Decisão do Supremo Tribunal Federal e direitos dos pares homoafetivos: uma (re) leitura à luz dos direitos humanos

  • Delmiro Porto Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Campo Grande, MS
Palavras-chave: pares homoafetivos, união estável, direitos humanos.

Resumo

O Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão histórica recente, prolatada nos Autos da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 132-RJ, reconhece aos parceiros homoafetivos os mesmos efeitos jurídicos que a união estável àqueles que guardam diferença de sexo. Na busca desse reconhecimento, a ação invocou a interpretação “conforme a  Constituição”, em que se procurou mostrar que, numa visada sistemática, o direito pleiteado tinha fundo. O Tribunal deu provimento com base nessa hermenêutica contextual, que se fez ao amparo de uma série de princípios constitucionais, em especial os da dignidade da pessoa humana, da igualdade e da liberdade. O valor fundante, porém, que é o humano, embora esteja configurado na rede discursiva da ampla fundamentação, aparece mais de forma tácita, quando se esperava o oposto: que o aspecto humano figurasse mais ao centro e à base dessa argumentação. Chega, por exemplo, a ser dito que a homossexualidade não é doença, nem desvio, nem opção, mas orientação sexual. E se fosse tudo isso a um só tempo, por ser doente não teria guarida, ou por ser opção não teria a liberdade de escolha? A presente proposta é de ensaiar uma leitura dessa decisão, a partir da eleição de alguns trechos do discurso (pela exiguidade do espaço), mostrando, numa perspectiva dialética e dedutiva, que à luz dos direitos humanos as minorias, a exemplo dos homossexuais, podem receber a análise de seus pleitos a partir de um filtro mais seguro.

Referências

BAEZ. Narciso Leandro Xavier. Direitos Humanos Fundamentais e suas dimensões de aplicação e efetividade. Revista Bonijuris, Curitiba, n. 575, p. 6-17, out. 2011.

BECERRA, José Antônio Garcia. Teoria de los derechos humanos. Mexico: Universidad Autónoma de Sinaloa, 1991.

BRASIL. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal/Centro Gráfico, 1988.

______. Supremo Tribunal Federal. Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 132-RJ. Relator: Ayres Britto, julgado em 05 de maio de 2011, Dje n. 198, de 14 de outubro de 2011.

______. Supremo Tribunal Federal. Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 132-RJ. Governador do Rio de Janeiro e Tribunais de Justiça estaduais. Relator: Carlos Augusto Ayres de Freitas Britto. 14 out. 2011. Dje n. 198, v. 02607-01, 2011.

______. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembléia da ONU, de 10 de dezembro de 1948.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Direitos Humanos Fundamentais. São Paulo: Saraiva, 1995.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2010. v. VI.

LAFER, Celso. A internacionalização dos direitos humanos: constituição, racismo e relações internacionais. São Paulo: Manole, 1988.

LÔBO, Paulo. Famílias. São Paulo: Saraiva, 2008.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o direito constitucional internacional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

PORTO. Delmiro. União estável sob os ângulos da informalidade e da prova. Revista Bonijuris, Curitiba, n. 581, p. 21-30, abr. 2012.

PORTELA, Paulo Henrique Gonçalves. Direito internacional público e privado. 2. ed. Salvador: Podium, 2010.

REALE, Miguel. O Direito como experiência. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

REZEK, Francisco. Direito Internacional Público. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 16. ed. São Paulo: Malheiros, 1999.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: parte geral. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2011. v. 1.

Publicado
2015-12-14
Seção
Artigos