A cadeira de rodas infantil sob a perspectiva do design emocional e da ergonomia

Palavras-chave: cadeira de rodas, criança com deficiência, design emocional, ergonomia

Resumo

Considerando a contribuição do design no desenvolvimento das Tecnologias Assistivas, propõe-se, neste artigo, analisar a cadeira de rodas infantil sob a perspectiva do design emocional e da ergonomia, partindo da percepção das crianças usuárias e de seus cuidadores. Em termos metodológicos, este estudo se caracteriza como uma pesquisa observacional descritiva, com análise de dados sob o paradigma qualitativo. Foi utilizada na fase exploratória a ferramenta de Design Macroergonômico que incorpora as demandas dos usuários em todas as fases do processo. Embora os resultados apresentados nas entrevistas tenham apontado para a necessidade de alterações relacionadas à segurança da cadeira de rodas, verificou-se que as crianças usuárias identificaram os aspectos estéticos como fatores relevantes passíveis de mudança.

Biografia do Autor

Suélen Maiara dos Reis Nascimento, Universidade Feevale
Bacharel em Design pela Universidade Feevale (Novo Hamburgo, RS).
Camila Dalsin, Universidade Feevale
Mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social e bacharel em Moda pela Universidade Feevale (Novo Hamburgo, RS). Bolsista PROSUC/CAPES.
Jacinta Sidegum Renner, Universidade Feevale
Doutora em Engenharia de Produção com ênfase em Ergonomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente no Programa de Pós-Graduação em Diversidade Cultural e Inclusão Social da Universidade Feevale (Novo Hamburgo, RS).
Claudia Schemes, Universidade Feevale
Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Docente no Programa de Pós-Graduação em Processos e Manifestações Culturais da Universidade Feevale (Novo Hamburgo, RS).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ERGONOMIA (ABERGO). O que é ergonomia. [s.d.]. Disponível em: http://www.abergo.org.br/internas.php?pg=o_que_e_ergonomia. Acesso em: 21 mar. 2019.

ALMADA, J. F. Disposição ergonômica para acomodação de pessoas com deficiência física em transporte coletivo. 2012. 169 f. Dissertação (Mestrado em Inclusão Social e Acessibilidade) − Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2012. Disponível em: http://biblioteca.feevale.br/Dissertacao/DissertacaoJuanAlmada.pdf . Acesso em: 16 maio 2018.

BASSO, C. R. Parâmetros ergonômicos de conforto para usuários de cadeiras de rodas. 2013. 58 f. Monografia (Artigo de Conclusão do Curso de Design) − Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2013. Disponível em: http://biblioteca.feevale.br/Artigo/ArtigoClaudiaBasso.pdf. Acesso em: 29 ago. 2018.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2017.

DALSIN, C.; HAUBERT, B.; RENNER, J. S.; SCHEMES, C. O design da cadeira de rodas infantil e o processo de exclusão/inclusão social: uma revisão integrativa da literatura. Revista Multitemas, Campo Grande, MS, v. 24, n. 56, p. 59-80, jan./abr. 2019.

DAMÁSIO, A. O mistério da consciência: do corpo e das emoções do conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

DESMET, P. M. A.; HEKKERT, P. The basis of product emotions. In: GREEN, W.; JORDAN, P. (Coord.). Pleasure with products, beyond usability. London: Taylor & Francis, 2002. p. 60-8.

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. São Paulo: Verus, 2005.

FERRO, B. H. Design ergonômico como ferramenta para a inclusão social: o caso dos usuários cadeirantes. 2017. 214 f. Dissertação (Mestrado em Diversidade Cultural e Inclusão Social) − Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2017 Disponível em: http://biblioteca.feevale.br/Dissertacao/DissertacaoBrunaHFerro.pdf. Acesso em: 16 maio 2018.

FOGLIATTO, F. S.; GUIMARÃES, L. B. M. Design macroergonômico de postos de trabalho. Produto & Produção, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 1-15, 1999.

GALVÃO FILHO, T. A.; DAMASCENO, L. L. Tecnologias Assistivas para autonomia do aluno com necessidades educacionais especiais. Inclusão: Revista da Educação Especial, v. 1, n. 1, p. 25-33, 2006. Disponível em: http://atividadeparaeducacaoespecial.com/wp-content/uploads/2014/07/REVISTA-TECNOLOGIA-ASSISTIVA-E-NEE.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018.

HEIDRICH, R.; TOROK, D. L.; CAPPELATTI, E.; SILVA, L. F.; MULLER, M. S.; MASOTTI, M. Design Inclusivo: desenvolvendo e utilizando tecnologias de informação e comunicação para alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Renote, v. 4, n. 2, p. 1-10, dez. 2006. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/14189/8158. Acesso em: 22 mar. 2018.

IIDA, I.; GUIMARÃES, L. B. M. Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2010.

LORO, A. R. A importância do brincar na educação infantil. 2015. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Educação Física) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Ijuí, RS, 2015. Disponível em: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/3391/Aline%20Loro%20TCC%20p%C3%B3s%20banca.pdf?sequence=1 . Acesso em: 12 abr. 2018.

MASSA, M. S. Ludicidade: da etimologia da palavra à complexidade do conceito. Aprender: Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, Vitória da Conquista, BA, ano IX, n. 15, p. 111-30, 2015. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/aprender/article/viewFile/5485/pdf_39. Acesso em: 20 maio 2018.

MATTOS, L. M. Julgamento visual de cadeiras de rodas: contribuições para o design de produtos assistivos. Dissertação (Mestrado em Design) − Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/152003/mattos_lm_me_bauru.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em: 11 abr. 2018.

MENEZES, E. T.; SANTOS, T. H. Verbete lúdico. Dicionário Interativo da Educação Brasileira (Educabrasil). São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: http://www.educabrasil.com.br/ludico/. Acesso em: 1º maio 2018.

MONGE, N. Design de produtos inclusivos, satisfatórios: a abordagem holística ao design inclusivo. Artigos Caleidoscópio, p. 117-34, 2003. Disponível em: http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/2679/Design%20de%20Produtos%20Inclusivos%20Satifat%C3%B3rios.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 mar. 2018.

MONT'ALVÃO, C.; DAMAZIO, V. (Coord.). Design, ergonomia e emoção. Rio de Janeiro: Mauad, 2008.

NORMAN, D. Design emocional: por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia a dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

OLIVEIRA, L. M. B. Cartilha do Censo 2010: pessoas com deficiência. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD), Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD, 2011. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44575/9788564047020_por.pdf;jsessionid=96FC8FE45F9B214D57F4F148D9D225D8?sequence=4. Acesso em: 2 abr. 2018.

PASCHOARELLI, L. C.; MENEZES, M. S. M. (Org.). Design e ergonomia: aspectos tecnológicos. São Paulo: Editora UNESP, 2009. Disponível em: http://books.scielo.org/id/yjxnr

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 3. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2010.

SILVA, M. G. A importância do brincar na Educação Infantil. 2016. 21 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia a Distância) − Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

Publicado
2020-03-12