Germinação de sementes de plantas medicinais do cerrado de Mato Grosso do Sul

  • Reginaldo Brito da Costa
Palavras-chave: germinação, plantas medicinais, sementes.

Resumo

O presente trabalho objetivou estudar a germinação de sementes de algumas plantas medicinais importantes coletadas no cerrado em diversos municípios de Mato Grosso do Sul. Os teste de germinação foram realizados logo após a coletadas sementes (10 espécies) e, da mesma forma, depois de dezoito meses, sendo as referidas sementes armazenadas em sacos de papel, em câmara (UR 70% e 200C). Verificou-se que as sementes de Himatanthus obovatus, Alibertia edulis, Kielmeyera coriacea e Qualea multiflora tiveram acima de 90% de germinação, enquanto Cochlospermum regium, Ipomoea Alba e Davilla nitida apresentaram mais de 40%de sementes duras. O armazenamento das sementes produziu perda de viabilidade germinativa nas espécies Kielmeyera coriacea e Solanum lycocarpum e, portanto, deverão ser submetidas à germinação logo após a coleta.

Referências

BARROS, M. A. G. Plantas medicinais do cerrado. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA E TERAPIAS NATURAIS. Anais... Brasília, DF, 1996, p. 28-29.

BOTELHO, S. A.; CARNEIRO, J. G. A. Infl uência da umidade, embalagens e ambientes sobre a viabilidade e vigor de sementes de pau-santo (Kielmeyera coriacea Mart.). Revista Brasileira de Sementes, v. 14, n. 1, p. 42-46, 1992.

CONCEIÇÃO, M. As plantas medicinais do ano 2000. Brasília: TAO, 1980.

CORVELLO, W. B. V.; VILLELA, F. A.; NEDEL, J. L.; PESKE, S. T. Época de colheita e armazenamento de sementes de cedro (Cedrela fi ssilis Vell.). Revista Brasileira de Sementes, v. 21, n. 2, p. 28-34, 1999.

EITEN, G. Vegetação do cerrado. In: NOVAES, M. (Coord.). Cerrado - caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília: UnB/SEMATEC, 1990, p. 345-404.

FACHIN, E. Conservação da biodiversidade: espécies da fl ora de Mato Grosso. 1992. 37 p. Monografi a (Curso de Ciência Biológicas) - UFMT, Cuiabá.

FILGUEIRAS, T.; PEREIRA, B. A. Flora do Distrito Federal. In: Cerrado - caracterização, ocupação e perspectivas. 2. ed. In: NOVAES, M. (Coord.). Cerrado - caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília: UnB/SEMATEC, 1993, p.345-404.

GRANDI, T.; SIQUEIRA, D. Flora medicinal de Belo Horizonte. Oréades, MG, 8:116-125, 1982.

HARTMANN, H. T.; KESTER, D. A. Plant propagation: principles and practices. Londres: Prentice-Hall, 1968.

MOLINARI, A. C. F.; COELHO, M. F. B.; ALBUQUERQUE, M. C. F. Germinação de sementes da planta medicinal algodão do campo [Coclospermum regium (Mart. Et Schl.) Pilg.] - Cochlospermaceae. Revista de Agricultura Tropical, v. 2, n. 2, p. 25-31, 1996. PESSOA, D. M. A.; BORGUHETTI, E. Aspectos da dormência de sementes de Solanum lycocarpum St. Hill. (Solanaceae). III CONGRESSO BRASILEIRO DE ECOLOGIA DO BRASIL. Resumos... Brasília: Unb, 1996, p. 39-40.

RATTER, J. A. Notes on the vegetation of Fazenda Água Limpa (Brasília, DF, Brasil). Royal Botanic Garden. Edinburgh, Scotland, 1980, p. 67-70.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; ATKINSON, R.; RIBEIRO, J. F. Analysis of the fl oristic composition of the brazilian cerrado vegetation II: comparison of the woody vegetation of 98 areas. Edinburgh, Scotland. Journal Botanic, v. 53, n. 2, p. 153-180, 1996.

RIBEIRO, J. F.; SANO, S. M.; MACEDO, J. C.; SILVA, J. A. Os principais tipos fi tofi sionômicos da região dos cerrados. EMBRAPA/CPAC. Boletim de Pesquisa, v. 2, p. 1-28, 1983.

SILVA JUNIOR, M. C.; FELFILI, J. M. Florestas nativas. In: Alternativas de desenvolvimento dos cerrados: manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Brasília/DF: FUNATURA, 1992. p. 50-52

SIQUEIRA, J. C. Utilização popular das plantas do cerrado. São Paulo: Loyola, 1981.

Publicado
2016-05-11
Seção
Artigos