Pais ouvintes, filhos surdos: barreiras na comunicação

  • Helena dos Santos Silva Gianoto
  • Adriano de Oliveira Gianotto
  • Heitor Romero Marques
Palavras-chave: surdez, barreira comunicacional, família de surdo.

Resumo

O presente artigo objetiva uma reflexão de que a surdez não é um obstáculo para a comunicação de fato, a linguagem de sinais é o caminho para a integração social dos deficientes auditivos, mas é preciso compreender que todo o processo de ensino e aprendizado dos conteúdos nas escolas regulares tende a ser retransmitido, traduzido, para outra língua. Respeitar as especificidades de cada forma de comunicação estima ser o caminho para que não haja divergências quanto àquilo que está sendo transmitido aos alunos surdos. As barreiras na comunicação entre membros da família e sociedade é um fato organizador deste artigo, numa assertiva de enfrentar a problemática da surdez. Esta pesquisa de natureza realizada por meio de estudos bibliográficos e de campo com famílias de surdos tem o intuito da inclusão da pessoa surda no ensino regular e seus reflexos no processo de aprendizagem.

Biografia do Autor

Heitor Romero Marques

 

Referências

BRASIL. Ministério da Educação - MEC. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Atendimento Especial Especializado: pessoa com surdez. Brasília, DF: Câmara Nacional de Educação Básica, 2013.

DAMÁZIO, M. F. M. Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez. São Paulo: MEC/SEESP, 2007. 52 p.

DRAGO, Rogério. Inclusão escolar e atendimento educacional especializado no contexto do projeto político pedagógico. RBPAE, v. 27, n. 3, p. 433-451, set./dez. 2011. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/26413/15405>. Acesso em: 22 mar. 2016.

FERNANDES, Eulália; CORREIA, Cláudio. Bilinguismo e surdez: a evolução dos conceitos no domínio da linguagem. In: FERNANDES, Eulália (Org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre, RS: Mediação, 2006. (Capítulo I).

LANE, H. A máscara da benevolência: a comunidade surda amordaçada. Lisboa: Horizontes Pedagógicos, 1992.

MAIA, Shirley Rodrigues; ARÁOZ, Susana Maria Mana de. A surdocegueira - "saindo do escuro". Revista Educação Especial, n. 17, 2001. Disponível em: <http://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/5199/3189>. Acesso em: 19 mar. 2016

MANZINI, Eduardo José; DELIBERATO, Débora. Portal de ajudas técnicas para educação Equipamento e material pedagógico especial para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física. Recursos para Comunicação Alternativa. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ajudas_tec.pdf>.

MARTINS, R. V. Língua de sinais e subjetividade. 2003. 170 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2003.

NIKITIUK, Sônia. Repensando o ensino de História. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração de Salamanca. Salamanca, Espanha: UNESCO/Ministério da Educação e Ciência de Espanha, 1994.

PIAGET, Jean. Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

QUILES, R. E. S. Estudo de Libras. Campo Grande, MS: Editora UFMS, 2010.

RIBEIRO, Maria Clara Maciel de Araújo. O discurso acadêmico-científico produzido por surdos: entre o fazer acadêmico e o fazer militante. 2012. 263f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2012. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/LETR-96LNYY/tese_maria_clara_maciel.pdf?sequence=1>. Acesso em: 19 mar. 2016.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Unesp, 2010.

SILVA, Angélica Bronzatto de Paiva; ZANOLI, Maria de Lurdes; PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. Surdez: relato de mães frente ao diagnóstico. Estudos de Psicologia, v.13, n. 2, p. 175-83, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/epsic/v13n2/10.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2016.

Publicado
2016-06-17