Propriedades químicas de madeiras nativas comerciais

Palavras-chave: teor de extrativos, teor de lignina, pH.

Resumo

A qualidade da madeira está relacionada com seu uso e o conjunto das propriedades químicas, físicas, anatômicas e mecânicas que lhe conferem características tecnológicas. O objetivo deste trabalho foi analisar o teor de extrativos, o teor de lignina e o pH de madeiras de florestas autóctones, visando predizer e/ou aprimorar suas utilizações. Foram quantificados os teores de extrativos solúveis em água fria e quente, NaOH 1% e etanol/tolueno, o teor de lignina e o pH. A partir do teste de médias, constataram-se as diferenças estatísticas entre as espécies. Concluiu-se, portanto, que as madeiras de espécies nativas podem ser indicadas para a produção de carvão vegetal, para fabricação de produtos reconstituídos de madeira e para uso em construções rurais.

Biografia do Autor

Esther Saraiva Carvalho de Souza

Bacharel em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

Zaíra Morais dos Santos Hurtado de Mendoza, Universidade Federal de Mato Grosso/Faculdade de Engenharia Florestal

Doutora e mestre em Ciência Florestal pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professora do Departamento de Engenharia Florestal, Área de Tecnologia e Utilização de Produtos Florestais da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

Pedro Hurtado de Mendoza Borges, Universidade Federal de Mato Grosso/ Faculdade de Agronomia e Zootecnia

Pós-Doutor em Mecanização Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Doutor em Máquinas Agrícolas pela Universidade de Rostock, na Alemanha, título revalidado pela UNICAMP. Professor do Departamento de Solos e Engenharia Rural, Área de Construções Rurais e Ambiência da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Gabriella da Silva França
Bacharel em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA TÉCNICA DE CELULOSE E PAPEL – ABTCP. Normas Técnicas. São Paulo, 1974.

CASTRO, A. F. N. M.; CASTRO, R.V. O.; CARNEIRO, A. C. O.; LIMA, J. E.; SANTOS, R. C.; PEREIRA, B. L. C. Análise multivariada para seleção de clones de eucalipto destinados à produção de carvão vegetal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 48, n. 6, p. 627-35, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-204X2013000600008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20 jun. 2019.

FRANZEN, D. C.; MENDOZA, Z. M. S. H.; BORGES, P. H. M.; MADI, J. P. S.; BORGES, D. S. Estudo das propriedades físicas e químicas de madeiras provenientes de espécies nativas da Amazônia Legal. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 15, n. 27, p. 498-509, 2018. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2018a/agrar/estudo%20das%20propriedades.pdf. Acesso em: 15 jun. 2019.

GOMIDE, J. L.; COLODETTE, J. L. Qualidade da madeira. In: BORÉM, A. (Ed.). Biotecnologia florestal. Viçosa, MG: UFV, 2007. p. 25-54.

JARA, E. R. P. O poder calorífico de algumas madeiras que ocorrem no Brasil. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 1989. (Comunicação Técnica n. 1797).

KELLY, M. W. Critical literature review of relationships between processing parameters and physical properties of particleboard. Madison, USA: USDA Forest Service General Technology Report Forest Products Laboratory, 1977. 66 p.

MARRA, F. S. Tecnhonology of wood bonding − principles in practice. New York: Van Nostrand Reinhold, 1992. 453 p.

MEDEIROS NETO, P. N.; OLIVEIRA, E.; PAES, J. B. Relações entre as características da madeira e do carvão vegetal de duas Espécies da Caatinga. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, p. 484-93, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2179-80872014000400008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20 jul. 2019.

MENDOZA, Z. M. S. H. Tecnologia química de produtos florestais. Cuiabá: Editora UFMT, 2017. (Apostila – material didático, p. 74-7).

MOUTINHO, V. H. P.; ROCHA, J. J. M.; AMARAL, E. P.; SANTANA, L. G. M.; ÁGUIAR, O. J. R. Propriedades químicas e energéticas de madeiras amazônicas do segundo ciclo de corte. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 443-9, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2179-80872016005014105&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 21 jul. 2019.

SANTINI, E. J. Biodeterioração e preservação da madeira. Santa Maria, RS: CEPEF/FATEC, 1988. 125 p.

SILVA, L. F.; PAES, J. B.; JESUS JUNIOR, W. C.; OLIVEIRA, J. T. S.; FURTADO, E. L.; ALVES, F. R. Deterioração da madeira de Eucalyptus spp. por fungos xilófagos. Cerne, Lavras, MG, v. 20, n. 3, p. 393-400, jul/set. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-77602014000300008. Acesso em: 21 jul. 2019.

TRIANOSKI, R.; IWAKIRI, S.; MATOS, J. L. Avaliação de painéis aglomerados de Toona ciliata produzidos com diferentes densidades e teores de resina. Madera y Bosques, Xalapa, México, v. 20, n. 3, p. 49-58, set./nov. 2014. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-04712014000300005. Acesso em: 15 jun. 2019.

Publicado
2020-03-12