A dimensão humana nas inovações em redes sociais: uma abordagem do Desenvolvimento Local

  • Nadia Sater Gebara UNIGRAN
  • Heitor Romero Marques Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: dimensão humana, inovações, redes sociais

Resumo

O presente estudo tem por finalidade abordar as questões relativas à Dimensão Humana nas Inovações em Redes Sociais no contexto do Desenvolvimento Local. O tema abordado se faz instigante pelo dinamismo social frente ao processo de globalização e as consequências dele advindas que pressupõem uma reflexão da dimensão humana no que tange a seus valores e papéis assumidos na sociedade, especificamente no contexto das comunidades. O entendimento do que seja inovação em redes sociais implica necessariamente compreender as ações que perpassam as diferentes possibilidades no emaranhado social. As ações próprias das inovações em redes sociais são eivadas de interesses de pessoas, de grupos e de empresas. O estudo implica ainda uma nova ordem social quanto à rapidez das interações sociais disponibilizadas pelas redes sociais e os reflexos no desenvolvimento local, fazendo-se necessária a conceituação dessas redes sobre os diversos enfoques teóricos no contexto econômico, mas especialmente no humanístico a fim de colocar o homem como centro do desenvolvimento, ressaltada a importância da valorização dos aspectos endógenos de comunidades interligadas continuamente pelo novo processo que se inseriu com a globalização. Trabalho desenvolvido como atividade de Seminário Integrador do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Local em Contexto de Territorialidade na Universidade Católica Dom Bosco, no ano de 2011.

Referências

ALBUQUERQUE, Francisco. Desenvolvimento econômico local e distribuição do progresso técnico: uma resposta às exigências do ajuste estrutural. Fortaleza: Banco do Nordeste, 1998.

AMMANN, S. B. Ideologia do desenvolvimento de comunidade no Brasil. 9. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

ARENDT, Hannah. A promessa da política. Tradução de Pedro Jorgensen Jr. Rio de Janeiro: Difel, 1979.

ÁVILA, Vicente Fideles de. Realimentando discussão sobre teoria de Desenvolvimento Local (DL). Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 8, n. 13, set. 2006.

CAIDEN, G.; CARAVANTES, G. Reconsideração do conceito de desenvolvimento. Caxias do Sul: EDUCS, 1988.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Local systems of innovation in the Mercosur facing the challenge of the 1990s. Industry and Innovation, [s.l.], v. 7, n. 1, 2000.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede - a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2010. v. 1.

ELIZALDE, A. El desarrollo a escala humana: conceptos y experiências. Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 1, n. 1, p. 51-62, set. 2000.

Giddens, Anthony. Sociologia. 8. ed. Madri, Espanha: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Tradução de João Paulo Ribeiro e M. Beatriz N. da Silva. São Paulo: Nova Cultura, 1999.

LASTRES, H. Maria Martins. Dilema da política científica. Revista Ciência da Informação, Brasília, v. 24, n. 2, 1995.

MARTELETO, Regina Maria; SILVA, Antonio Braz de O. Redes e Capital Social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 3, p. 41-49, 2004.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. Sociologia e Antropologia, São Paulo: Edusp, 1974. v. II.

NORBERT, Elias. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

OLIVEIRA, Francisco de. Aproximações ao enigma: o que quer dizer desenvolvimento local? São Paulo: Pólis, Programa Gestão Pública e Cidadania/EAESP/FGV, 2001. 40 p. Disponível em: <dc126.4shared.com/doc/2TJAXMXR/preview.html>.

PUTNAM, R. Making democracy work. Civic traditions in Modern Italy. Princeton: Princeton University Press, 1993.

RHEINGOLD, Howard. La comunidad virtual: una sociedad sin fronteras. Barcelona: Gedisa Editorial, 1996. (Colección Limites de La Ciência).

ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da educação. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SANTOS, Boaventura Sousa. Pela mão de Alice. São Paulo: Cortez, 1999.

Santos, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 2. ed. São Paulo: Editora da USP, 2006.

______. Por uma outra globalização. Forum Social Mundial. São Paulo: Record, 2000.

______. Por uma geografia nova. São Paulo: Hucitec, 1980.

Scherer-Warren, Ilse. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n. 1, p. 109-130, jan./abr. 2006.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

TOMAÉL, Maria Inês. Das redes sociais à inovação. Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina (UEL), PR, v. 34, n. 2, 2005. Disponível em: <revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/­viewArticle/642/565>.

Publicado
2015-12-16
Seção
Artigos