Recuperação e revitalização de área de preservação permanente com projeto de parque linear na cidade de Rochedo, MS: estudo de caso

Palavras-chave: Área verde, Urbanização, Paisagismo, cerrado, Plano Diretor

Resumo

O presente estudo tem como intenção a criação de um parque linear em área de preservação permanente urbana. Para autorização do uso da área como objeto de estudo, foi necessário realizar consulta ao Novo Código Florestal e ao Plano Diretor. Após delimitação do espaço de estudo, a vegetação existente foi posicionada em uma planta baixa. Durante o mapeamento, observou-se a presença de declives e analisaram-se possíveis modos de utilização do local pela comunidade. A partir dessas informações, dividimos a área para melhor posicionamento das plantas e das estruturas a serem implementadas. O projeto paisagístico utiliza-se de plantas que se adaptam melhor ao ambiente e de estruturas que proporcionem lazer e recreação. A implantação do parque tem como finalidade proteger a área de preservação permanente, criando um ambiente que aproxima a população da educação ambiental e fornece um local para a prática de esporte, elevando o bem-estar da comunidade.

Biografia do Autor

Giovanna Ferreira Campos, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Acadêmica do curso de Agronomia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).
Bruna Iarade Oliveira Cuevas, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Acadêmica do curso de Agronomia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).
Leandro Manoel Alves de Sousa, Professor Mestre da Universidade Católica Dom Bosco
Mestre em Irrigação e Drenagem pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (Unesp).  Possui MBA em Administração pelo Instituto Mauá de Tecnologia. Graduado em Ciências Agronômicas pela Unesp. Professor na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).
Rocheli Carnaval Cavalcanti, Professora Mestre da Universidade Católica Dom Bosco
Doutoranda em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professora da UCDB nos cursos de: Engenharia Civil, Engenharia Sanitária e Ambiental e Agronomia. Coordenadora do curso de Pós-Graduação (lato sensu) em Gestão Ambiental − EAD

Referências

ARAÚJO, Suely Mara Vaz Guimarães de. As áreas de preservação permanente e a questão urbana. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Consultoria Legislativa, 2002.

BRASIL. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Novo Código Florestal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 13 fev. 2019.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico (livro eletrônico). São Paulo: Cortez, 2017.

CAVALHEIRO, Felisberto; NUCCI, João Carlos; GUZZO, Perci; ROCHA, Yuri Tavares. Proposição de terminologia para o verde urbano. Boletim Informativo da SBAU, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 7, jul./set. 1999.

COSTA, Renata Geniany S.; BENACHIO, Marcus Vinicios; BORGES, Adairlei Aparecida da S.; COLESANTI, Marlene T. M. Uso, afetividade e percepção: um estudo da satisfação dos frequentadores do Parque do Sabiá em Uberlândia-MG. Revista de Geografia, Recife-PE, v. 28, n. 1, p. 14-24, 2011.

COSTA, Renata Geniany Silva; COLESANTI, Marlene Muno. A contribuição da percepção ambiental nos estudos das áreas verdes. Ra’ega − O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, PR n. 22, p. 238-51, 2011.

LONDE, Patrícia Ribeiro; MENDES, Paulo Cezar. A influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygeia Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, MG, v. 10, n. 18, p. 264-72, jun. 2014.

MATTOS, Ana D. M. de; JACOVINE, Laércio A. G.; VALVERDE, Sebastião R.; SOUZA, Agostinho L. de; SILVA, Márcio L. da; LIMA, João E. de. Valoração ambiental de áreas de preservação permanente da microbacia do Ribeirão São Bartolomeu no município de Viçosa, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG. v. 31, n. 2, p. 347-53, 2007.

RIBEIRO, José Felipe; SANO, Sueli Matiko; MACEDO, Jamil; SILVA, José Antônio. Os principais tipos fitofisionômicos da região dos cerrados. Brasília, DF: Embrapa-CPAC, 1983. (Boletim de Pesquisa, 21).

RIBEIRO, José Felipe; WALTER, Bruno Machado Teles. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, Sueli Matiko; ALMEIDA, Semíramis Pedrosa de; RIBEIRO, José Felipe (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF: Embrapa, 2008. v. 1, p. 151-212.

ROCHEDO (MS). Lei Complementar n. 34, de 24 de novembro de 2014. Plano Diretor de Rochedo/MS. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-rochedo-ms. Acesso em: 5 mar. 2019.

SOUSA NETO, Eloi José de; COSTA, Gilvan Gonçalves da. Educação ambiental e a polícia militar: sob a perspectiva de atuação nas escolas públicas e privadas. Biblioteca Digital de Segurança Pública, Goiás, p. 1-18, 2019.

VIANI, Ricardo A. G.; RODRIGUES, Ricardo R. Plantas frutíferas nativas do Brasil: importância, usos e diversidade de espécies. Plantas, Flores e Jardins, São Paulo, p. 50-7, 5 out. 2005. Disponível em: http://www.lerf.eco.br/img/publicacoes/2005_12%20arvores%20frutiferas%20nativas%20do%20Brasil.pdf. Acesso em: 24 jan. 2020.

ZILLER, Sílvia R.; ZENNI, Rafael D.; GRAF NETO, Joachim. Invasões biológicas: introdução, impactos e espécies invasoras no Brasil. In: PEDROSA-MACEDO, José Henrique; BREDOW, Edgard Alfredo. Princípios e rudimentos do controle biológico de plantas: coletânea. Curitiba: UFPR, 2004. p. 17-41.

Publicado
2020-03-12