Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em quatro continentes

  • Lorena Martins Costa Universidade de Uberaba, MG
  • Maria Alzira Pimenta Universidade de Sorocaba, SP
Palavras-chave: fraude acadêmica, avaliação, pesquisa.

Resumo

Esta pesquisa teve como objeto os estudos sobre fraude acadêmica (cola, plágio e falseamento de dados de pesquisa). A pergunta que serviu de orientação foi: Como a prática da fraude acadêmica é estudada em diferentes países? A relevância desta pesquisa é proporcionar subsídios para a reflexão sobre essa prática que tem sérias implicações na formação dos estudantes. O objetivo geral foi compreender as diferentes formas de se estudar o fenômeno da fraude acadêmica. Dentre os objetivos específicos, destacam-se: levantar artigos científicos que tratem de estudos sobre a fraude acadêmica; identificar os objetivos, metodologia e resultados dos estudos; comparar e analisar esses três elementos dos artigos. Fizeram parte da metodologia: a revisão bibliográfica, a pesquisa telematizada e a análise documental. Os resultados indicaram que essa prática demanda das Instituições de Ensino Superior maior atenção e colaboração entre o pedagógico e administrativo, no sentido de definir estratégias que evitem a fraude no processo de avaliação da aprendizagem.

 

Referências

BARBOSA, E. B. “Cola” em sala de aula: a taxionomia é o antídoto. 2009. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/cola_em_sala_de_aula_a_taxionomia_e_o_antidoto/27874/>. Acesso em: 5 mar. 2010.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma
introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994.

BOWERS, W. J. Student dishonesty and its control in college. New York: Bureau, 1964.

BRUINI, Eliane da Costa. Educação no Brasil. 2008. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/educacao/educacao-no-brasil.htm>. Acesso em: 12 set. 2012.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

HOSSNE, W.S.; VIEIRA, S. Fraude em ciência: onde estamos? Revista Bioética, 15: 39-47, 2007.

MCCABE, D. L. Academic dishonesty among high school students. Adolescence, 34(136), 681-687, 1999.

MORAES, Rodrigo. O plágio na pesquisa acadêmica: a proliferação da desonestidade intelectual. [s.d.]. Disponível em: <http://faculdadesocial.edu.br/dialogospossiveis/artigos/4/06.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2011.

MORESI, Eduardo (Org.). Metodologia da pesquisa. Brasília, DF: UCB, 2003.

PAULSEN, Sandra. O problema da cola. Blog do Noblat, 2009. Disponível em: < http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2009/01/30/o-problema-da-cola-157509.asp>. Acesso em: 19 set. 2012.

PIMENTA, M. A. A. Fraude em avaliações na visão de professores e de estudantes: uma reflexão sobre formação profissional e ética. Revista Profissão Docente, Uberaba, v. 10, n. 22, p. 124-138, jul./dez. 2010.

______. Ética e a formação de professores: uma reflexão sobre a cola. Revista Educação & Cidadania, v. 7, n. 1, p. 67- 74, jan./jun. 2008.

SILVA, Gabriela Andrade da et al. Um estudo sobre a prática da cola entre universitários. Psicol. Reflex. Crit. [online], v.19, n. 1, p. 18-24, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722006000100004.

TORRESI, Susana I. C.; PARDINI, Vera L.; FERREIRA, Vitor F. Fraudes, plágios e currículos. Quím. Nova [online], v. 32, n. 6, p. 1371-1371, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000600001.

VASCONCELOS, Sonia M. R.. O plágio na comunidade científica: questões culturais e linguísticas. Cienc. Cult., São Paulo, v. 59, n. 3, set. 2007. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252007000300002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 nov. 2012.

Publicado
2015-11-27
Seção
Artigos