Os espaços cinematográficos em Campo Grande: sob a ótica do desenvolvimento local

  • Flaviana Miranda da Silva de Sá Universidade Católica Dom Bosco
  • Maria Augusta de Castilho ­Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: patrimônio cultural, cinema, território

Resumo

Esta pesquisa analisa o patrimônio cultural enquanto testemunho de processos históricos que elaboraram distintas construções territoriais e históricas, voltada para o estudo cinematográfico em Campo Grande, MS. Dessa forma, se propõe desenvolver reflexões acerca da memória e identidade territorial; dos aspectos da cultura sul-mato-grossense (cinema), bem como da consequente necessidade de gestão e preservação desse patrimônio, especialmente face às perspectivas de desenvolvimento local. Enfatiza-se que o processo de desenvolvimento local acontece quando a própria comunidade participa como gestora, identificando e reconhecendo suas deficiências e/ou necessidades e tomando atitudes necessárias para resolvê-las da forma mais prática e adequada, muitas vezes, valendo-se da preservação e divulgação do patrimônio cultural local.

Referências

BONNEMAISSON, Joel. Viagem em torno do território. Rio de Janeiro: Geografia Cultural, EDUERJ, 2002.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BOURDIN, Alain. A questão local. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

BUTCHER, Pedro. Cinema brasileiro hoje. São Paulo: Publifolha, 2005.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura – a sociedade em rede. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CHAPARRO, Yan Leite; CASTILHO, Maria Augusta de. A re-territorialização do sagrado no contexto urbanístico de Campo Grande-MS. Revista Brasileira de História das Religiões, ano I, n. 3, jan. 2009.

CONTAR, Edson. Das margens do Prosa ao Bar do Zé. Campo Grande, MS: Funcesp, 2002.

FERNANDES, Hélènemarie Dias. A (re)territorialização do patrimônio cultural tombado do Porto Geral de Corumbá-MS no contexto do desenvolvimento Local. 2008. 148 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Loca) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande.

FERREIRA, Aurélio de Holanda. Minidicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; PELEGRINI, Sandra C. A. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006. 77p.

GATTI, André Piero. Embrafilme e o cinema brasileiro [recurso eletrônico]. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 2007. (Cadernos de pesquisa, v. 6).

GEERTZ, Clifford. A transição para a humanidade. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1996.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HAESBAERT, Rogério. Desterritorialização: entre as redes e os aglomerados de exclusão. In: CASTRO, I. et al. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

JUNKES, Lauro. A narrativa cinematográfica: introdução à linguagem e estética cinematográfica. Florianópolis, 1979. (mimeografado).

LARAIA, Roque de Barros. Cultura um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

MARTINS, William de Souza Nunes. Produzindo no escuro: políticas para a indústria cinematográfica brasileira e o papel da censura (1964-1988). 2009. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MITIDIERO, Marilda Batista. O Museu José Antônio Pereira no ensino da história: patrimônio, identidade e desenvolvimento local no contexto da territorialidade. 2009. 121 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande.

PINHEIRO, Marinete. Salas de sonhos – memórias dos cinemas de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: UFMS, 2010.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RAMOS, Fernão (Org.). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art, 1987.

SANTOS, Maria Christina de Lima Félix. Patrimônio cultural no contexto territorial da Noroeste do Brasil - NOB: perspectivas de desenvolvimento local das comunidades estabelecidas na Rota do Trem do Pantanal. 2011. 122 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande.

SANTOS, Milton. Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994.

SOUZA, Carlos Roberto de. A Fascinante aventura do cinema brasileiro. São Paulo: Fundação Cinemateca Brasileira, 1981.

TURNER, Graeme. Cinema como prática social. São Paulo: Summus, 1997.

Publicado
2015-12-15
Como Citar
Sá, F. M. da S. de, & Castilho, M. A. de. (2015). Os espaços cinematográficos em Campo Grande: sob a ótica do desenvolvimento local. Multitemas. https://doi.org/10.20435/multi.v0i0.275
Seção
Artigos