Pierre Hadot e Marco Aurélio: da leitura à atualização

Palavras-chave: diário de campo, subjetividade, Filosofia como modo de vida

Resumo

O texto que segue é uma exploração dos escritos de Pierre Hadot sobre Marco Aurélio, sobretudo os Diários, objetivando delinear os temas mais salientes acerca de vivências complexas para os seres humanos, mostrando como os dois autores as relacionam. O trabalho persegue a metodologia do ensaio documental. A experiência de diário de campo surge como uma perspectiva para apresentar a percepção do cotidiano e seus pequenos desafios como o berço das perguntas filosóficas. Na tessitura do texto, aparece Marco Aurélio como personagem que atravessa o pessimismo e o otimismo com os hinos à beleza da natureza, mediando as suas reflexões com intuições e princípios estoicos. Apresentamos, assim, a reflexão como uma modalidade da liberdade daquele que já alcançou a indiferença, entendida na perspectiva estoica como a superação das altercações históricas com a indeterminação, para além das mutações situacionais que não esperava viver. De fato, o filósofo autônomo vive as mutações e se realiza sem deixar-se apreender pela prisão da vontade, mas experimenta e comunica a simetria entre as experiências que se oferecem e sucedem, qualificando a vida humana do início ao fim. Esta proposta coloca-se diante da possibilidade de abraçar a transitoriedade, cultivando o bem viver e o cuidado de si, num mundo que parece esquecido do valor da pessoa humana.

Biografia do Autor

Davi Nilo de Jesus, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Graduado em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e em Letras Português/Inglês pela Universidade Anhanguera (Uniderp). Atualmente, é acadêmico de Teologia na UCDB e professor de Língua Portuguesa na Escola Municipal Professor Eduardo Pereira Calado.

Josemar de Campos Maciel, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Graduado em Filosofia pelas Faculdades Unidas Católicas do Mato Grosso (FUCMAT) e em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana (PUG), de Roma. Mestre em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e em Teologia Sistemática pela PUG. Doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente, é professor na UCDB: mestrado em Desenvolvimento Local.

João Alberto Mendonça Silva, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutorando e mestre em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Graduado em Filosofia pela UCDB.

Márcio Bogaz Trevizan, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutor em Filosofia pela Universidad Católica Argentina (UCA). Mestre em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Especialista em Teologia pela UNIFAI (Centro Universitário de Adamantina) e em Educação à Distância pela Faculdade Alfa América. Graduado em Teologia pela Faculdade Dehoniana, em Pedagogia pelo Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN), e em Filosofia pela Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Atualmente, é professor de Filosofia e Teologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica – Ética a Nicômaco – Poética. São Paulo: Abril Cultural, 1979. V. 2. (Coleção Os Pensadores).

ARRIANO, F. O Encheirídion de Epicteto. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2012.

DILTHEY, W. O Surgimento da Hermenêutica (1900). Númen, Juiz de Fora, Vol. 2, no. 1, p. 11-32. 1999.

DODDS, E. R. Pagani e cristiani in un’epoca di angoscia. Firenze: La Nuova Italia, 1993.

EVENS, T.; HANDELMAN, D.; ROBERTS, C. Reflecting on reflexivity: the human condition as an ontological surprise. New York: Berghahn Books, 2016.

FRANCISCO, P. Misericordiae vultus. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

FRASCHETTI, A. Marco Aurelio: la miseria della filosofia. Bari: Editori Laterza, 2015.

GRIMAL, P. Marco Aurélio: o imperador filósofo. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

HADOT, P. A Filosofia como maneira de viver. São Paulo: É Realizações, 2016.

HADOT, P. Exercícios espirituais e Filosofia antiga. São Paulo: É Realizações, 2014a.

HADOT, P. O que é a Filosofia antiga? São Paulo: Edições Loyola, 2014c.

HADOT, P. Wittgenstein e os limites da linguagem. São Paulo: É Realizações, 2014b.

LOYOLA, I. Exercícios espirituais. São Paulo: Edições Loyola, 1990.

MACIEL, J. C. A ciência psicológica em primeira pessoa: o sentido do método heurístico de Clark Moustakas para a pesquisa em psicologia. 2004. Tese (Doutorado em Psicologia) − Pontifícia Universidade de Campinas: Campinas, SP, 2004.

MARCO AURÉLIO. Meditações. Tradução de Luís A. P. Varela Pinto. Espinho: Penguin Books, 2002.

PLATÃO. República. 9. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbbenkian, 2001.

RIBEIRO, D. Diários índios: os Urubu-Kaapor. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

TEIXEIRA, C. A.; BRANDÃO, J. L.; RODRIGUES, N. S. História Augusta I. Coimbra: CECH, 2011.

Publicado
2021-07-06
Como Citar
de Jesus, D. N., Maciel, J. de C., Silva, J. A. M., & Trevizan, M. B. (2021). Pierre Hadot e Marco Aurélio: da leitura à atualização. Multitemas, 26(62), 215-232. https://doi.org/10.20435/multi.v26i62.2625