A Antropologia e pegadas do sagrado

  • Maria Augusta de Castilho
  • Rosane Aparecida Ferreira Bacha
Palavras-chave: religião cultura sociedade

Resumo

O presente artigo desteca os aspectos do sagrado no contexto da sociedade contemporânea, bem como seus efeitos intrísecos aos contatos globalizados, em consequência da virtualidade. A temática foi pautada por meio de uma reflexão em espaços estruturais e comportamentos, hábitos dos fiéis e também nas funções que caracterizam o sagrado e das distinções inseridas pela razão humana, a existência de uma lacuna endrômina quanto ao absolutismo contraditório. Sabe-se  que o sagrado existe por si só e as religiões sãio resposta a essa existência. Os homens não criam nada nesse tempo e as manifestações religiosas, mesmo moldadas pelo filtro da cultura, passam a ser uma simples reação a uma dimensão que já existe.

 

Referências

BARROS, José D'Assunção As hipóteses nas Ciências Humanas. Revista Sisifo, Lisboa, v. 7, set./dez. 2008.

GALIMBERTI, Umberto. Rastros do sagrado. Tradução de Euclides Luiz Calloni. São Paulo: Paulus, 2003.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. O novo dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Positivo, 2009.

NATOLI, A. Neopaganesimo: uma nuova ética per forzare. Milão: Le inerzie Dei tempo, li Saggiatore, 1989.

NIETZSCHE, Frederich. Obras incompletas. 1. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

SARTER, Jean-Paul. Existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, 2001. (Coleção os pensadores, v. XLV).

TERRIN, Aldo Natale. Antropologia e horizontes do sagrado: culturas e religiões. Tradução de Euclides Luiz Calloni. São Paulo: Paulus, 2004.

Publicado
2016-03-10
Como Citar
de Castilho, M. A., & Ferreira Bacha, R. A. (2016). A Antropologia e pegadas do sagrado. Multitemas, (40). Recuperado de https://multitemas.ucdb.br/multitemas/article/view/658
Seção
Artigos