Dimensão humana e sustentabilidade em redes sociais: o desenvolvimento local em questão

  • Joe Graeff filho
  • Heitor Romero Marques
  • Josemar de Campos Maciel
Palavras-chave: dimensão humana sustentabilidade redes sociais

Resumo

A dimensão humana requer uma reflexão quanto ao ser em sua individualidade para conhecer as desigualdades entre os homens. As necessidades humanas nesse sentido condicionam a vida em sociedade sendo imutáveis ou contruídas pelo meio. Devido ao processo de globalização o homem está sendo deixado à margem do processo, sendo difícil uma tranformação da situação atual. Diversos seguimentos têm buscado reverter a ideia de globalização marcada pelo lucro, desenvolvendo tecnologia contrária à mercantilização, com sua transferência. Uma comunidade que discute seus caminhos e busca se desenvolver passa necessariamente pela análise de instumentos que a torne capaz de construir relações com bases firmes para defender sua cultura. Penser em sustentabilidade é pensar em responsabilidade fator motriz do desevolvimento. As facilidades criadas pelas redes virtuais podem mudar seu fluxo visto não que são dogmas, cabendo então às redes sociais locais mudarem sua função de meros espectadores que consomem tecnologia.

 

Referências

ALECRIM, Emerson. A história do Linux, 30/6/2003. Atualizado em 12/9/2004. Disponível em: <http://www.infowester.com/linux5.php>. Acesso em: 21 abr. 2011.

BARQUERO, Antonio Vázquez. Desarrollo local, una estrategia para tiempos de crisis. Universitas Forum, v. 1, n. 2, May 2009.

CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2002.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAVALCANTE, Enoque Gomes. Sustentabilidade do desenvolvimento: fundamentos teóricos e metodológicos do novo paradigma. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 1998.

DALLABRIDA, Roque Valdir; SIEDENBERG, Dieter Rugart; FERNANDEZ, Vítor Ramiro. Desenvolvimento a partir da perspectiva territorial. Desenvolvimento em Questão, ljuí, v. 2, p. 33-62, jul./dez. 2004.

ELIAS, D. Milton Santos: a construção da geografia cidadã. ln: EI ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova - Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, Barcelona, v. VI, n. 124, 30 de septiembre de 2002. Disponível em: < http://www. ub. es/geocrit/sn/sn-124. htm >.

ELIZALDE, Antonio. Desarrollo a escala humana: conceptos y experiências. Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 1, n. 1, p. 51-62, set. 2000.

MELO NETO, Francisco Paulo de; FROES, César. Empreendedorismo social: a transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002. ·

HERNÀNDEZ, Jordi Masi. EI Software Librey las lenguas minoritárias: uma oportunidad impagable. Digithum, Barcelona, n. 005, abril 2003.

HOBBES, Thomas. Do cidadão. Tradução, apresentação e notas de Renato Ribeiro; coordenação Roberto Leal Ferreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MARTELETO, Regina Maria; SILVA, Antonio Braz de Oliveira e. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 3, p. 41-49, set./dez. 2004.

MASSA, Adriana Accioly; NOVAK, Amanda Sawaya; SOUZA, Raquel Pusch de. Responsabilidade social: um caminho para a sustentabilidade. ln: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

MOURÃO, Pedro Jorge Chaves. Mangue Sociológico: qual a diferença entre Durkheim, Karl Marx e Max Weber? 2010. Disponível em: <http://manguevir­tual.blogspot.com/2010/09/ qual-diferenca-entre-durkheim-karl-marx. html >. Acesso em: 19 abr. 2011.

MURDOCK, A Uma breve história do Debian. Tradução de Michele Ribeiro. Revisado em 1994. Disponível em: <historywww.debian.orgdocmanuals project-historyap-manifesto.pt.html>. Acesso em: 21 abr. 2011.

PLATÃO. A República. Tradução de Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cul­tural, 1997.

PRADO, Luiz Regis. Direito Penal do ambiente. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Tradução de Maria Ermantina Galvão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SANTOS, Milton. Natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 5. Reimpr. São Paulo: EDUSP, 2009.

______ . Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

______. Técnica, espaço, tempo. São Paulo: Hucitec, 1994.

TOMAÉL, Maria Inês; ALCARÁ, Adriana Rosecler; CHIARA, Ivone Guerreiro Oi. Das redes sociais a inovação. Ci. lnf., Brasília, v. 34, n. 2, p. 93-104, maio/ ago. 2005.

TRENNEPOHL, Dilson et al. Desenvolvimento e cultura: relações de sinergias e conflitos. Desenvolvimento em Questão, ljuí, ano/v. 5, n. 009, p. 147-61. Jan.-jun. 2007.

ZAFFARONI, Eugenia Raúl. Manual de direito penal brasileiro. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

Publicado
2016-03-10
Como Citar
filho, J. G., Marques, H. R., & Maciel, J. de C. (2016). Dimensão humana e sustentabilidade em redes sociais: o desenvolvimento local em questão. Multitemas, (40). Recuperado de https://multitemas.ucdb.br/multitemas/article/view/656
Seção
Artigos