Compostos bioativos em geleia de bocaiuva com maracujá

Palavras-chave: Acrocomia aculeata, cerrado, compostos bioativos.

Resumo

O aproveitamento de frutos no desenvolvimento de produtos visa inserir no mercado alimentos com um maior aporte de nutrientes, estimulando assim, hábitos de vida mais saudáveis. Os frutos do Cerrado possuem um grande potencial econômico e nutricional, entretanto se faz necessária a busca por alternativas para um maior aproveitamento e conservação desses frutos. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi caracterizar quimicamente geleia de bocaiuva (Acrocomia aculeata) acrescida de maracujá (Passiflora edulis), por meio dos parâmetros: sólidos solúveis, acidez titulável, pH, Aw, sólidos totais, fenóis totais, atividade antioxidante, taninos, carotenoides e ácido ascórbico. A polpa de bocaiuva utilizada na elaboração da geleia também foi caracterizada devido aos diferentes morfotipos encontrados no Estado de Mato Grosso do Sul. A geleia de bocaiuva com maracujá apresenta 106,01 mg g-1 de fenóis totais, 466,55 de g g-1 de DPPH, 4,94mg 100g-1 de taninos, 11,44 mg 100g-1 de carotenoides. A polpa de bocaiuva apresenta 240,8 mg g-1 de fenóis totais, 261,14 de g g-1 de DPPH, 10,66 mg 100g-1 de taninos e 58,29 mg 100g-1 de carotenoides. A geleia de bocaiuva com maracujá reteve os compostos considerados bioativos em sua composição, provenientes das polpas de bocaiuva e de maracujá.

Biografia do Autor

Roberta Serafim de Souza, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Discente do Curso de Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
Jéssica Pereira Cuellar, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Discente do Curso de Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
Juliana Rodrigues Donadon, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (Facfan), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Possui graduação em Agronomia pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias /UNESP-Jaboticabal (2001), mestrado (2005) e doutorado (2009) em Produção Vegetal pela mesma Faculdade. Atualmente é Professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande. Áreas de atuação: conservação pós-colheita de frutas e hortaliças, produtos minimamente processados e secagem e armazenamento de grãos.
Rita de Cássia Avellaneda Guimarães, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Rita de Cássia Avellaneda Guimarães possui graduação em Nutrição pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) (2003-2006), e mestrado em Biotecnologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2007-2009) com sanduíche na Universidade Católica de Brasília (UCB). Durante o mestrado foi bolsista CAPES, atuando na linha de pesquisa, Conservação e Uso dos Recursos Genéticos Vegetal e Animal, e em sua dissertação pesquisou as propriedades funcionais, perfil e análise térmica de proteínas da farinha desengordurada e concentrado proteico de castanhas de baru (Dipteryx alata Vog.), um fruto nativo do Cerrado. Realizou doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), sendo bolsista CAPES, atuando na linha de pesquisa, Metabolismo e Nutrição. Em sua tese, pesquisou as proteínas e suas funções biológicas, fatores antinutricionais, bem como o efeito do óleo de sementes de gergelim e linhaça no controle de lipídios séricos e glicose no metabolismo de ratos e processos danosos ocasionados no DNA oriundos da descompensação metabólica (Nutrigenômica). Atualmente é Professora Adjunta Nível III do curso de Nutrição da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e docente do quadro permanente do Programa de Pós Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste da Faculdade de Medicina (FAMED) da UFMS, onde atua nas seguintes linhas de pesquisa: Nutrição experimental, metabolismo, análise de alimentos, desenvolvimento de novos produtos e química de alimentos. Ainda, pesquisa a Biodiversidade do Cerrado e Pantanal, trabalhando com frutos nativos e plantas alimentícias desta Região.

Referências

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS (AOAC). Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists International.16 ed. Washington: Ed. Patrícia Cunniff, 1997. V. 2.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - CNNPA n. 12, de 1978, Regulamento técnico sobre os padrões microbiológicos para alimentos. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/component/k2/item/199?Itemid=294. Acesso em: 20 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Métodos analíticos oficiais físico-químicos, para controle de leite e produtos lácteos. Instrução Normativa n. 68, de 12 de dezembro de 2006. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, de 14 de dezembro de 2006.

BRESSAN, J.; HERMSDORFF, H. H. M.; ZULET, M. A. Impacto hormonal e inflamatório de diferentes composições dietéticas: ênfase em padrões alimentares e fatores dietéticos específicos. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 53, n. 5, p. 572-81. 2009.

BUENO, S. M. et al. Avaliação da qualidade de polpas de frutas congeladas. Revista Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, v. 62, n. 2, p. 121-6, 2002.

CAETANO, P. K. et al. Características físico-químicas e sensorial de geleia elaborada com polpa e suco de acerola. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 15, n. 3, p.191-7, 2012

CARNEIRO, A. P. de G. et al. Caracterização físico-química dos frutos in natura e geleia de morango e pêssego, e aspectos de rotulagem do produto ao consumidor. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v. 14, n. 3, p. 295-8, 2012.

COIMBRA, P. da S. et al. Compostos fenólicos e atividade antioxidante de polpa de frutos de cajá- manga (Spondias dulcis) e noni (Morinda citrofolia). In: SIMPÓSIO DE FRUTOS NATIVOS E EXÓTICOS, 2., 2017. Campo Grande, MS. Anais [...] Campo Grande, MS: UFMS. p. 77-80, 2017.

COSTA, G. L. A. Avaliação do potencial mutagênico, antimutagênico e antioxidante do óleo da polpa de Acrocomia aculeata (Arecaceae). Orientadora: Suzana Elisa Moreno. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia Aplicada à Saúde) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2012.

DONADON, J. R. et al. Processo de obtenção e avaliação química de doce cristalizado de bocaiuva. Agroecologia. Dourados, MS: Embrapa Pantanal, 2016.

GARCIA, L. G. C. et al. Geleia de buriti (Mauritia flexuosa): agregação de valor aos frutos do cerrado brasileiro. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 20, e2016043, 2017.

GAVA, A. J. Princípios da Tecnologia de Alimentos. 2. ed. São Paulo: Nobel, 2004.

GODOY, H. T.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. Occurrency of cis-Isomers of provitamin A in brazillian fruits. Journal Agricultural Food Chemistry, Easton, v. 42, p. 1306-13, 1994.

JACKIX, M. H. Doces, geleias e fruta em calda: teórico e prático. 2. ed. São Paulo: Editora da Unicamp, 1988. 98 p.

JORGE, L. Desenvolvimento de geleia de pimentão com pimenta, visando à elaboração de produtos destinados ao mercado “gourmet”. In: CONGRESSO INTERINSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 7., 13-15 ago. 2013, Campinas. Anais [...] Campinas: ITAL, 2013.

KIMURA, M.; RODRIGUEZ-AMAYA, D.B. A scheme for obtaining standards and HPLC quantification of leafy vegetable carotenoids. Food Chemistry, London, v. 78, p. 389-98, 2001.

LAGO-VANZELA, E. S. et al. Chemical and sensory characteristics of pulp and peel cajá-manga (Spondias cytherea Sonn.) jelly. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 31, n. 2, p. 398-405, 2011.

LIMA, A. de et al . Composição química e compostos bioativos presentes na polpa e na amêndoa do pequi (Caryocar brasiliense Camb.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 29, n. 3, p. 695-8, 2007 .

MAGRO, N. G. D. et al. Comparação físico-química de frutos congelados de Butiá Erios patha (Mart.) Becc. do Paraná e Santa Catarina - Brasil. Revista Varia Scientia, Cascavel, v. 6, n. 11, p. 33-42, 2006.

MELO, E. A. et al. Capacidade antioxidante de frutas. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 193-201, abr./jun., 2008

MOTA, R. V. Características químicas e aceitabilidade de geleias de amora-preta de baixo teor de sólidos solúveis. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 10, n. 2, p. 116-21, 2007.

OLIVEIRA, E. N. A. de. et al. Estabilidade de geleias convencionais de umbu-cajá durante o armazenamento em condições ambientais. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 3, p. 329-37, 2014.

PEREIRA, et al. Avaliação sensorial de geleia de marmelo ‘Japonês’ em diferentes concentrações de sólidos solúveis totais. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 14, n. 3, p. 226-231, jul./set. 2011.

RANGANNA, S. Manual of Analysis of Fruit and Vegetable Products. New York: McGraw-Hill,. 1977.

ROCHA, W. S. et al. Compostos fenólicos totais e taninos condensados em frutas nativas do cerrado. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, SP, v. 33, n. 4, p. 1215-21, dez. 2011.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. A guide to carotenoid analysis in foods. Washington: Internacional Life Sciences Institute Press, 64. p. 2001.

ROESLER, R. et al. Atividades Antioxidante de frutas do Cerrado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 27, n. 1, p. 53-60, jan./mar. 2007.

ROTILI, M. C.; COUTRO, S.; CELANT, V. M.; VORPAGEL, J. A.; BARP, F. K.; SALEBE, A. B.; BRAGA, G.C. Composição, atividade antioxidante e qualidade do maracujá amarelo durante armazenamento. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 34, n. 1, p. 227-40, 2013.

SANTOS. R. G. S. Geleia de cagaita (Eugenia dysenterica DC.): desenvolvimento, caracterização -microbiológica, sensorial, química e estudo da estabilidade. Revista do Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, v. 71, n. 2, p. 281-90, 2012.

SARJINEZ-ARGANDONÃ, E. J; CHUBA, C. A. M. Biometrical, physical and chemical characterization of bocaiuva (Acrocomia aculeata (jacq.) Lodd. ex Mart) Palm fruits. Revista Brasileira de Fruticutura, v. 33, n. 3, Jaboticabal, set. 2011.

SILVA, P. T.; LOPES, M. L. M.; VALENTE-MESQUITA, V. L. Efeito de diferentes processamentos sobre o teor de ácido ascórbico em suco de laranja utilizado na elaboração de bolo, pudim e geleia. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 26, n. 3, p. 678-82, jul./set. 2006.

SPINOLA, V.; BERTA, B.; CÂMARA, J. S.; CASTILHO, P. C. Effect of time and temperature on vitamin c stability in horticultural extracts. UHPLC-PDA vs. Iodometric Titration as Analytical Methods. LWT - Food Science and Technology, London, v. 50, n. 2, p. 489-95, 2013.

SWAIN, T.; HILLS, W. E. The phenolic constituents of Punnus domestica. The quantitative analysis of phenolic constituents. Journal of the Science of Food and Agriculture, London, v. 19, p. 63-8, 1959.

VIANA, E. S. et al. Caracterização físico-química e sensorial de geleia de mamão com araçá-boi. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, SP, v. 34, n. 4, p. 1154-64, dez., 2012.

TOREZAN, G. A. P.; PEZOA, G. N. H. Produção de geleia de manga através de processo contínuo de fabricação, rica em sólidos da fruta e sem adição de açúcares. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, 17., Fortaleza, CE, ago. 2000, Resumos [...]. Fortaleza: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, p. 11.136, 2000. V. 4.

ZENEBON, O.; PASCUET, N. S.; TIGLEA, P. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008.

Publicado
2019-08-16