Eficiência de protótipo de microambiente com controle sobre ventilação, temperatura e umidade, para roedores

Palavras-chave: biotério, bem-estar animal, manipulação animal

Resumo

O ambiente no qual o animal experimental se encontra deve ser padronizado, pois pode influenciar os resultados das pesquisas. A tecnologia existente, além de onerosa, não reúne em um único aparelho todas as especificações necessárias para esse fim. No intuito de controlar e padronizar, foi desenvolvido protótipo de microambiente utilizando o sistema Peltier, que é um método alternativo de refrigeração, com controle sobre temperatura, umidade, iluminação e ventilação, e testado em estudo experimental, comparando entre o grupo controle e experimental os parâmetros ambientais, consumo alimentar e hídrico e ganho ponderal. Eles foram analisados pelo teste t-Student, programa SigmaPlot, versão 12.5, significância de 5%. O protótipo despontou como produto diferenciado, superior ao comercializado, eficiente no controle das variáveis ambientais, mantendo sua estabilidade, bem como proporcionando atmosfera isolada e adequada para abrigar animais e mantê-los em ambiente controlado e passível de reprodução com custo reduzido, acessível a biotérios e grupos de pesquisa desprovidos de grandes verbas.

Biografia do Autor

Juliana Teixeira de Almeida, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Especialização em Pediatria e Neonatologia pelo Coffito. Aperfeiçoamento em Fisioterapia em Pediatria e Neonatologia pela Faculdade Inspirar. Pós-graduação em Fisiologia do Exercício: Prescrição do Exercício pela Universidade Gama Filho. Graduação em Fisioterapia pela Universidade Católica Dom Bosco. Técnica administrativa em Educação na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, desde 2014.

Albert Schiaveto de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Pós-doutorado na University of Oxford, UK, por meio da Universidade de São Paulo, Campus Ribeirão Preto. Doutorado e mestrado em Ciências (Fisiologia) pela Universidade de São Paulo, Campus Ribeirão Preto. Graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Londrina. Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), como professor associado, ao nível de graduação, orientador credenciado no Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste, em Odontologia e em Saúde da Família. Colaborador no Programa de Mestrado em Farmácia da UFMS e diretor do Instituto de Biociências da UFMS. É avaliador do Inep/MEC para o curso de Fisioterapia

Mauro Conti Pereira, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo.  Docente no Departamento de Engenharias da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e no Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS).

 

Matheus Bueno Gomes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Graduação em Engenharia de Controle e Automação pela Universidade Católica Dom Bosco. Engenheiro de hardware − ENG Soluções Tecnológicas.

Referências

BARBOSA, Rosimere Maria. Diagnóstico das atividades e manejo de animais no biotério do CAV. 2017. 37 p. TCC (Graduação de Nutrição) − Universidade Federal de Pernambuco, Vitória de Santo Antão, PE.

BRASIL. Lei n. 11.794. Regulamenta o inciso VII do § 1º do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo procedimentos para o uso científico de animais; revoga a Lei n. 6.638, de 8 de maio de 1979; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de out. de 2008, seção I, p. 1-4.

CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL. Normativas do CONCEA para produção, manutenção ou utilização de animais em atividades de ensino ou pesquisa científica. Diário Oficial da União, Brasília, 19 ago. 2016, seção I, p. 43.

FERNANDEZ, Wilber Romero; CASTRO, Zenia Batista; LUCCA, Marisel; RUANO, Ana; BARCELÓ, Maria Garcia; CERVANTES, Marta Rivera; RODRIGUES, Julio Garcia; MATEOS, Soledad Sanches. El 1, 2, 3 de la experimentación con animales de laboratorio. Revista Peruana de Medicina Experimental y Salud Pública, Lima, v. 33, n. 2, p. 288-99, abr./jun. 2016.

ISHII, Toshinori; YOSHIDA, Kazuya; HASEGAWA, Masakazu; MIZUNO, Shinya; OKAMOTO, Munehiro; TAJIMA, Masaru; KUROSAWA, Tsutomu. Invention of a forced-air-ventilated micro-isolation cage and rack system − Environment within cages: temperature and ammonia concentration. Applied Animal Behaviour Science, v. 59, n. 1-3, p. 115-23, ago. 1998.

MARTINEWSKI, Alexandre; SOUZA, Nívea Lopes; ARANHA, Élvio Franco de Camargo; MERUSSE, José Luíz Bernardino. Controle termo-higrométrico microambiental para animais de laboratório por meio de tecnologia termoelétrica: estudo experimental para roedores de laboratório. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 47, n. 4, p. 315-22, ago. 2010.

METZE, Michael. Thermal neutral zone technology: the doorway to better research results. Lab Animal, v. 45, n. 7, jul. 2016.

NEVES, Silvânia M. P.; MANCINI FILHO, Jorge; MENEZES, Elizabete Wenzel. Manual de cuidados e procedimentos com animais de laboratório do biotério de produção e experimentação da FCF-IQ/USP. São Paulo: FCF-IQ/USP, 2013.

POLITI, Flávio Augusto Sanches; PIETRO, Rosemeire; SALGADO, Herida. Caracterização de biotérios, legislação e padrões de biossegurança. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 29, n. 1, p. 17-28, jun./jul. 2008.

PRECZENHAK, Ana Paula; SANTOS, Júlia Barbosa; BOTELHO, Giuliana Gelbcke Kasecker. Avaliação do ciclo estral de ratas wistar em função da temperatura do microambiente e das condições climáticas ambientais. In: EAIC, 19., 2010, Guarapuava, PR. Anais […]. Unicentro, 2010.

ROWE, Philip. Essential statistics for the pharmaceutical sciences. 2. ed. Chichester, England: John Wiley & Sons Ltda, 2007.

WASHINGTON, Ida M.; PAYTON, Mark E. Ammonia Levels and Urine-Spot Characteristics as Cage-Change Indicators for High-Density Individually Ventilated Mouse Cages. Journal of the American Association for Laboratory Animal Science, v. 55, n. 3, p. 260-7, maio 2016.

Publicado
2020-10-05