Núcleo de Estudos da Biodiversidade da Amazônia Mato-Grossense (NEBAM): 12 anos disseminando informações científicas e democratizando o conhecimento

Palavras-chave: Amazônia, biodiversidade, Cerrado, grupo de pesquisa, Mato Grosso.

Resumo

O norte de MatoGrossovem sofrendo perdassignificativas de suascoberturasvegetaisnaturais; contexto aliado à faltade uma políticaambiental atuante,além do desconhecimentoda sociedadesobrea importânciada conservaçãoe utilizaçãosustentáveldos recursosnaturais. Em 2007, os professores biólogos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) criaram o Núcleo de Estudos da Biodiversidade da Amazônia Mato-Grossense (NEBAM), objetivando, principalmente, estudos botânicos e zoológicos relacionados à riqueza, diversidade e distribuição de espécies amazônicas e do ambiente de transição Cerrado-Amazônia. Por gerar suas atividades em uma região submetida à intensa pressão antrópica, seus membros têm tomado essa diretriz como fundamento para seu desenvolvimento e, consequentemente, contribuição para o conhecimento regional. Ademais, participam, em especial, na formação de recursos humanos e, a partir de projetos de extensão, buscam contribuir para o aumento da conscientização ambiental, disseminando este conhecimento acumulado, visando à socialização e interação com a comunidade.

Biografia do Autor

Marliton Rocha Barreto, Universidade Federal de Mato Grosso
Biólogo. Professor Associado da Universidade Federal de Mato Grosso.
Larissa Cavalheiro, Universidade Federal de Mato Grosso
Bióloga. Professora Adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

DEMARCO, J. O.; CADORE, J. S.; INSELSPERGER, V.; RODRIGUES, A. C.; FORTES, P. R. Extensão universitária na conscientização ambiental em escolas de educação básica. Revista Monografias Ambientais, Santa Maria, Edição Especial, p. 101-7, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/view/18747. Acesso em: 9 set. 2019.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 1999.

MORIN, E. Ciência com Consciência. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MUGNAINI, R.; CARVALHO, T.; CAMPANATTI-ORTIZ, H. Indicadores de produção científica: uma discussão conceitual. In: POBLACION, D. A. et al. (Org.). Comunicação e produção científica: contexto e avaliação. São Paulo: Angellara, 2006. p. 313-40.

RODRIGUES, A. L. L.; PRATA, M. S.; BATALHA, T. B. S.; COSTA, C. L. N. A.; PASSOS-NETO, I. F. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de Graduação − Ciências Humanas e Sociais, Aracaju, v. 1, n. 16. p. 141-8, mar. 2013. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/viewFile/494/254 . Acesso em: 9 set. 2019.

SARAIVA, J. L. Papel da extensão universitária na formação de estudantes e professores. Brasília Médica, Brasília, v. 44, n. 3, p. 220-5, 2007. Disponível em: https://rl.art.br/arquivos/3635754.doc. Acesso em: 9 set. 2019.

SILVEIRA, J. P. B. A produção científica em periódicos institucionais: um estudo da revista Biblos. Encontros Bibli − Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 17, n. 33, p. 116-33, jan./abr. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2012v17n33p116. Acesso em: 9 set. 2019.

VIEGAS, S. F. S.; CABRAL, E. R. Práticas de Sustentabilidade em Instituições de Ensino Superior: Evidências de Mudanças na Gestão Organizacional. Gual, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 236-59, jan. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/gual/article/view/1983-4535.2015v8n1p236. Acesso em: 9 set. 2019.

WITTER, G. P. Pós-graduação e produção científica: a questão de autoria. TransInformação, v. 1, n. 1, p. 29-37, 1989. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1698. Acesso em: 9 set. 2019.

Publicado
2020-03-12