A identificação do público infantil com <i>youtubers</i></p>: mediações, autenticidade e <i>performance</i></p>

Palavras-chave: estudos, recepção, youtubers, público, infantil.

Resumo

Embasada teoricamente nos estudos de recepção e em seus desdobramentos no ciberespaço, esta reflexão investiga a articulação entre o público infantil e o YouTube. A hipótese sustenta que existem, entre a narrativa dos youtubers e as crianças, mecanismos de identificação evidentes e articulados entre si. Para analisar essa questão, utiliza-se a pesquisa bibliográfica e o grupo focal como metodologias principais. Espera-se que esta pesquisa contribua com as discussões acerca da consolidação de narrativas audiovisuais digitais de youtubers e das mediações da recepção infantil na Internet.

Biografia do Autor

Lara Lima Satler, Universidade Federal de Goiás

Possui Pós-Doutorado em Estudos Culturais, no Programa Avançado de Cultura Contemporânea, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), 2018. Doutorado em Arte e Cultura Visual (PPGACV/ FAV / UFG), com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), 2016. Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás, em 2007. Pós-graduação em Filosofia Política pela Universidade Católica de Goiás (2005). Graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal de Goiás (2001). Atualmente é Professora Adjunto da Universidade Federal de Goiás, atuando no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Performances Culturais (PPGIPC) e no curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda na Faculdade de Informação e Comunicação (FIC), onde ministra as disciplinas Produção Audiovisual, Produção Cultural, Iniciação Acadêmica - Práticas de Pesquisa. É pesquisadora no Media Lab / UFG, coordenando o projeto FestFlix financiado pelo Fundo de Arte e Cultura de Goiás (2018). Tem experiência nas áreas de Publicidade, Arte e Audiovisual, atuando principalmente nos seguintes temas: Mediações, Tecnologia e Performances. Autora do livro Tramas formativas em audiovisual (2017) e organizadora do livro Imagens, Olhares, Narrativas (2016). E-mail: satlerlara@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-2509-6278

Ana Júlia de Freitas Carrijo, Universidade Federal de Goiás

Graduanda do curso Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, na Universidade Federal de Goiás. Atua como pesquisadora júnior do Núcleo de Pesquisa em Teoria da Imagem, na Faculdade de Informação e Comunicação (FIC/UFG) e é pesquisadora bolsista do programa de iniciação científica da UFG (PIBIC). E-mail: anajucarrijo@gmail.com

Referências

BURGESS, J; GREEN, J. YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

COGO, D.; BRIGNOL, L. Redes sociais e os estudos de recepção na internet. Revista Matrizes, São Paulo, ano 4, n. 2, jan./jun. 2011.

COSTA, M. E. B. Grupo Focal. In: BARROS, A. T.; JUNQUEIRA, R. D. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2005. p. 180-92.

ESCOSTEGUY, A. C. Circuitos de cultura/circuitos de comunicação: um protocolo analítico de integração da produção e da recepção. Revista CMC - comunicação, mídia e consumo, São Paulo, v. 4, n. 11, 2007.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 2015.

MARQUES, A. C. S.; ROCHA, S. M. A produção de sentidos nos contextos de recepção: em foco o grupo focal. Revista Fronteiras - estudos midiáticos, Porto Alegre, v. VII, n. 1, jan./abr. 2006.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Pistas para entre-ver meios e mediações. In: ______. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Prefácio à 5ª edição castelhana, incluída na reimpressão. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

MONTAÑO, S. A construção do usuário na cultura audiovisual do YouTube. Revista Famecos - mídia, cultura e tecnologia, Porto Alegre, v. 24, n. 2, maio/ago. 2017.

MOTA, M.; PEDRINHO, S. Conciliando pensar e fazer com o YouTube, ou a “fábrica de presentes”. In: BURGESS, J.; GREEN, J. Youtube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

SAGGIN, L.; BONIN, J. Problematizações para pensar as apropriações/produções digitais de jovens. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 25., 7-10 de junho de 2016. Anais [...]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2016.

SIBILIA, P. Autenticidade e performance: a construção de si como personagem visível. Revista Fronteiras – estudos midiáticos, Porto Alegre, v. 17, n. 3, set./dez. 2015.

STUMPF, I. R. C. Pesquisa bibliográfica. In: BARROS, A. T.; JUNQUEIRA, R. D. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2005. p. 51-61.

Publicado
2019-06-06