Perfil das notificações de câncer relacionado ao trabalho em um hospital referência em oncologia no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil

Palavras-chave: trabalho, câncer, notificação

Resumo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou que, no ano de 2030, são esperados 27 milhões de casos de câncer, 17 milhões de mortes e 75 milhões de pessoas com câncer. Uma em cada seis mortes é relacionada à doença, que apresenta grande impacto em trabalhadores. Este estudo teve o objetivo de analisar as fichas de notificação de câncer relacionado ao trabalho em um hospital de referência em oncologia no estado de Mato Grosso do Sul. Metodologia: estudo quantitativo que analisou fichas de notificação de câncer relacionado ao trabalho (anos de 2015-2017) em um hospital oncológico. Foram analisadas 41 fichas de notificação por meio de estatística descritiva. Resultados: 85,4% eram do gênero masculino; 87,7%, com idade superior a 50 anos (39,0% de 51 a 70 anos e 48,8% acima de 70 anos); 51,2%, da raça branca; 83%, autônomo; e 62,4%, com ocupação rural. O câncer mais notificado foi de pele não melanoma (56,1%) e o de boca, faringe, esôfago e estômago (21,9%).

Biografia do Autor

Jackeline Lazorek Saldanha da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Especialista em Enfermagem de Unidade de Terapia Intensiva pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP). Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Enfermeira do Hospital de Câncer Alfredo Abrão.

Luciana Contrera, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutora em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Enfermagem pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Graduada em Licenciatura Plena em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Graduada em Enfermagem pela UFSCar. Professora associada do Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Enfermagem do Instituto Integrado de Saúde da UFMS.

Elen Villegas Campos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutoranda em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste pela UFMS. Especialista em Enfermagem do Trabalho pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Especialista em Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Graduada em Enfermagem pela UFMS. Professora do curso de Medicina da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

 

Alexandra Maria Almeida Carvalho, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutora em Biosystems Eng. and Environmental Science, The University of Tennessee. Mestre em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e coordenadora do Programa de PósGraduação Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste. Atualmente desenvolve projetos em saúde ambiental, saúde do trabalhador e avaliação de serviços de saúde

Referências

ANTÔNIO CÂNDIDO DE CAMARGO CANCER CENTER [A.C. CAMARGO CANCER CENTER]. Pele não melanoma. A.C CAMARGO, São Paulo, [s.d.]. Disponível em: https://www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/tipos-de-cancer/pele-nao-melanoma. Acesso em janeiro de 2019.

ARAÚJO, A. M. C.; LOMBARDI, M. R. Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do início do século. Revista Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 149, p. 452-477, ago. 2013.

BALZI, D.; CARLI, P.; GIANNOTTI, B.; BUIATTI, E. Skin melanoma in Italy: a population-based study on survival and prognostic factors. European Journal of Cancer, [s.l.], v. 34, n. 5, p. 699-704, 1998.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 15 – atividades e operações insalubres. Brasília: Ministério do Trabalho e Previdência Social, 1978.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para a vigilância do câncer relacionado ao trabalho. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2012.

CASTRO, H.; GIANNASI, F.; NOVELLO, C. A luta pelo banimento do amianto nas Américas: uma questão de saúde pública. Ciência e Saúde Coletiva, São Paulo, v. 8, n. 4. p. 903-11. 2003.

CENTRO DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR [CEREST]. Vigilância Epidemiológica em Saúde do Trabalhador. Campo Grande, 12 abr., 2017. (Boletim Informativo).

CENTRO ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR [CEST]. Boletim epidemiológico da saúde do trabalhador do Paraná: notificações dos agravos da saúde do trabalhador no Paraná (2006 a 2016). Curitiba: CEST, 2017.

INTERNATIONAL AGENCY FOR RESEARCH ON CANCER [IARC]. Silica, some silicates, coal dust and para-aramid fibrils. Lyon: IARC, 1997a.

INTERNATIONAL AGENCY FOR RESEARCH ON CANCER [IARC]. Solar and Ultraviolet Radiation. Lyon: IARC, 1997b.

INTERNATIONAL AGENCY FOR RESEARCH ON CANCER [IARC]. Chromium and chromium compounds. Chromium [VI] (Group 1). Metallic chromium and chromium [III] compounds (Group 3). Lyon: IARC, 1990. p. 49.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA [INCA]. O que é câncer? Brasília: INCA, 2019a.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA [INCA]. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2019b.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA [INCA]. Câncer de pele não melanoma. Rio de Janeiro: INCA, 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA [INCA]. O câncer e seus fatores de risco: o que a educação pode evitar? 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: INCA, 2013.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA [INCA]. Coordenação de Prevenção e Vigilância. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: INCA, 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA [INCA]. Vigilância do câncer ocupacional e ambiental. Rio de Janeiro: INCA, 2005.

JOBIM, P. F. C.; NUNES, L. N.; GIUGLIANI, R.; CRUZ, I. B. M. Existe uma associação entre mortalidade por câncer e uso de agrotóxicos? Uma contribuição ao debate. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 288-10, 2010.

MALTA, D. C.; VIEIRA, M. L.; SZWARCWALD, C. L.; CAIXETA, R., BRITO, S. M. F.; REIS, A. A. C. Tendência de fumantes na população brasileira segundo a Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios 2008 e a Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 45-56, 2015.

MOURA, L. T. R.; ANINGER, P. R. L. C.; BARBOSA, A. V.; BEDOR, C. N. G. Caracterização epidemiológica de trabalhadores com câncer em uma região de fruticultura irrigada. Revista Baiana de Saúde Pública, Bahia, v. 42, n. 1, p. 7-25, 2018.

NATIONAL INSTITUTE FOR OCCUPATIONAL SAFETY AND HEALTH [NIOSH]. Hazards review: health effects of occupational exposure to respirable crystalline silica. Cincinnati: NIOSH, 2002.

OLIVEIRA, C. P.; OLIVEIRA, C. A. L.; MELO, W. J. Efeito da adição de óleos mineral e vegetal a acaricidas no controle do ácaro-da-leprose dos citros Brevipalpus phoenicis. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 25, n. 2, p. 224-6, 2003.

ONCOGUIA. Estimativas de câncer no mundo. Oncoguia, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/estimativas-no-brasil/1705/1/. Acesso em: 1º jan. 2018.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO [OIT]. Segurança e saúde no trabalho para homens e mulheres. Genebra: OIT, 2016.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE [OPAS]. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os Serviços de Saúde série A. Brasília: OPAS, 2001.

GIANNASI, F.; THEBAUD-MONY, A. Occupational exposure to asbestos in Brazil. International Archives of Occupational and Environmental, [s.l.], v. 3, n. 2, p. 150-7, 1997.

PIRES, C. A. A.; FAYAL, A. P.; CAVALCANTE, R. H.; FAYAL, S. P.; SANTOS, M. A. L. Câncer de pele: caracterização do perfil e avaliação da proteção solar dos pacientes atendidos em serviço universitário. Journal of Health Biological Sciences, Belém, v. 6, n. 1, p. 54-59, 2018. doi: http://dx.doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v6i1.1433.p54-59.2018

RECENA, M. C. P.; CALDAS, E. D. Percepção de risco, atitudes e práticas no uso de agrotóxicos entre agricultores de Culturama, MS. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 294-301, 2008.

SILVA. A. E. O. Transposição didática: a química dos óleos lubrificantes. 2011. Trabalho de conclusão da disciplina TCC 2 (Graduação em Química) – Universidade de Brasília, Instituto de Química, Brasília-DF, 2011.

SIMONETI, F.; CUNHA, L. O.; GOMES, C. T. V.; NOVO, N. F.; PORTELLA, D. L.; GONELLA, H. A. Perfil epidemiológico de pacientes com tumores cutâneos malignos atendidos em ambulatório de cirurgia plástica de serviço secundário no interior de São Paulo. Revista da Faculdade Ciência Médica, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 98-102, 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA [SBCD]. Câncer de pele. São Paulo: SBCD, 29 ago. 2019.

SOUZA, S. R. P.; FISCHER, F. M.; SOUZA, J. M. P. Bronzeamento e risco de melanoma cutâneo: revisão da literatura. Revista Saúde Pública, São Paulo. v. 38, n. 4, p. 588-98. 2004.

TERRA FILHO, M.; KITAMURA, S. Câncer pleuropulmonar ocupacional. Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, v. 32, n. supl. 2, p. S60, 2006.

WÜNSCH FILHO, V.; ANTUNES, J. L. F.; BOING, A. F.; LORENZI, R. L. Perspectivas da investigação sobre determinantes sociais em câncer. Physis, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 427-50, 2008.

WORLD HEALTH ORGANIZATION [WHO]. Environmental Health Criteria 203: chrysotile asbesto. Geneva: WHO, 1998. [Relatório].

Publicado
2021-07-06
Como Citar
Lazorek Saldanha da Silva, J., Contrera, L., Campos, E. V., & Carvalho, A. M. A. (2021). Perfil das notificações de câncer relacionado ao trabalho em um hospital referência em oncologia no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Multitemas, 26(62), 137-157. https://doi.org/10.20435/multi.v26i62.3050