Potencial energético da madeira de <em>Pinus ­tecunumanii</em> Eguiluz & Perry

  • Zaíra Morais dos Santos Hurtado de Mendoza Universidade Federal de Mato Grosso
  • Pedro Hurtado de Mendoza Borges Universidade Federal de Mato Grosso
  • Anthony Furlan Universidade Federal de Mato Grosso
Palavras-chave: Pinus tecunumanii, carbonização, propriedades energéticas

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar algumas propriedades energéticas de Pinus tecunumanii Eguiluz & Perry visando ao melhor aproveitamento dessa espécie para geração de energia. As amostras de madeira foram obtidas segundo o método de Smalian descrito em Machado (2006), totalizando no final  12 discos com espessura de 4,0 cm. A quarta parte (¼) de cada disco foi transformada, com auxílio de facão, em cavacos com espessura aproximada de 0,5 cm e 4,0 cm de comprimento. Em seguida procedeu-se à homogeneização da amostra misturando-se uma porção igual de sub-amostras, resultando finalmente em uma amostra única, na qual foram realizadas todas as análises. Para a análise física do carvão, adotou-se a metodologia proposta por Oliveira et al. (1982), e  para a madeira, o método sugerido por Vital (1984). A análise química imediata do carvão vegetal foi realizada conforme o prescrito nas normas ASTM D - 1762 – 64 “Chemical analysis of Wood Charcool” (reaprovada em 1968) e ABNT NBR 8112/83 (1983) carvão vegetal análise imediata. Com os resultados preliminares obtidos, concluiu-se que as perspectivas sobre a produção de carvão com a madeira de Pinus tecunumanii, são animadoras. O alto valor de materiais voláteis encontrados no carvão dessa espécie poderá comprometer seu uso para siderurgia, porém ele poderá ser empregado na queima direta, por apresentar fácil ignição e baixa friabilidade.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS - ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF: ano base 2010. Brasília, 2011. 130 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 8112 Carvão vegetal - Análise imediata. Rio de Janeiro: ABNT, 1983. 5p.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional 2006: ano base 2005. EPE, Rio de Janeiro, 2006. 192 p. Disponível em: <http://www.lib.utexas.edu/benson/lagovdocs/brazil/federal/minasenergia/BEN%28Portuguese%292006.pdf>. Acesso em: 9 out. 2011.

BRITO, J. O.; BARRICHELO, L. E. G. Considerações sobre a produção de carvão vegetal com madeiras da Amazônia. IPEF – Série Técnica, Piracicaba, v. 2, n. 5, p. 1-25, mar. 1981. Disponível em: <http://www.ipef.br/publicacoes/stecnica/nr05/cap01.pdf>. Acesso em: 1 nov. 2011.

______. Correlações entre características físicas e químicas da madeira e a produção de carvão vegetal: 1 Densidade e teor de lignina da madeira de eucalipto. IPEF – Série Técnica, Piracicaba, n. 14, p. 9-20, 1977. Disponível em: <http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr14/cap01.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2011.

BRITO, J. O.; BARRICHELO, L. E. G.; PONTINHA, A. A. S. Produção de carvão vegetal em escala de laboratório com Madeira de Pinus. IPEF - Boletim informativo especial, Piracicaba, v. 6, n. 16, p. 111-115, jul. 1978. Disponível em: <http://www.ipef.br/publicacoes/boletim_informativo/bolinf16.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2011.

BRITO, J. O.; NUCCI, O. Estudo tecnológico da madeira de Pinus spp. para a produção de carvão vegetal e briquetagem. IPEF, Piracicaba, n. 26, p. 25-30, abr. 1984. Disponível em: <http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr26/cap04.pdf>. Acesso em: 2 out. 2011.

CUNHA, M. P. S. C.; PONTES, C. L. F.; CRUZ, I. A.; CABRAL, M. T. F. D.; CUNHA NETO, Z. B.; BARBOSA, A. P. R. Estudo químico de 55 espécies lenhosas para geração de energia em caldeiras. In: encontro Brasileiro em madeiras e em estruturas de madeira, 3. Anais... São Carlos, 1989. v. 2, p. 93-121. Disponível em: <http://www.funtecg.org.br/arquivos/podercalorifico.pdf>. Acesso em: 21 out. 2011.

DONADONI, A. X. Estudo da relação hipsométrica para Pinus caribaea hondurensis e Pinus tecunumanii no município de Vilhena – Rondônia. 2010. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT.

DOSSA, D.; MEDRADO, M. J. S. Apresentação e Importância sócio-econômica e ambiental. Cultivo de Pinus. Embrapa Florestas, Sistemas de Produção. 1p., nov. 2005. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Pinus/CultivodoPinus/apresentacao.htm>. Acesso em: 7 out. 2011.

DUBOC, E.; COSTA, C. J.; VELOSO, R. F.; OLIVEIRA, L. S.; PALUDO, A. Panorama atual da produção de carvão vegetal no Brasil e no cerrado. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2007. 35 p.

GOMES, F. P. Curso de estatística experimental. Piracicaba: Nobel, 1990. 468 p.

KLITZKE, R. J. Avaliação do carvão da bracatinga (Mimosa scabrella Bentham) em função da idade, do teor de Umidade da madeira e da temperatura final de carbonização. 137 f. 1998. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/25190/D%20-%20KLITZKE,%20RICARDO%20JORGE.pdf?sequence=1>. Acesso em: 1 nov. 2011.

MACHADO, S. A.; FILHO, A. F. Dendrometria. 2. ed. Guarapuava: UNICENTRO, 2006, 316 p.

OLIVEIRA, J. B.; GOMES, P. A.; ALMEIDA, M. R. Estudos preliminares de normalização de testes de controle de qualidade do carvão vegetal. Belo Horizonte: CETEC, 1982. p. 9-38.

PASHIN, A.J.; DE ZEEUW, C. Textbook of Wood Technology. New York: McGRAW-Hill Co., 1980. 722 p.

UHLIG, A.; GOLDEMBERG, J.; COELHO, S. T. O uso de carvão vegetal na indústria siderúrgica brasileira e o impacto sobre as mudanças climáticas. Revista Brasileira de Energia, v. 14, n. 2, p. 67-85, 2008. Disponível em: <http://www.acendebrasil.com.br/archives/v14n02_o-uso-de-carvao-vegetal-na-industria-siderurgica-brasileira-e-o-impacto-sobre-as-mudancas-climaticas_1.pdf>. Acesso em: 9 out. 2011.

VITAL, B. R. Métodos de determinação de densidade da madeira. Viçosa: SIF, 1984. 21p. (Boletim técnico, 1).

Publicado
2015-12-15
Como Citar
Mendoza, Z. M. dos S. H. de, Borges, P. H. de M., & Furlan, A. (2015). Potencial energético da madeira de <em>Pinus ­tecunumanii</em&gt; Eguiluz & Perry. Multitemas. https://doi.org/10.20435/multi.v0i0.274
Seção
Artigos