O conceito de desenvolvimento de frente ao espelho: a etnosensibilidade e os Avá Guarani/Ñandeva de Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu

Palavras-chave: Os Avá Guarani/Ñandeva, Desenvolvimento, Desenvolvimento Local, Etnosensibilidade, Modos de Existir.

Resumo

O escrito proposto, antes de tudo, segue a questão: afinal, o que é o desenvolvimento? Pergunta inscrita que abre campos e direções que às vezes encontram um lugar-comum, um diálogo, e às vezes encontram colisões e choques violentos, que fazem sobrar somente destroços. Para pensar o desenvolvimento ao lado de outros modos de existir e outras epistemologias, faz-se hoje o esforço de confecção conceitual do conceito etnossensibilidade, processo de construção teórica que só existe a partir e com o outro, no caso da pesquisa em andamento, os Avá Guarani/Ñandeva que se encontram no território Porto Lindo (Jakarey) Yvy Katu, no município de Japorã, Mato Grosso do Sul. Este conceito busca alinhar as distâncias e os encontros entre outras concepções de desenvolvimento, de território e de modos de existir. Esforço audacioso, que coloca o desenvolvimento de frente ao espelho, produzindo movimento de reflexividade, quando traz as formas/conteúdos de conhecimentos dos Avá Guarani/Ñandeva para o debate em primeira pessoa.

Biografia do Autor

Yan Leite Chaparro, Universidade Católica Dom Bosco Laboratório de Humanidades/LabuH

Psicólogo, mestre e doutor em Desenvolvimento Local/UCDB.

Pesquisador do Laboratorio de Humanidades/LabuH

Eliezer Martins Rodrigues, Secretaria de educação do município de Japorã/MS

Cientista Social pela Universidade Federal da Grande Dourados/UFGD

Mestre em educação pela Universidade Católica Dom Bosco/UCDB

Josemar de Campos Maciel, Universidade Católica Dom Bosco Programa de mestrado e doutorado em Desenvolvimento Local/UCDB Graduação em Filosofia/UCDB
Filosofo, mestre em filosofia e teologia, doutor em psicologia, pós-doutor em estudos culturais.

Referências

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac & Naify, 2009.

BORGES, Jorge. O fazedor. São Paulo: Companhia da Letras, 2008.

CARVALHO, José. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 7, n. 15, p. 107-47, 2001.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1974.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. 4ª reimpressão, Rio de Janeiro: Editora 34, 2008.

RIST, Gilbert. El desarrollo: historia de una creencia occidental. Madrid: Editora Catarata, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

Publicado
2019-12-16
Seção
Dossiê: A filosofia e a textura do mundo