Fatores biopsicossociais do profissional estriador de resina e suas condições de trabalho

  • Nelson Kian Universidade Católica Dom Bosco http://orcid.org/0000-0001-6245-2326
  • Daniela Gonçalves Marques Lacerda Universidade Católica Dom Bosco
  • Mariana Buque Sanchez Universidade Católica Dom Bosco
  • Paola Alves Fernandes Universidade Católica Dom Bosco
Palavras-chave: saúde do trabalhador, extração de resina, estriador, Consolidação das Leis do Trabalho, setor florestal.

Resumo

A matéria-prima da resina é um importante produto de exportação no Brasil. A técnica de resinagem consiste em várias etapas, sendo o estriador um elemento essencial nesse processo de extração. O objetivo deste estudo foi identificar os riscos ocupacionais do profissional Estriador de resina, bem como suas condições de trabalho e questões preventivas. Trata-se de um estudo de caso, no qual os dados foram colhidos por meio de uma entrevista com roteiro semiestruturado contendo dados demográficos, dados profissionais, fatores de risco, agravos à saúde e os aspectos biopsicossociais. Posteriormente os resultados foram comparados com a Norma Regulamentadora 31 (NR13) para sua profissão, com a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e artigos científicos. Os resultados demonstraram que a empresa apresenta pontos positivos quanto ao cumprimento da Consolidação das Leis Trabalhistas e normas de seguranças, mas negativos quanto ao sistema de transporte do trabalhador. Contudo esse trabalhador consegue se adequar em todos os aspectos biopsicossociais.

Biografia do Autor

Nelson Kian, Universidade Católica Dom Bosco
Graduado em Fisioterapia (IMEESPP); Especialista em Métodos e Técnicas de Ensino Superior (CESUP), em Fisioterapia traumato ortopédica funcional (COFFITO) e mestrado em Psicologia (UCDB). Atualmente é professor titular da UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO (graduação em fisioterapia, desde 1997) e como professor orientador em Pós Graduação (lato sensu) em Saúde Coletiva, em Saúde Pública e em Saúde Mental pelo convênio UCDB/Portal Educação desde 2013. Professor titular na Faculdade de Campo Grande (FCG) do curso de fisioterapia desde 2010. Professor titular na Faculdade Mato Grosso do Sul (FACSUL) no curso de Educação Física (Licenciatura e Bacharelado) desde 2012. Professor titular na Pós-graduação (lato sensu) na INSPIRAR E IEPAT. Foi Professor do curso de Pós-graduação (lato sensu) na Faculdade Estácio de Sá (2009) e no Instituto avançado de Ensino, Pesquisa e Tecnologia de Londrina (IAEPETEL) (2003 a 2012). Foi Professor temporário na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) em2012 a 2014. Tem formação técnica em Acupuntura Tradicional Chinesa (IEPS). Formação nos Métodos de Cadeias Musculares - Método Leopold Busquet e Osteopatia (IDOT). Especialista no curso de Ativadores nos Processos de mudanças na formação de profissionais de saúde (EaD Fiocruz) em 2016.
Daniela Gonçalves Marques Lacerda, Universidade Católica Dom Bosco
Acadêmica do curso de Fisioterapia da UCDB
Mariana Buque Sanchez, Universidade Católica Dom Bosco
Acadêmica do curso de Fisioterapia da UCDB
Paola Alves Fernandes, Universidade Católica Dom Bosco
Acadêmica do curso de Fisioterapia da UCDB

Referências

BAENA, E. de S. Análise da viabilidade econômica da resinagem em Pinus elliottii Engelm. Var. elliottii nas regiões sul do Estado do Paraná e sul e sudoeste do estado de São Paulo. 1994. 94 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais/Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1994.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Leis e direitos trabalhistas. [s.d.]. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/ouvidoria/­duvidas-trabalhistas/>. Acesso em: 19 maio 2016.

______. Tribunal Superior do Trabalho. Súmula n. 90. Horas “IN ITINERE”. Tempo de Serviço (incorporadas as Súmulas n. 324 e 325 e as Orientações Jurisprudenciais n. 50 e 236 da SBDI-1) - Res. 129/2005, DJ 20, 22 e 25.04.2005 . 2005. Disponível em: <http://www3.tst.jus.br/jurisprudencia/Sumulas_com_indice/Sumulas_Ind_51_100.html#SUM-90>. Acesso em: 2 maio 2016.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 31 – Segurança e Saúde no Trabalho na agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2001. Disponível em: <http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr31.htm#31.1_Objetivo>. Acesso em: 2 maio 2016.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 17 – Ergonomia. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 1990. Disponível em: <http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR17.pdf>. Acesso em: 2 maio 2016.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm>. Acesso em: 2 maio 2016.

______. Lei n. 5.106, de 2 de setembro de 1966. Dispõe sobre os incentivos fiscais concedidos a empreendimentos florestais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L5106.htm>.

______. Decreto-Lei n. 5452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Diário Oficial (dos) Estados Unidos do Brasil. Poder Executivo. Rio de Janeiro, DF, 9 ago. 1943, seção 1, p. 11937-85.

BRITO, J. O.; BARRICHELO, L. E. G. Recursos químicos e energéticos florestais. Piracicaba: ESALQ, 1978. 46 p.

FENNER, P. T. Métodos de cronometragem e a obtenção de rendimentos para as atividades de colheita de madeira. Notas de aula: disciplina Explotação Florestal. Botucatu: Unesp, 2002. 14 p.

GURGEL GARRIDO, L. M. do A. et al. Estudos matemáticos de alguns componentes de produção diária de resina. Boletim Técnico do Instituto Federal de São Paulo, v. 38, n. 1, p. 47-71, 1984.

LAZIA, B. A Atividade de resinagem envolve operações de risco, o que exige alguns cuidados e equipamentos de segurança para sua execução. Portal agropecuário. mar. 2012. Disponível em: <http://www.portalagropecuario.com.br/agricultura/produtos-florestais/saiba-um-pouco- mais-sobre-cultivo-e-resinagem-de-pinus/>. Acesso em: 19 maio 2016.

LEITE, Carlos. Resina de Pinus. TGI - Topografia Geoprocessamento Inventário Florestal. dez. 2014. Disponível em: <http://www.florestalegal.com.br/index.php/florestas/pinus/28-resina-de-pinus>. Acesso em: 19 de maio de 2016.

POLYQUIM. Processo para extração da goma-resina do pinus. [s.d.]. Disponível em: <http://www.polyquim.com.br/curiosidades.htm>. Acesso em: 19 maio 2016.

RODRIGUES, K. C. S. Resina de pinus no sul do Brasil: caracterização e perspectivas.
Revista da madeira
, n. 116, set. 2008. Disponível em: <http://www.remade.com.br/br/revistadamadeira_materia.php?num=1317&subject=Resina>. Acesso em: 19 maio 2016.

SILVEIRA, A. M. Saúde do trabalhador. Belo Horizonte: Nescon/UFMG; Coopmed, 2009. Disponível em: <https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1771.pdf>. Acesso em: 19 maio 2016.

VARELLA, Dráuzio. Privação do sono. abr. 2011. Disponível em: <http://drauziovarella.com.br/drauzio/privacao-do-sono>. Acesso em: 19 maio 2016.

Publicado
2017-12-05
Como Citar
Kian, N., Lacerda, D. G. M., Sanchez, M. B., & Fernandes, P. A. (2017). Fatores biopsicossociais do profissional estriador de resina e suas condições de trabalho. Multitemas, 22(52), 247-260. https://doi.org/10.20435/multi.v22i52.1578