Ambiente de inovação em micro e pequenas empresas: uma análise sob a ótica do Radar da Inovação

  • Michel Angelo Constantino de Oliveira Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
  • Ricardo Alexandre Martins Garcia Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
  • Dany Rafael Fonseca Mendes UNICEUB
Palavras-chave: inovação, ambiência inovadora, Radar da Inovação

Resumo

O presente artigo busca identificar o grau de inovação no ambiente organizacional de micro e pequenas empresas, partindo do princípio de que tal grau é determinante para a inovação nessas organizações e nas suas relações com as sociedades em que estão inseridas. Tipologicamente, o trabalho é exploratório, empírico e estudo de caso, tendo como amostra 45 micro e pequenas empresas instaladas no Lago Sul, região administrativa do Distrito Federal. Para coleta de dados, utilizou-se formulário eletrônico e, para análise, o método Radar da Inovação. Os resultados demonstram que tais empreendimentos iniciam com movimentos rumo à inovação, mas que, no decorrer do tempo, vão diminuindo a intensidade, apresentando baixo grau de inovação, principalmente no que se refere ao ambiente de inovação.

 

Referências

BRASIL. Lei Federal n. 10.973, de 02 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 08 out. 2015.

BACHMANN, Dórian L; DESTEFANI, Jully Heverly. Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE: cultura do empreendedorismo e inovação. Bachmann & Associados. Curitiba, 2008. Disponível em: <http://www.bachmann.com.br/website/documents/ArtigoGraudeInovacaonasMPE.pdf>. Acesso em: 08 out. 2015.

LASTRES H. M. M.; CASSIOLATO, José Eduardo. Novas políticas na Era do Conhecimento: o foco em arranjos produtivos e inovativos locais. Revista Parcerias Estratégicas, n. 17, p. 5-29, set. 2003. Disponível em: <repositorio.ibict.br/bitstream/123456789/235/1/LASTRESPE2003i.pdf>. Acesso em: 16 set. 2013.

DEGEN, Ronald Jean. O empreendedor: fundamentos da iniciativa empresarial. São Paulo: Makron Books, 1989.

DEGEN. O empreendedor: empreender como opção de carreira. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

DRUKER, P.F; Inovação e Espírito Empreendedor. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2008.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR - GEM. Empreendedorismo na região Centro-Oeste do Brasil – 2012. Disponível em: <http://www.ibqp.org.br/upload/tiny_mce/_GEM_2012_Empreendedorismo_na_regiao_Centro-Oeste_do_Brasil.pdf>. Acesso em: 04 nov. 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA – IBGE, 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/> Acesso em: 25 nov. 2013.

MARQUES, Heitor Romero et al. Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. 4. ed. Campo Grande, MS: UCDB, 2014.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Paris: OCDE, 2005.

POSSOLLI, Gabriela Eyng. Gestão da inovação e do conhecimento. Curitiba: InterSaberes, 2012.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS - SEBRAE. Guia para a inovação: instrumento de orientação de ações para melhoria das dimensões da Inovação. 2010. Disponível em: <http://app.pr.sebrae.com.br/FCKeditor/userfiles/file/UIC/ALI/Guia_para_inovacao_instrumento_de_orientacao.pdf>. Acesso em: 04 nov. 2013.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS - SEBRAE (Org.); DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2013. 6. ed. Brasília, DF: DIEESE, 2013.

SCHUMPETER, Joseph. Can capitalism survive? New York: Harper & Row, 1952.

TIGRE, Paulo Bastos. Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, n. 3, jan./jun. 1998. Disponível em: <http://www.ie.ufrj.br/oldroot/hpp/intranet/pdfs/inovacao_e_teorias_da_firma_em_tres_paradigmaspaulotigre.pdf>. Acesso em: 30 set. 2013.

Publicado
2015-11-26