Tecer e empoderar: as entrelinhas do saber-fazer do crochê de um grupo de mulheres artesãs

Palavras-chave: saber-fazer, patrimônio imaterial, artesão, crochê, artesanato

Resumo

A presente pesquisa abordou o ofício do crochê e os valores relacionados ao saber-fazer do artífice, focalizando o trabalho de mulheres crocheteiras da região Sul do Estado de Minas Gerais, Brasil, pelo viés do patrimônio imaterial, estabelecendo interdisciplinaridade entre patrimônio, arte, artesanato e moda. Partiu-se do princípio de que a valorização do saber-fazer de uma comunidade contribui para a permanência da tradição, para a construção da identidade, da afirmação do sujeito e da cultura, bem como para a valorização do produto advindo do ofício. Investigou-se, por meio de uma abordagem de pesquisa-ação e de entrevistas semiestruturadas, de que maneira o saber-fazer pode valorizar um grupo de mulheres artesãs do Sul de Minas. Os resultados obtidos remetem à importância do encontro entre essas mulheres, favorecendo a troca de saberes e a permanência da tradição, e também revelam aspectos econômicos relacionados à geração de renda advinda da comercialização da produção artesanal.

Biografia do Autor

Bianca Xavier Lemes, Universidade Federal de Minas Gerais.
Doutoranda e mestre em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bacharel em Artes Plásticas e licenciada em Arte Educação pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG).
Andréa Franco Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora em Sciences Mécaniques pour L’Ingenieur − Université de Technologie de Compiègne (UTC, França). Professora do Departamento de Tecnologia do Design, da Arquitetura e do Urbanismo, Universidade Federal de Minas Gerais. Designer de produto pela FUMA, atual Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG).

Referências

BARBOSA, Vera Lúcia Ermida. Mulher e artesanato: as artesãs do povoado do Bichinho/Prados-MG. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Programa do Artesanato Brasileiro. Base Conceitual do Artesanato Brasileiro. Brasília, 2012.

CANCLINI, Néstor Garcia. Las culturas populares en el capitalismo. 4. ed. México: Nueva Imagen, 1989.

CASTRIOTA, Leonardo Barci. Patrimônio cultural: conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

FACHONE, Savana Leão. Design e artesanato: o sentido do fazer manual na contemporaneidade. 2012. Dissertação (Mestrado em Design) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=149. Acesso em: abr. 2017.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN) – Patrimônio cultural: para saber mais. 3. ed. Brasília, DF: Iphan, mar. 2012.

KELLER, Paulo F. O artesão e a economia do artesanato na sociedade contemporânea. Política & Trabalho. Revista de Ciências Sociais, João Pessoa, PB, n. 41, p. 323-47, out. 2014.

LEÓN, Magdalena. El empoderamiento de las mujeres: encuentro del primer y tercer mundo en los estúdios de género. La Ventana, v. 2, n. 13, p. 94-106, 2001.

MARTINS, Saul. Folclore: teoria e método. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 1986.

MARTINS, Saul. Contribuição ao estudo científico do artesanato. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 1973.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de investigação em ciências sociais − trajectos 17. 4. ed. Lisboa: Gradiva, 2005.

REVISTA MÃOS DE OURO. Enciclopédia semanal de trabalhos manuais femininos. São Paulo: Abril Cultural, 1967.

SENNETT, Richard. O artífice. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

SILVA, Márcia Alves; EGGERT, Edla. Descosturar o doméstico e a “madresposa” − a busca da autonomia por meio do trabalho manual. In: EGGERT, Edla (Org.). Processos educativos no fazer artesanal de mulheres do Rio Grande do Sul. 1. ed. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2011. p. 39-57.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

Publicado
2020-03-12