Extração de compostos bioativos do flavedo/albedo e da farinha do pomelo submetida a diferentes processamentos

Palavras-chave: Pomelo, atividade antioxidante, ácido ascórbico, tratamento térmico

Resumo

Citrus paradisi Macfad são uma excelente fonte de nutrientes e de fitoquímicos importantes para uma dieta saudável. Nesse contexto, o conhecimento da composição química dos alimentos é fundamental para avaliar os teores de nutrientes e os seus benefícios para a saúde. Entretanto, um dos problemas relacionados ao consumo do pomelo é o sabor amargo proveniente da naringina que apresenta na casca, tornando-se importante desenvolver uma farinha com teor reduzido de sabor amargo. As determinações foram realizadas na casca, no flavedo e no albedo, na farinha obtida por processamento térmico de 48 horas, na farinha por processamento térmico de 72 horas, na farinha processada e lavada em água fria e na farinha triturada, lavada em água fria e processada. Para determinação de ácido ascórbico, utilizou-se o método titulométrico, e os demais bioativos foram determinados por espectrofotometria. Os extratos aquoso, hidroacetônico e etanólico foram utilizados na determinação dos compostos fenólicos totais, taninos totais. A atividade antioxidante DPPH foi determinada pelo método fotocolorimétrico. A farinha com processamento térmico de 72 horas teve diminuição da concentração dos bioativos, e a farinha obtida pela casca e albedo triturados antes do processo de obtenção teve as maiores concentrações, ressaltando um aumento discrepante de ácido ascórbico em relação às outras. O teor de carotenoides não teve diferenças significativas entre as amostras. Entre todos os tratamentos, a farinha obtida por processamento em água fria, sem ser triturada antes da obtenção, é que teve redução do sabor amargo da naringina.

Biografia do Autor

Damiane Oliveira Barbosa Rodrigues, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Graduação em Tecnologia em Alimentos pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) campus Cidade Universitária, Campo Grande, MS, Brasil.

Rita de Cássia Avellaneda Guimarães, Programa de Pós Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), cidade universitária, Campo Grande, MS, Brasil.

 Doutorado em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestrado em Biotecnologia pela Universidade Católica Dom Bosco, com sanduíche na Universidade Católica de Brasília (UCB). Graduação em Nutrição pela UCDB. Atualmente, é professora adjunta nível III do curso de Nutrição da UFMS e docente do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste da Faculdade de Medicina (FAMED) da UFMS, onde atua nas seguintes linhas de pesquisa: Nutrição Experimental, Metabolismo, Análise de Alimentos, Desenvolvimento de Novos Produtos e Química de Alimentos. Ainda, pesquisa a Biodiversidade do Cerrado e Pantanal, trabalhando com frutos nativos e plantas alimentícias desta região.

Danielle Bogo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutorado e mestrado em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Graduação em Farmácia pela UFMS. Professora adjunta 2 da UFMS, nas disciplinas de Toxicologia Geral (Curso de Farmácia), Bioquímica de Alimentos (Curso Superior de Alimentos − Tecnológico), Análise Sensorial (Curso Superior de Alimentos − Tecnológico) Análise de Alimentos (Curso Superior de Alimentos − Tecnológico), Biotecnologia (Curso Superior de Alimentos − Tecnológico) e Tecnologia da Panificação (Curso Superior de Alimentos − Tecnológico). Docente permanente e orientadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste, na linha de pesquisa: Biodiversidade do Cerrado e suas Aplicações na Saúde. Docente colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Farmácia, na linha de pesquisa: Prospecção, Síntese, Controle de Qualidade, Tecnologia Farmacêutica e Toxicologia. Coordenadora do Curso de Alimentos − Tecnológico.

Referências

ABDILLE, M. D. H.; SINGH, R. P.; JAYAPRAKASHA, G. K.; JENA, B. S. Antioxidant activity of the extracts from Dillenia indica fruits. FoodChem, Washington, v. 90, p. 891-6, 2005.

ALI, S. S.; KASOJU, N.; LUTHRA, A.; SINGH, A.; SHARANABASAVA, H.; SAHU, A.; BORA, U. Indian medicinal herbs as sources of antioxidants. Food Research International, v. 41, p. 1-15, 2009.

BRASIL. Resolução RDC n. 2, de 7 de janeiro de 2002. Regulamento técnico de substâncias bioativas e probióticos isolados com alegação de propriedades funcional e/ou de saúde. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 17 de julho de 2002.

HAVSTEEN, B. H. The biochemistry and medical significance of the flavonoids. Pharmacology & Therapeutics, v. 96, p. 67-202, 2002.

HEINONEN, M.; LEHTONEN, P. J.; HOPIA, A. Antioxidative activity of berry and fruit wines and liquor. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Washington, v. 48, p. 25-31, 1998.

HORWITZ, W. (Ed.).Vitamin C in foods. In: HORWITZ, W. (Ed.). Official Methods of Analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 18. ed. Gaithersburg: AOAC, 2005. [Official Method 967.26].

ISMAIL, A.; MARJAN, Z. M.; FOONG, C. W. Total antioxidant activity and phenolic content in selected vegetables. Food Chemistry, Washington, v. 87, p. 581-6, 2004.

KAUR, C.; KAPOOR, H. C. Anti-oxidant activity and total phenolic content of some Asian vegetables. International Journal of Food Science & Technology, Oxford, v. 37, p. 153-61, 2002.

LEE, S. E.; HWANJ, H. J.; JEONG, H. S.; JEONG, H. K. Screening medicinal plant extracts for antioxidant activity. Life Science, v. 73, p. 167-79, 2003.

Mello, J. P. C.; Santos, S. C. Taninos. In: Simões, C. M. O.; Schenckel, E. P. (Org.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. 3. ed. Porto Alegre: Ed. UFSC, 2001.

NAGATA, M.; YAMASHITA, I. Simple method for simultaneous determination of chlorophyll and carotenoids in tomato fruit. Nippon. Shokuhin Kogyo Gakkaisk, v. 39, n. 10, p. 925-8, 1992.

PIZZI, A. Advanced wood adhesives technology. New York: Marcell Dekker, 1994. 289p.

ROSS, J. A.; KASUM, C. M. Dietary Flavonoids: Bioavailability, Metabolic Effects, and Safety. Annual review of Nutrition, n. 22, 19-34, 2002.

SAXENA, R. K.; SHARMILA, P.; SINGH, V. P. Microbial degradation of taninnis. Progress in Industrial Microbiology, v. 32, p. 259-70, 1995.

SENA, D. N.; OLIVEIRA, A. F. R.; SOUSA, M. M. A.; ALMEIDA, M. M. B.; SOUSA, P. H. M. Farinha de Resíduos de Processamento de Frutas Tropicais: determinação dos seus potenciais antioxidante. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA QUÍMICA, 20., 19 a 22 de out. 2014, Florianópolis, SC. Anais [...]. Florianópolis: COBEQ, 2014.

SWAIN, T.; HILLIS, W. E. The phenolics constituents of Prumus domestica: the quantitative analysis of phenolic constituents. Journal of Science Food Agriculture, v. 10, p. 63-8, 1959.

YEN, G. C.; DUH, P. D. Scavenging effect of methanolic extracts of peanut hulls on free-radical and active-oxygen species. J. Agric. Food Chemistry, v. 42, p. 629-32, 1994.

Publicado
2021-03-30