior, C. F. dos S., & Nunes, A. (2018). Importância socioeconômica da mandioca (Manihot esculenta crantz) para a comunidade de Jaçapetuba, município de Cametá/PA. Multitemas, 23(55), 195-211. https://doi.org/10.20435/multi.v23i55.1913