A necessidade de avaliação da política de fomento à inovação tecnológica no Brasil

  • Josmar Cappa Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • José Henrique Bassi Souza Sperancini Universidade Federal do ABC.
  • Lindinalva Cândido Machado Universidade de Campinas (Unicamp)
Palavras-chave: avaliação, política científica e tecnológica, inovação, Brasil

Resumo

O fomento público à inovação tecnológica vem se constituindo como um dos principais fatores responsáveis pelo diferencial competitivo entre as nações. Essa importância dada ao papel do Estado no fomento tecnológico reforça a necessidade. De a sociedade estabelecer formas de monitorar as estratégias e as atividades das agências públicas. Por isso a necessidade urgente de implementar formas eficazes de avaliação de resultados das ações públicas na área. Para o Brasil, essa realidade não é diferente. Esse artigo procura tratar dos principais argumentos que justificam a necessidade de o Estado brasileiro institucionalizar as práticas de avaliação de suas ações de apoio à inovação empresarial.

Biografia do Autor

Josmar Cappa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Doutor em Economia pela Unicamp. Professor e Pesquisador junto ao Centro de Economia e Administração da PUC Campinas.
José Henrique Bassi Souza Sperancini, Universidade Federal do ABC.
Doutor em Economia pela Unicamp. Professor e Pesquisador no Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) da Universidade Federal do ABC.
Lindinalva Cândido Machado, Universidade de Campinas (Unicamp)
Cientista Social pela Unicamp. Posgraduanda em Políticas Públicas pelo Instituto de Economia da Unicamp.

Referências

ARBIX, Glauco; MIRANDA, Zil. Inovação em tempos difíceis. Plural, Revista de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 18-36, 2015.

ARCHIBUGI, Daniele; LUNDVALL, Bengt-Åke. The globalizing learning economy. Oxford: Oxfor University Press, 2001.

ASSOCIATION FOR TECHNOLOGY IMPLEMENTATION IN EUROPE, THE (TAFTIE). Evaluation Reference Model. The Taftie Evaluation Network. Madri, Espanha, 2014.

______. The taftie guidelines on performance indicators for evaluation and monitoring. The Taftie Evaluation Network. Madri, Espanha, 1997.

BALLART, Xavier; SUBIRATS, Joan. Science and technology policy for a medium-size industrial country: the case of Spain. Science and Public Policy, Inglaterra, v. 24, n. 3, p. 197-205, jun. 1997.

BONACELLI, Maria Beatriz M.; ZACKIEWICZ, Mauro; BIN, A. Avaliação de impactos sociais de programas tecnológicos na agricultura do estado de São Paulo. Espacios, Caracas, v. 24, n. 2, 2003.

BORGES, Pedro P.; MARQUES, Heitor R.; CASTILHO, Maria Augusta. Economia asiática: modelo para o Brasil? Contribuciones a las Ciencias Sociales, out./dez. 2016. Disponível em: <http://www.eumed.net/rev/cccss/2016/04/asia.html>.

CALLON, M.; LARÉDO, P.; RABEHARISOA, V. The management and evaluation of technological programmes and the dynamics of techno-economic networks: the case of the AFME. Research Policy, v. 21, n. 3, p. 215-36, jun. 1992.

CATELLI, Armando; SANTOS, Edilene Santana. Mensurando a criação de valor na gestão pública. RAP - Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 38, n. 3, p. 423-49, maio/jun. 2004.

CORRÊA, Izabela Moreira. Planejamento estratégico e gestão pública por resultados no processo de reforma administrativa do estado de Minas Gerais. RAP - Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 41, n. 3, p. 487-504, maio/jun. 2007.

COUNCIL OF SCIENCE AND TECHNOLOGY ADVISORS (CSTA). Science and technology excellence in the public service: a framework for excellence in federally performed science and technology. Ottawa: CSTA, 2001.

CUNNINGHAM, P. P. N.; MARK, B.; GLYNN, S. M.; HILLS, P. V. Measuring and ensuring excellence in government science and technology: international practices - France, Germany Sweden and the United Kingdom. Science and Technology Excellence in the Public Service (STEPS), 2001. Publication link: 5b0c258d-5f3a-4a42-99c3-9e607b4943b1.

DE NEGRI, Fernanda et al. Inovação no Brasil: crescimento marginal no período recente: análise dos dados da PINTEC 2014. Brasília, n. 34, 2016. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/20161209_nt_34.pdf>.

ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY (EPA). Performance and accountability report 2007. Washington: EPA, 2007.

FURTADO, André Tosi et al. Avaliação de resultados e impactos da pesquisa e desenvolvimento: avanços e desafios metodológicos a partir de estudo de caso. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 15, n. 2, p. 381-92, maio/ago. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2008000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 8 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2008000200013.

FURTADO, André Tosi; CARVALHO, Ruy de Quadros. Padrões de intensidade tecnológica da indústria brasileira: um estudo comparativo com os países centrais. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 70-84, jan./mar. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392005000100006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 8 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392005000100006.

GABOLDE, Jean. New challenges for indicators in science and technology policy-making: a european view. Research Evaluation, UK, v. 7, n. 2, p. 99-104, ago. 1998.

GONZALEZ, Rodrigo Valio Dominguez; MARTINS, Manoel Fernando. O Processo de Gestão do Conhecimento: uma pesquisa teórico-conceitual. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 24, n. 2, p. 248-65, abr./jun. 2017 (Epub: 26 jan. 2017). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2017005001103&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 8 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/0104-530x0893-15.

GUY, Ken; ARNOLD, Erik. UK government pratice in science and technology evaluation. Research Evaluation, UK, v. 3, n. 3, p. 179-86, dez. 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Inovação Tecnológica – PINTEC 2014. Rio de Janeiro, 2016.

INNO-METRICS. European innovation scoreboard 2006: comparative analysis of innovation performance. Bruxelas: European Commission, Inno-Metrics, 2006.

JAFFE, Adam B. Economic analysis of research spillovers implications for the advanced technology program. Gaithersburg: Advanced Technology Program, National Institute of Standards and Techonology, 1996.

KASTRINOS, Nikos; ROMERO, Fernando. Policies for competitiveness in less favoured regions of Europe: a comparison of Greece and Portugal. Science and Public Policy, UK, v. 24, n. 3, p. 189-95, jun. 1997.

KUHLMANN, Stefan. Patterns of science and technology policy evaluation in Germany. Research Evaluation, UK, v. 5, n. 1, p. 23-3, abr. 1995.

LINK, Alber; SCOTT, John. Evaluating public sector R&D: a retrospective examination of U.S. Experiences. In: APEC Symposium on the evaluation of S&T programmes among APEC member economies, 12., 1998. Anais… Nova Zelândia, 1998.

MATIAS-PEREIRA, José. Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Européia. RAP - Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 61-82, jan./fev. 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI). Nota informativa sobre evolução dos dispêndios nacionais em C&T e P&D no período 2000 a 2013. Brasília: MCTI, 2015a. Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0237/237332.pdf>.

______. Indicadores selecionados de ciência, tecnologia e inovação Brasil 2015. Brasília: MCTI, 2015b. Disponível em: < http://www.mct.gov.br/upd_blob/0237/237254.pdf>.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Indicadores: comparações internacionais. Recursos aplicados. Tabela 8.1.2 Dispêndios nacionais em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em relação ao produto interno bruto (PIB) de países selecionados, 2000-2013. 2017. Disponível em: <http://www.mctic.gov.br/index.php/content/view/2076.html>. Acesso em: 15 abr. 2017.

NORTH, Douglass C. The new institutional economics and development. Economic History 9309002, EconWPA, 1993a.

______. Five propositions about institutional change. Economic History 9309001, EconWPA, 1993b.

______. Institutions, organizations and market competition. Economic History 9612005, EconWPA, 1996c.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Science, Technology and Innovation Outlook 2016. Paris: OECD, 2016a.

______. Science, Technology and Innovation Outlook 2016: Brazil. (OECD) Paris: OECD, 2016b.

______. Manuel d'Oslo: principes directeurs pour le recueil et l’interprétation des données sur l’innovation. 3. ed. Paris: OECD, 2005.

PACAGNELLA JUNIOR, Antonio Carlos; PORTO, Geciane Silveira. Análise dos fatores de influência na propensão à inovação na indústria paulista. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 333-64, jul./dez. 2012.

PLONSKI, Guilherme Ary. Bases para um movimento pela inovação tecnológica no Brasil. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 25-33, jan./mar. 2005.

PORTER, Michael. Vantagem competitiva. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

RATCHFORD, J. Thomas. Science and technology in government and industry: whence and whiter? Technology In Society, UK, v. 19, n. 3-4, p. 211-36, ago./nov. 1997.

ROTHWELL, Roy; DODGSON, Mark. European technology policy evolution: convergence towards SMES and regional technology transfer. Technovation, Dorset, UK, v. 12, n. 4, p. 223-38, maio 1992.

RUFÍN, Carlos; MAHMOOD, Ishtiaq P. From big push to big pull: the paradox of government action. Academy of Management Review, v. 30, n. 2, p. 338-60, abr. 2005.

Publicado
2018-03-23