A Sala de Aula Invertida como possibilidade no combate à evasão escolar

Palavras-chave: Sala de Aula Invertida, evasão escolar, educação básica.

Resumo

A evasão escolar é um desafio a ser superado pelas instituições de ensino no Brasil. Com índices cada vez mais preocupantes e causas variadas, a evasão escolar é um fator que interrompe a formação dos jovens brasileiros. Entre as principais causas do abandono da escola pelos discentes, destaca-se a falta de interesse pelos estudos. Partindo dessa questão, o presente artigo objetiva tratar do modelo de Sala de Aula Invertida, assumindo esse modelo como parte da aprendizagem ativa enquanto alternativa e possibilidade no combate à evasão escolar. Com base em pesquisa de campo com docentes e com discentes do Instituto Federal do Paraná, Campus Ivaiporã, e análise bibliográfica, os resultados da investigação permitiram verificar a eficiência do método e a otimização do tempo das aulas, gerando melhores condições de aprendizagem.

Biografia do Autor

Debora da Costa Pereira, IFPR - Instituto Federal do Paraná

Graduada em Letras – Português/Inglês pela UNIVALE - Faculdades Integradas do Vale do Ivaí (2007). Especialista em Educação Especial pela ESAP – Instituto de Estudos Avançados e Pós-graduação (2011). Especialista em Gestão Pública pela Faculdade São Braz (2016). Tem experiência na área de secretaria escolar municipal; atendimento ao aluno; cerimonial e eventos. Atuou como Chefe de Seção de Gestão de Pessoas e Chefe de Seção de Secretaria Acadêmica do Câmpus Ivaiporã do IFPR. No IFPR Campus Avançado Goioerê atuou como Coordenadora de Planejamento e Administração, e, Diretora de Planejamento e Administração. Possui experiência no PRONATEC, nas áreas de docência, orientação educacional e supervisão. Também no EAD, na área de coordenação de curso. Trabalha atualmente no Câmpus Ivaiporã do IFPR, ocupando a função de Chefe da Seção Pedagógica e de Assuntos Estudantis. Atua como pesquisadora no Núcleo de Estudos em Formação Docente, coordenado pelo professor Ms. José Mateus Bido.

Fábio André Hahn, UNESPAR - Universidade Estadual do Paraná

Pós-doutor pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Doutor e mestre em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Licenciado em História pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Professor no curso de graduação em História, no mestrado em História Pública, no mestrado profissional em Ensino de História (ProfHistória) e no mestrado interdisciplinar em Sociedade e Desenvolvimento da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Editor da Revista TEL − Tempo, Espaço e Linguagem do Programa de Pós-Graduação em História da Unicentro. Coordenador do mestrado em História Pública. Áreas de interesse: História Pública − Fronteiras e Ocupação − Metodologias de Ensino − Tecnologias Educacionais

Marcos Clair Bovo, UNESPAR - Universidade Estadual do Paraná
Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus de Presidente Prudente, SP. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Especialista em Metodologia de Ensino pelas Faculdades Integradas Norte do Paraná (UNOPAR). Graduado em Geografia pela UEM. Professor adjunto do colegiado do curso de Geografia e do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Sociedade e Desenvolvimento da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Possui experiências nas áreas de Metodologia de Ensino de Geografia, Geografia Urbana, História do Pensamento Geográfico, Organização do Espaço Mundial, Teoria Regional, Educação Ambiental e em Áreas Verdes Urbanas, com ênfase em parques e praças.

Referências

BRASIL. Portaria Interministerial n. 10, de 28 de dezembro de 2017. DOU − Diário Oficial da União, 29/12/2017, ed. 249, seção 1, p. 14. Disponível em: http://www.imprensanacional.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/1498280/do1-2017-12-29-portaria-interministerial-n-10-de-28-de-dezembro-de-2017-1498276. Acesso em: 30 jun. 2018.

CAMARGO, Nilce Modesto de; RODRIGUES JUNIOR, Emílio. Uma experiência em ação: aprofundando conceito e inovando a prática pedagógica através do ensino híbrido. In SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. ENCONTRO DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 2016, São Carlos, SP. Anais [...]. São Carlos, SP: UFSCar, 2016, Disponível em: http://www.sied-enped2016.ead.ufscar.br/ojs/index.php/2016/article/view/1295/547. Acesso: 28 jun. 2018.

CAMILLO, Cíntia Moralles. Blended learning: uma proposta para o ensino híbrido. Revista EaD & Tecnologias Digitais na Educação, Dourados, MS, v. 5, n. 7, p. 64-74, 2017.

COSTA, Iraci Cunha Ferreira. A heterogeneidade em sala de aula. Portal Educação. Publicado em 12/12/2013. Disponível em: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/pedagogia/a-heterogeneidade-em-sala-de-/52946. Acesso em: 11 set. 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FRITZ, Mike. How one school turned homework on its head with ‘flipped’ instruction. PBSNews Hour, 5 dez. 2013. Disponível em: https://www.pbs.org/newshour/education/what-does-a-flipped-classroom-look-like-2 . Acesso em: 30 maio 2018.

GENNERA BLOG. Conheça os 4 benefícios de se aplicar ensino híbrido: sala de aula invertida. Publicado em 26 de setembro de 2017. Disponível em: http://www.gennera.com.br/blog/conheca-os-4-beneficios-de-se-aplicar-ensino-hibrido-sala-de-aula-invertida/. Acesso em: 31 maio 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). PNAD Contínua 2016. Publicado em 21 de dezembro de 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/18992-pnad-continua-2016-51-da-populacao-com-25-anos-ou-mais-do-brasil-possuiam-apenas-o-ensino-fundamental-completo. Acesso em: 24 maio 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. Acesso em: 4 ago. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Inep divulga dados inéditos sobre fluxo escolar na educação básica. Publicado em 20 de junho de 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/inep-divulga-dados-ineditos-sobre-fluxo-escolar-na-educacao-basica/21206. Acesso em: 11 nov. 2018.

INFOGEEKIE. Evasão escolar: as principais causas e como evitar. Publicado em 23 de abril de 2015. Disponível em: http://info.geekie.com.br/evasao-escolar-as-principais-causas-e-como-evitar/. Acesso em: 10 set. 2018.

JOHANN, Cristiane Cabral. Evasão escolar no Instituto Federal Sul-Rio-Grandense: um estudo de caso no Campus Passo Fundo. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, RS, 2012.

LEDESMA, Fernanda. A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua de professores. Profforma − Revista on-line do Centro de Formação de Professores do Nordeste Alentejano, v. 4, out. 2011.

NERI, Marcelo Côrtes (Coord.). O tempo de permanência na escola e as motivações dos sem-escola. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, 2009. (Motivos da evasão escolar). Disponível em: https://www.cps.fgv.br/ibrecps/rede/finais/Etapa3-Pesq_MotivacoesEscolares_sumario_principal_anexo-Andre_FIM.pdf. Acesso em: 11 fev. 2020.

SCHNEIDER, Elton Ivan; SUHR, Inge Renate F.; ROLON, Vanessa E. K.; ALMEIDA, Cláudia Mara de. Sala de aula invertida em EAD: uma proposta de blended learning. Revista Intersaberes, v. 8, n. 16, p. 68-81, jul./dez. 2013.

SETÚBAL, Maria Alice. Equidade e desempenho escolar: é possível alcançar uma educação de qualidade para todos? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 228, p. 345-66, maio/ago. 2010. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/577/0. Acesso em: 26 maio 2018.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, edição especial n. 4, p. 79-97, 2014.

VILLAS-BÔAS, Marcos de Aguiar. Modelo empregado em Harvard, British Columbia e outras universidades de ponta há alguns anos é muito mais eficiente e inclusivo do que o tradicional. Carta Capital. Publicado em 25 de agosto de 2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/vanguardas-do-conhecimento/aulas-invertidas-sao-muito-mais-eficientes. Acesso em: 1º jun. 2018.

Publicado
2020-03-12