Empresa e sustentabilidade: o Cadastro Ambiental Rural como instrumento efetivador do socioambientalismo

Palavras-chave: cota de reserva ambiental, sustentabilidade rural, georreferenciamento rural

Resumo

O estudo tem como objetivo analisar o uso do Cadastro Ambiental Rural (determinado pelo Código Florestal n. 12.651, de 25 de maio de 2012) como instrumento efetivo do desenvolvimento sustentável nas áreas rurais e como uma ferramenta de auxílio para aquelas empresas que seguem as leis ambientais e que desenvolvem atividades de proteção ao meio ambiente, auxiliando-as, também, a selecionar os produtores rurais que estão dentro dos padrões ambientais exigidos para a realização de parcerias. Procedeu-se a análise de leis e estudos de diversos autores sobre o Cadastro Ambiental Rural, sobre empresa e meio ambiente e sobre desenvolvimento sustentável. Foi realizada também uma busca no site SciELO, por artigos pertinentes ao tema deste estudo, de 2012 até 2018, por meio das palavras-chave “Cadastro Ambiental Rural”, “Cota de Reserva Ambiental”, “Sustentabilidade Rural no Brasil” e “Georreferenciamento Rural no Brasil”, sendo encontrados 27 estudos relacionados a elas. E foi realizada a busca de dados em sites governamentais, servindo como base para a comprovação da viabilidade da ferramenta diante do que foi proposto pelo estudo. O estudo atingiu seu objetivo comprovando que o Cadastro Ambiental Rural é uma ferramenta que serve de auxílio tanto para os produtores rurais como para as empresas.

Biografia do Autor

Jairo Garcia Gonçalves, Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

MBA em Gestão Empresarial. Graduação em Administração pelo Centro Universitário Toledo (UNITOLEDO). Discente do Mestrado em Ciências Ambientais. Tutor presencial de administração da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: gerenciamento, desenvolvimento e oportunidades.

 
Cristina Veloso de Castro, Universidade Brasil

Pós-doutorado em Direito e Saúde pela Universidade de Messina, Itália. Doutorado em Derecho Empresarial pela Universidade de Extremadura, Espanha. Doutorado em Sistema Constitucional de Garantias de Direito pelo Instituto Toledo de Ensino (UNITOLEDO). Mestrado em Direito pela Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Graduação em Direito pelas Faculdades Integradas Riopretense. Docente permanente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Ambientais da Universidade Brasil − Campus de Fernandópolis. Professora de Direito Constitucional na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Participa dos grupos de pesquisa Ciências Ambientais e Saúde, do CNPQ; Sustentabilidade Integrada dos Municípios, da UnivBrasil; e Cultura, Direito & Sociedade, da UEMG. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Constitucional, ambiental, função social do direito, direitos coletivos, federalismo, pacto federativo e inclusão social.

Evandro Roberto Tagliaferro, Universidade Brasil

Doutorado em Administração Empresarial e Comércio Internacional (ênfase em Meio Ambiente, Economia, Desenvolvimento Humano e Sustentabilidade) pela Universidade de Extremadura, Espanha. Suficiência investigatória em Administração de Empresas e Comércio Internacional pela Facultad de Ciencias Económicas y Empresariales, Badajoz, Espanha. Especialização em Engenharia Ambiental e Sanitária pela Faculdade Cândido Mendes, RJ. Graduação em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia de São José do Rio Preto, SP. É docente titular e pesquisador no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Brasil.

Referências

ALMEIDA, Josimar Ribeiro. Gestão Ambiental: planejar, avaliação, implantação, operação, verificação. Rio de Janeiro: Thex Ed, 2000.

ARAÚJO, Suely Mara Vaz Guimarães; JURAS, Ilidia da Ascenção Garrido Martins. Debate sobre a nova lei florestal: análise dos textos aprovados na Câmara e no Senado. In: Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável (Org.). Código Florestal e a ciência: o que nossos legisladores ainda precisam saber. Comitê Brasil. Brasília, 2012. p. 105-116.

BARBIERI, José Carlos. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva, 2004.

BITTENCOURT, Marisa Dantas; MENDONÇA, Renata Ramos. Viabilidade de conservação dos remanescentes de cerrado no Estado de São Paulo. São Paulo: Annablume, FAPESP, 2004.

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é: o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BORGES, Luís Antônio Coimbra. In: SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL, 10 e 11 de junho de 2013, Lavras. Anais [...]. Lavras: Universidade Federal de Lavras, 2013.

BRANCO, Adriano Murgel; MARTINS, Márcio Henrique Bernardes. Desenvolvimento sustentável na gestão de serviços públicos: responsabilidade socioambiental e informe social. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

BRASIL. Lei Federal n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis n. 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória n. 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília-DF, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/L12651compilado.htm. Acesso em: 25 out. 2018.

CAMARGO, Flávia. Os rumos do Cadastro Ambiental Rural (CAR) precisam mudar. Instituto Sócio Ambiental, [s.l.], 2013. Disponível em: www.socioambiental.org. Acesso em: 25 out. 2018.

CAVALCANTI, Clóvis. Sustentabilidade: mantra ou escolha moral? Uma abordagem ecológico-econômica. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 35-50, 2012.

COUTINHO, Marcos Pellegrini ; GONÇALVES, Dermeval Aparecido ; CARAM, Rochane de Oliveira ; SOARES, Paulo Valladares. Áreas de inundação no trecho paulista da bacia do Rio Paraíba do Sul e nascentes do Cadastro Ambiental Rural. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, [s. l.], v. 10, n. 3, p. 614-623, 23 jul. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.010.003.ao09. Disponível em: <https://www.scielo.org/>. Acesso em: 10 jan. 2019.

FARINACI, Juliana Sampaio; FERREIRA, Leila da Costa; BATISTELLA, Mateus. Transição florestal e modernização ecológica: a eucaliptocultura para além do bem e do mal. Ambiente & Sociedade, v. 16, n. 2, p. 25-46, 2013.

GONÇAVES, Sidalina Santos; HELIODORO, Paula Alexandra. Contabilidade ambiental como um novo paradigma. Revista Universo Contábil, n. 1, p. 84-96, 2005.

ILHA, Paulo César da Silva; PIACENTI, Carlos Alberto; LEISMANN, Edison Luiz. Uma Análise Comparativa da Competitividade Econômico-financeira das Cooperativas Agroindustriais do Oeste do Paraná. Revista de Economia e Sociologia Rural, [s. l.], v. 56, n. 1, p. 91-106, mar. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-94790560106. Ace

INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZONIA [IPAM]. Cotas de Reserva Ambiental (CRA) para a conservação e o desenvolvimento sustentável: informações básicas para tomadores de decisão nos Estados. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.observatorioflorestal.org.br/sites/default/files/cotas004_1alta_parapublicacaoonline.pdf. Acesso em: 20. out. 2018.

MELLO, Luiz Gonzaga de. Antropologia cultural: iniciação, teorias e temas. 8. ed. São Paulo: Vozes, 2001.

MELLO, Reynaldo França Lins. Em busca da sustentabilidade da organização antropossocial através da reciclagem e do conceito de auto-eco-organização. Curitiba: UFPR: 1999.

MILES, Morgan P.; COVIN, Jeffrey. G. Environmental marketing: a source of reputational, competitive and financial advantage. Journal of Business Ethics, Dourdrecht, v. 23, p. 299-311, fev. 2000.

MUNDIM, Marcos. Ecologia: por um ambiente inteiro: sustentabilidade e Desenvolvimento sustentável. Local, fev. 2012. Disponível em: http//ecologambiente.blogspot.com.br. Acesso em: 20 out. 2018.

ROBBINS, Stephen P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2000.

SCHWAIDA, Samuel Fernando; CICERELLI, Rejane Ennes; ALMEIDA, Tati de; ROIG, Henrique Liacer. Challenges and strategies on implementing an ecological corridor between protected areas in cerrado biome. Revista Árvore, [s. l.], v. 41, n. 6, p. 41-51, 14 jun. 2018. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1806-90882017000600011

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO. Boletim informativo. Fev. 2019, divulgado em 19 de março de 2019. Disponível em: http://www.florestal.gov.br/numeros-do-car Acesso em: 20/03/2019.

SILVA, Ana Paula Moreira; MARQUES, Henrique Rodrigues; LUCIANO, Mariah Sampaio Ferreira; SANTOS, Thaiane Vanessa Meira Nascente; TEIXEIRA, Ana Magalhães Cordeiro; SAMBUCHI, Regina Helena Rosa. Desafios da cadeia de restauração florestal para a implementação da lei n. 12.651/2012 no Brasil. In: MONASTERIO, Leonardo Monteiro, NERI, Marcelo Cortes, SOARES, Sergei Suarez Dillon (Ed.). Brasil em desenvolvimento 2014: estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: Ipea, 2014. p. 85-102. V. 2.

SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL. SICAR, Rio Branco, 2018. Disponível em: http://www.cfar.gov.br. Acesso em: 24 out. 2018.

SOUZA, Renato Santos. Evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. (2002). REAd – Revista Eletrônica de Administração, v. 8, n. 6, p. 85-112.

SPAROVEK, Gerd. Caminhos e escolhas na revisão do Código Florestal: quando a compensação compensa? Revista Visão Agrícola, São Paulo, n. 10, p. 25-28, jan./abr. 2012.

STROBEL, Juliana Scapulatempo; CORAL, Eliza; SELIG, Paulo Maurício. Indicadores de sustentabilidade corporativa: uma análise comparativa. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 28., Curitiba, 2004, Anais[...]. Curitiba: ANPAD, 2004. [CD-ROM].

TRICHES, Rozane Marcia. Promoção do consumo alimentar sustentável no contexto da alimentação escolar. Trabalho, Educação e Saúde, [s. l.], v. 13, n. 3, p. 757-71, dez. 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00061.

VIACAVA, Keitiline Ramos; PEDROZO, Eugenio Avila. Gerenciamento Adaptativo do SAI de Acácia Negra: uma abordagem sob a ótica da auto-organização sustentável. Revista de Economia e Sociologia Rural, [s. l.], v. 53, n. 1, p. 143-58, mar. 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-9479005301008

Publicado
2021-03-30
Como Citar
Garcia Gonçalves, J., Veloso de Castro, C., & Tagliaferro, E. R. (2021). Empresa e sustentabilidade: o Cadastro Ambiental Rural como instrumento efetivador do socioambientalismo. Multitemas, 25(61), 27-51. https://doi.org/10.20435/multi.v25i61.2469