Vigor híbrido de matrizes de aroeira para o caráter germinação de sementes

  • Reginaldo Brito da Costa Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Érica Vitória Almeida Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Ana Carla Almeida de Freitas Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Arthur Guilherme Schirmbeck Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Natasha Brianez Rodrigues Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Raul Alffonso Rodrigues Roa Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquiita Filho” (UNESP)
Palavras-chave: Myracrodruon urundeuva, Variabilidade genética, Melhoramento genético, Ganho genético.

Resumo

O presente estudo objetivou estimar parâmetros e ganhos genéticos para o caráter germinação em matrizes de Aroeira. Sementes da espécie foram coletadas de fragmentos florestais, no município de Santo Antônio do Leverger, MT. O ensaio foi estabelecido no viveiro Riacho Doce em Cuiabá, MT, sob o delineamento de blocos ao acaso, com 30 tratamentos, 6 repetições e 10 sementes por parcela. A avaliação da germinação ocorreu ao completarem 30 dias após a semeadura. Os dados obtidos foram analisados através do software Selegen – Reml/Blup. As estimativas de coeficientes de herdabilidade individual (0,25) e de média de matrizes (0,76) são consideradas moderada e altas para os dois parâmetros, respectivamente, sugerindo expressivo controle genético. A seleção das 10 melhores matrizes proporcionou ganho genético de, pelo menos 21,1%. Estes resultados estimulam a utilização dos germoplasmas em programas de melhoramento genético para a espécie.

 

Referências

ANDRADE, W. M. Micropropagação da aroeira (Myracrodruon urundeuva Fr. All). Ciência Agrotécnica, Lavras, v. 24, n. 1, p. 174-80, 2000.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidade e uso da madeira. Colombo: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Centro Nacional de Pesquisas Florestais, 1994. 640p.

COSTA, R. B. et al. Maximization of genetic gain in rubber tree (Hevea) breeding with effective size restriction. Genetics and Molecular Biology, v. 23, n. 2, p. 457-62, 2000.

______. Variabilidade genética e estimativas de herdabilidade para o caráter germinação em matrizes de Hevea brasiliensis. Revista Floresta e Ambiente, v. 12, n. 1, p. 74-76, 2005.

DUDLEY. J. W.; MOLL, R. H. Interpretation and use of estimation of heritability and genetic variance in plant breeding. Crop Science, Madison v. 2, n. 3, p. 257-62, 1969.

PAES, J. B et al. Resistência natural de nove madeiras do semi-árido brasileiro a cupins subterrâneos, em ensaio de laboratório. Cerne, Lavras, v. 9, n. 1, p. 36-47, 2003.

QUEIROZ, C. R. A. A. et al. Caracterização dos taninos de aroeira-preta (Myracrodruon urundeuva). Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 4, p. 485-92, 2002.

REGO, F. L. H et al. Variabilidade genética e estimativas de herdabilidade para o caráter germinação em matrizes de Albizia lebbeck. Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, n. 5, p. 1209-12, 2005.

RESENDE, M. D. V. et al. Acurácia seletiva, intervalos de confiança e variância de ganhos genéticos associados a 22 métodos de seleção em Pinus caribaea var. hondurensis. Revista Floresta, Curitiba, v. 24, n. 1/2, p. 35-45, 1995.

VAN VLECK, L. D. et al. Genetics for the animal sciences. New York: W. H. Freeman, 1987. 391p.

VIANA, G. S. B. et al. Aroeira do sertão: estudo botânico, farmacognóstico, químico e farmacológico. Fortaleza: UFC, 1995, 164p.


Publicado
2016-02-15
Seção
Artigos