Pensamento pós-hegemônico e a questão do desenvolvimento

  • Josemar de Campos Maciel Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
  • Dolores Pereira Ribeiro Coutinho Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Palavras-chave: teoria do desenvolvimento local. sustentabilidade. epistemologia pós-colonial.

Resumo

Este trabalho defende uma forma mentis pluralista, para implementar práticas de sustentabilidade no plano histórico – da duração e continuidade - e geográfico – do respeito às particularidades territoriais reticuladas. Para isso, traça-se a genealogia do imaginário do desenvolvimento no Ocidente, como uma forma de ortodoxia, em solo filosófico-teológico, e traça-se-lhe uma crítica. Pensar a sustentabilidade em suas escalas supõe dimensionar o crescimento, sem negar as diferenças - em seu nome. É preciso refletir formas de pensar que não confundam a tecnociência com o desejo de conhecer, partindo de uma interlocução com territórios e formas de apropriação. A partir daí, trata-se de equilibrar as dimensões tecnocientífica, humano-coletiva e cultural, plasmando um pensar sensível à singularidade, mas não localista. Uma dificuldade desse trabalho é imaginar um pensamento que consiga deixar ser o outro em sua alteridade, para além do desejo de controle.

 

Referências

ASAD, T. (Ed.). Anthropology and the Colonial Encounter. London: Ithaca, 1974.

ÁVILA, V. F. Cultura de sub/desenvolvimento e desenvolvimento local. Sobral, CE: Edições UVA, 2006.

BARROS, M. Gramática expositiva do chão: poesia quase toda. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERLIN, I. Vico e Herder. Brasília: Editora da UNB, 1982.

BOMBASSARO, L. C. As fronteiras da Epistemologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

CAPUTO, J. S.; WYNYARD, R. McDonaldization Revisited: Critical Essays on Consumer Culture. Westport, CT: Praeger, 1998.

DERRIDA, J. Of Grammatology. New York: John Hopkins University Press, 1974.

DESCARTES, R. Discurso do método. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

DI MÉO, G. Géogaphie social et territóres. Paris: Nathan, 1998.

ELIZALDE, A. Desarrollo a escala humana: conceptos y experiencias. In: Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 1, n. 1, p. 51-62, set. 2000.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FREUD, S. Sobre o narcisismo: uma introdução. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974. v. XIV, p. 85-119.

FUKUYAMA, F. Fim da História e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

GILBERT, P. A paciência de ser. São Paulo: Loyola, 2003.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

LUSSAULT, M. L’homme spatial. La constructon sociale de l’espace humain. Paris: Seuil, 2007.

MARSH, J.; CAPUTO, J.; WESTPHAL, M. Modernity and Its Discontents. New York: Fordham University Press, 1992.

MATTELART, A.; DORFMAN, A. Para ler o Pato Donald. Comunicação de massa e imperialismo. São Paulo: Paz e Terra, 1971.

MATTELART, A.; NEVEU, E. Introduction aux Cultural Studies. Paris: La Vécouverte, 2003.

MIGNOLO, W. The Darker Side of Western Modernity: Global Futures, Decolonial Options (Latin America Otherwise). North Carolina: Duke University Press, 2011.

______. Histórias locais / projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2003a.

______. Globalization and the Geopolitics of Knowledge: The Role of the Humanities in the Corporate University. Nepantla: Views from South, v. 4, n. 1: 97-119, 2003b.

NORA, P. O retorno do fato. In: Le GOFF, J.; NORA, P. História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976. p. 179-193.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SAID, E. W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTOS, B. S. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, Portugal, n. 78, p. 3-46, 2007.

______. Los nuevos movimientos sociales. Revista del Observatorio Social de América Latina / OSAL, Buenos Aires, n. 5, p. 177-188, septiembre 2001a.

______. Toward an Epistemology of Blindness: Why the New Forms of Ceremonial Adequacy neither Regulate nor Emancipate. The European Journal of Social Theory, Sussex, UK, v. 4, n. 3, p. 251-279, august 2001b.

STAKE, R. E. Qualitative research: studying how things work. New York: The Guilford Press, 2010.

THOMPSOM, E. P. A miséria da teoria: ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TURNER, G. British cultural studies. An introduction. London: Routledge, 2003.

VICO, G. A ciência nova. Lisboa, Portugal: Edições da Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

Publicado
2015-11-27
Seção
Artigos